The Guardian lança ONG para apoiar seu jornalismo

O jornal britânico The Guardian anunciou recentemente a adoção de uma estratégia de geração de renda para viabilizar matérias sobre direitos humanos e mudanças climáticas a partir de instituições filantrópicas, trata-se do theguardian.org.

Segundo informações do site do The New York Times, a empresa estabeleceu um empreendimento sem fins lucrativos nos Estados Unidos para se concentrar em explorar organizações filantrópicas – ou mesmo fundamentos corporativos e grupos de reflexão – para ajudar a viabilizar as pautas.

A presidente do guardian.org, Rachel White, afirmou que o status de caridade sem fins lucrativos torna mais fácil que organizações e indivíduos possam contribuir para a realização de matérias relacionadas ao tema, sem que se vejam obrigados a despender valores diretamente à redação do jornal.

O guardian.org recebeu isenção de impostos em outubro de 2016 e, desde dezembro vem estabelecendo parcerias com diversas instituições, assegurando mais de US$ 1 milhão de recursos. Empresas como Skoll Foundation, Humanity United, Grupo Omidyar, Fundação Conrad N. Hilton, são algumas delas.

Rachel atenta para parcerias como a da Skoll e Hilton em que as organizações queriam apoiar um dicruso de qualidade.”Os esforços de angariação de fundos, numa época em que o negócio de notícias está em transtorno enfrentou ataques públicos, foram ajudados pelas preocupações cada vez maiores das fundações sobre o futuro do setor de notícias”, diz

“Há um despertar para essa preocupação de que alguns dos problemas que eles [empresas] consideram queridos não estão recebendo cobertura ou não há informações suficientes na esfera pública”, afirma.

A nova abordagem sem fins lucrativos do Guardian está em linha com o tom estabelecido com os leitor.  Ao invés de disponibilizar um paywall em seu site, a empresa inclui uma mensagem na parte inferior de suas histórias pedindo que os visitantes se inscrevam ou façam uma contribuição financeira.

O jornal já usou anteriormente contribuições de organizações sem fins lucrativos, incluindo a Fundação Bill & Melinda Gates, a Fundação Ford e a Fundação Rockefeller, para ajudar a financiar seus relatórios. As parcerias filantrópicas constituem uma parcela relativamente pequena – cerca de 3,8 milhões de libras, ou US$ 4,9 milhões – das receitas de aproximadamente US$ 276 milhões da empresa para o período de 12 meses encerrado em 2 de abril. Nos últimos 12 meses, recebeu compromissos de US$ 6 milhões em fundos plurianuais.

O The Guardian, que se baseou no sucesso de sua cobertura de vazamentos de Edward Snowden, conquistada pelo premio Pulitzer, expandindo nos Estados Unidos em 2014, teve que cortar custos para conter suas perdas, que foram de £ 44,7 milhões no ano fiscal terminado em abril de 2017, em comparação com £ 68,7 milhões no ano anterior.

Facebook Comments

Lile Corrêa

Jornalista, Radialista e Recordista Bi-Mundial incluso no Guinness Book