Jornalista é morto enquanto transmitia ao vivo pelo Facebook

Video: Jornalista da Nicarágua é morto enquanto transmitia ao vivo pelo Facebook protesto contra reforma da Previdência

Um jornalista foi morto na noite de 21 de abril em Bluefields, no leste da Nicarágua, enquanto fazia uma transmissão ao vivo pelo Facebook do quarto dia de protestos contra a reforma da Previdência.

Ángel Gahona, diretor do El Meridiano, foi atingido por um tiro em frente a um complexo judicial, segundo o jornal La Prensa. No momento em que foi atingido, ele estava transmitindo ao vivo pelo Facebook um confronto entre policiais e manifestantes, segundo Confidencial.

Ángel Gahona (Facebook)

Antes de ser atingido, ele estava entrevistando um manifestante e disse à pessoa que buscasse refúgio “porque a polícia estava chegando”, relatou Confidencial. Gahona “atravessou a rua e se concentrou em um caixa eletrônico que havia sido destruído quando vários policiais entraram em cena. Ele comenta sobre o estado do prédio quando uma explosão é ouvida e Gahona cai no chão e bate em uma coluna de concreto ”, explicou o site.

Confidencial citou uma colega do jornalista que estava por perto quando Gahona foi atingido dizendo: “O tiro veio do parque, mas eu não poderia dizer quem disparou o tiro”.

Ileana Lacayo Ortiz, jornalista e organizadora de protestos em Bluefields contra a reforma do Instituto Nicaraguense de Segurança Social (INSS), disse ao La Prensa: “Os únicos que estavam armados eram a polícia e a tropa de choque, que ao ver o grupo de jovens que estavam derrubando uma placa enorme (com a imagem de [Presidente] Daniel Ortega e [Primeira Dama] Rosario Murillo), começaram a atirar e o jornalista estava lá, cobrindo o que estava acontecendo”.

“Ele foi atingido por uma bala que foi disparada pela tropa de choque”, disse ela, acrescentando que os jovens não estavam armados.

Edison Lanza, Relator Especial para a Liberdade de Expressão da Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA, condenou via Twitter o assassinato. “A repressão deve parar e os crimes não podem ficar impunes. Determinar e sancionar agentes do Estado que causaram tantas mortes ou suas circunstâncias.”

Os protestos “degeneraram em repúdio ao governo de Daniel Ortega e Rosario Murillo em nível nacional”, reportou Confidencial.

Em meio aos confrontos que deixaram várias casas queimadas em León, no oeste da Nicarágua, La Prensa informou que uma estação de rádio na cidade disse que um “comando do governo” incendiou a estação e tentou matar dez pessoas que estavam trabalhando.

“Eles chegaram em duas vans, abriram a porta da entrada, apontaram as armas para o zelador, encostaram-no à parede e ameaçaram que, se ele se movesse, atirariam nele, e passaram a jogar combustível nas instalações e o telhado [da estação]”, disse Aníbal Toruño, dono da Radio Darío, segundo La Prensa.

Alguém detonou o combustível com um morteiro, o que resultou em uma explosão, disse Toruño. Trabalhadores, incluindo o proprietário, estavam em uma cabine da estação quando isso aconteceu e conseguiram sair com a ajuda de pessoas na comunidade, disse ele.

É a sétima vez que a estação, que tem 63 anos, foi queimada, informou La Prensa. Na tarde de 21 de abril, os restos carbonizados de um corpo foram encontrados em uma casa no centro de León, o local inicial de confrontos entre estudantes universitários e grupos apoiadores de Ortega no dia anterior, acrescentou o jornal.

O governo de Ortega aprovou a reforma da Previdência em 18 de abril, o que provocou protestos em massa. A BBC informou que os líderes dos protestos recusaram as ofertas de Ortega para conversar até que a violência policial parasse. O governo enviou tropas a várias cidades.

Em 20 de abril, o Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) informou que pelo menos nove jornalistas foram feridos e pelo menos cinco canais de TV independentes foram bloqueados. Eles divulgaram um alerta com orientações de segurança para a cobertura dos protestos no país.

Relatos do número de pessoas que morreram na Nicarágua desde o início dos protestos variam. O Centro Nicaraguense de Direitos Humanos (CENIDH) informou em 22 de abril que mais de 20 pessoas haviam morrido, “a maioria estudantes”.

 

Facebook Comments

Lile Corrêa

Jornalista, Radialista e Recordista Bi-Mundial incluso no Guinness Book