Jornalistas cubanos relatam aumento em detenções e outros abusos de poder por autoridades

Por Teresa Mioli/California

Jornalistas cubanos independentes estão pedindo apoio de governos e organizações internacionais ao relatarem um aumento de detenções e ataques.

A casa do pai de Alberto Castaño, diretor administrativo do ICLEP, também foi invadida pela polícia, segundo a entidade. (ICLEP)

O Instituto Cubano de Liberdade de Expressão e de Imprensa (ICLEP, por sua sigla em espanhol) informou em 25 de junho que os meios de comunicação comunitários e jornalistas que fazem parte de sua rede estão “sofrendo a maior onda repressiva que o regime cubano desencadeou este ano, contra a liberdade de expressão e a imprensa na ilha”.

“O silêncio das instituições e organizações que defendem a liberdade de expressão e de imprensa no mundo, juntamente com a impunidade com que a Polícia Política Cubana atua, torna os comunicadores da ilha mais vulneráveis ​​e os representantes do regime cubano mais agressivos”, Normando Hernández, diretor geral do ICLEP, disse ao Centro Knight.

As forças combinadas da Polícia Nacional Revolucionária (PNR) e da Segurança do Estado levaram a jornalista e diretora Martha Liset Sánchez do meio comunitário Cocodrillo Callejero no início da manhã de 25 de junho, segundo o ICLEP.

Alberto Corzo, diretor executivo do ICLEP e marido de Sánchez, disse que o policial que chegou ao escritório disse “diga-me onde estão as coisas que você usa para fazer os boletins ou ela vai para a prisão comigo”, informou o ICLEP. Quando ele foi ao Departamento de Operações de Segurança do Estado, ele só foi informado de que sua esposa estava sob investigação, acrescentou a organização.

Esta é uma de uma série de ações supostamente realizadas pela Polícia Política Cubana contra os meios de comunicação e jornalistas do ICLEP nos últimos seis dias, de acordo com a organização. Quatro casas foram invadidas, equipamentos jornalísticos foram confiscados e dez jornalistas sofreram agressões, incluindo interrogatórios, detenções arbitrárias e agressões físicas e psicológicas, informou o ICLEP.

Segundo a organização, Alberto Castaño, diretor administrativo do ICLEP, foi libertado em 22 de junho, 96 horas depois que o PNR, Brigadas Especiais e Polícia Política invadiram a sede do El Majadero de Artemisa, um meio de comunicação comunitário membro do ICLEP.

Ele relatou que a polícia política está interessada em saber onde estão localizados os meios de produção dos meios de comunicação do ICLEP.

Outras detenções e convocações

Outro jornalista independente, Osmel Ramírez, que escreve para o Havana Times e o Diario de Cuba, que não são associados ao ICLEP, foi recentemente libertado após três dias de detenção, segundo o jornal Havana Times.

Ele relatou na publicação que a cela em que ele estava, feita para conter quatro pessoas, “era um forno“. Ele também foi detido anteriormente por três dias em novembro de 2017.

Ramírez escreveu: “De acordo com a Segurança do Estado, não tenho o direito de publicar sobre o trabalho do MININT [o Ministério do Interior, do qual o órgão é parte] ou comentar sobre questões que desmerecem o país. Isso é o que eles chamam de ‘jogar o jogo do inimigo’, ‘contrarrevolução’ e me chamaram de ‘mercenário’.”

“De acordo com o que me disseram na frente da minha família e depois quando estava sozinho, eu não teria mais paz. Eu vou ser detido sempre que escrever um artigo ”, disse o jornalista.

A Segurança do Estado em Camagüey convocou Inalkis Rodríguez, que colabora com La Hora de Cuba, em 21 de junho, e lhe disse que ela havia sido acusada de pintar cartazes na casa de um colega de trabalho, informou o site de notícias 14ymedio. O site acrescentou que as autoridades a proibiram de deixar a província e o país sem obter autorização.

Como observado por 14ymedio, os jornalistas do La Hora de Cuba são alvos freqüentes da polícia.

 

Facebook Comments

Lile Corrêa

Jornalista, Radialista e Recordista Bi-Mundial incluso no Guinness Book