Polícia da Dinamarca diz que braço pode ser da jornalista

Mergulhadores dinamarqueses que faziam varredura perto de Copenhague encontraram nesta quarta-feira (29) um braço que, segundo a polícia, seria da jornalista sueca Kim Wall, que morreu em agosto a bordo de um submarino.

O inventor dinamarquês Peter Madsen, que construiu o submarino, admitiu ter desmembrado o corpo de Wall a bordo da embarcação e jogado seus restos mortais no mar, mas negou tê-la matado, bem como acusações de agressão sexual – acusações sustentadas pela promotoria da Dinamarca.

O braço esquerdo de Wall já havia sido achado no último dia 21, na mesma área da baía de Koge, perto da capital do país. A polícia afirmou que, a exemplo do outro, o segundo braço encontrado também havia sido amarrado a pesos de metal para que não viesse à superfície.

“O braço não foi examinado ainda, mas foi encontrado na mesma área e afundado da mesma maneira”, disse a polícia.

Kim Wall era uma jornalista freelancer que trabalhava entre Nova York e a China. Ela embarcou em 10 de agosto no submarino Nautilus, ao lado do próprio inventor Peter Madsen, para fazer uma reportagem.

Seu namorado denunciou o desaparecimento em 11 de agosto. No mesmo dia, Madsen foi resgatado pelas autoridades dinamarquesas em Öresund, entre a costa da Dinamarca e da Suécia, antes do naufrágio do submarino.

A polícia acredita que o inventor provocou o naufrágio do Nautilus de modo deliberado. A embarcação foi erguida à superfície e examinada pela perícia.

Em um primeiro momento, Madsen afirmou que a jornalista havia desembarcado na ilha de Refshaleoen, em Copenhague, na noite de 10 de agosto.

Versão alterada

Depois de ser detido, ele mudou sua versão e afirmou que Wall havia falecido em um “acidente” e que ele jogou o corpo no mar, na baía de Koge.

Segundo esta versão, ele subiu na ponte, segurando a porta da escotilha de acesso à torre em que Kim Wall estava de pé. Ao escorregar de repente, ele soltou a escotilha de 70 kg que caiu na cabeça da jovem.

De acordo com seu relato, o corpo do jornalista estava intacto quando o jogou no mar.

A acusação alega que Madsen matou Kim Wall para satisfazer uma fantasia sexual, depois desmembrou e mutilou seu corpo.

A necrópsia do torso não estabeleceu as causas da morte. Por outro lado, revelou mutilações múltiplas infligidas na genitália da vítima.

A jornalista colaborou com The Guardian e New York Times e era graduada pela Escola Superior de Jornalismo da Universidade de Columbia.

O Nautilus foi inaugurado em 2008. Com 18 metros de extensão, era naquele momento o maior submarino privado do mundo.

A jornalista Kim Wall e o inventor dinamarquês Peter Madsen (Imagem: Reprodução)

Facebook Comments

Lile Corrêa

Jornalista, Radialista e Recordista Bi-Mundial incluso no Guinness Book