Clube de Imprensa

01 de Julho – Dia de Santo Aarão, Dia Mundial da Arquitetura e Dia da Vacina BCG

O Dia de Santo Aarão é celebrado em 1 de julho.

Esta data celebra um dos homens santos que pertencem ao Antigo Testamento: Santo Aarão, irmão de sangue de Moisés.

Moisés foi escolhido por Deus para libertar os israelitas da escravidão no Egito, mas sofria de gagueira. Assim, quem falava por ele enquanto estavam na presença do faraó era Aarão.

Mais tarde, quando o povo de Israel se consolidou, Aarão e seus descendentes foram escolhidos para serem sacerdotes e oficiar o culto a Javé.

Santo Aarão

Para o Cristianismo, Santo Aarão é visto como um exemplo de fidelidade e lealdade a Deus. O seu testemunho está imortalizado nas Sagradas Escrituras da Bíblia. Aliás, no livro de Eclesiásticos, Aarão está inserido num dos primeiros lugares com a honra de pertencer à galeria dos Homens Ilustres.

Santo Aarão é padroeiro dos que sofrem gagueira.

Oração a Santo Aarão

“Senhor, hoje de maneira especial, eu Vos peço pelas vocações e em particular pelos sacerdotes. Iluminai os Pastores para que Vosso rebanho caminhe sob Vossa Luz. Dai também aos leigos a Vossa Graça, para que junto com os Pastores possam ser colaboradores na implantação do Reino de Deus entre nós. Amém. Santo Aarão, rogai por nós.”

Dia Mundial da Arquitetura é comemorado em 1º de julho no Brasil.

A data foi escolhida para lembrar a fundação da UIA (União Internacional de Arquitetos) que aconteceu em 1º de julho de 1949.

A arquitetura está presente em nossa vida, pois a casa onde moramos foi pensada, planejada e executada por um arquiteto. Também as cidades e as infraestruturas de qualquer porte foram criadas por este profissional.

Museu de Arte Contemporânea
Museu de Arte Contemporânea de Niterói, projeto do arquiteto Oscar Niemeyer

O formato das construções revela o momento histórico de um povo, o material empregado revela a disponibilidade dos recursos disponíveis.

Assim mesmo, a arquitetura significa o gosto pessoal de quem encomendou um projeto, pois o arquiteto precisa ter a sensibilidade de traduzir os desejos do seus clientes.

A fim de chamar atenção para grandes talentos da arquitetura foi criado em 1979 o Prêmio Pritzker de Arquitetura. Anualmente, um profissional da área é escolhido e o Brasil já recebeu o troféu em 1988 com Oscar Niemeyer e Paulo Mendes da Rocha, em 2006.

Afinal, qual é o Dia da Arquitetura?

Apesar de ter sido instituído em 1995, o Dia Mundial da Arquitetura foi transferido, mais tarde, para a primeira segunda-feira de outubro, quando se celebra o Dia Mundial do Habitat.

No entanto, alguns países e instituições continuam a celebrar a data no dia 1º de julho e há aqueles que o fazem nas duas ocasiões.

Arquitetos Brasileiros

Sem dúvida, quando se pensa em arquitetura brasileira, os primeiros nomes que vêm à mente são os de Oscar Niemeyer (1907-2012) e Lúcio Costa (1902-1998), por causa da cidade de Brasília.

No entanto, outros profissionais conseguiram projetar sua criatividade em obras e contribuir para a arquitetura brasileira. Confira oito arquitetos de prestígio no país.

  • Roberto Burle Marx (1909-1994)
  • Lina Bo Bardi (1914-1992)
  • Paulo Mendes Rocha (1928)
  • Rosa Kliass (1932)
  • Isay Weinfeld (1952)
  • Márcio Kogan (1952)
  • Felipe Diniz (1968)
  • Sarkis Semerdjian (1981)
“O Dia da Vacina BCG é comemorado em 1º de julho, data da criação dessa importante vacina. A BCG (Bacilo Calmette-Guérin) é utilizada na prevenção da tuberculose, uma doença transmitida pela saliva e materiais contaminados e causada pelo Mycobacterium tuberculosis, também chamado de bacilo de Koch.

A vacina BCG foi criada pelos pesquisadores Albert Calmette e Camille Guerin a partir de uma bactéria responsável por desencadear mastite tuberculosa bovina, a Mycobacterium bovis. Sua primeira utilização foi feita em uma criança recém-nascida de mãe que apresentava tuberculose em 1921. No Brasil, ela começou a ser usada em 1927, e a cepa utilizada é chamada de BCG Moreau.”

Início do Julho Amarelo | Hepatites Virais (de 1 a 31)

A campanha Julho Amarelo ocorre durante todo o mês de julho com a finalidade de conscientizar as pessoas sobre as hepatites virais, infecções silenciosas que prejudicam o funcionamento do fígado e, quando não tratadas, podem lesionar consideravelmente este órgão.

Existem cinco tipos conhecidos de hepatites: A, B, C, D e E. No Brasil, as mais comuns são as do tipo A, B e C. Por serem consideradas doenças que dificilmente apresentam manifestações clínicas, merecem uma atenção maior quando o assunto é prevenção e diagnóstico, uma vez que em muitos dos casos são descobertas quando a infecção está em fase avançada, podendo levar a outras complicações de saúde.

Nos casos em que a doença apresenta sintomas, os mais observados são: febre, cansaço, tontura, mal-estar, olhos amarelados, urina escura, fezes clara, dores abdominais e enjoos.

A Associação Brasileira de Câncer de Cabeça e Pescoço (ACBG Brasil) realiza a 7ª Campanha Nacional de Prevenção do Câncer de Cabeça e Pescoço. O tema escolhido para 2023 é “Câncer? Não perca a cabeça!”, que pretende alertar a população sobre a importância do autocuidado e atenção aos primeiros sinais e sintomas da doença.

O objetivo principal é ampliar o número de diagnósticos precoces, evitando, assim, o crescente número de óbitos e mutilações graves que comprometem funções vitais dos pacientes como a fala, respiração, alimentação, visão, audição e cognição.

“Receber o diagnóstico de câncer ainda assusta as pessoas; elas se desesperam pelo estigma que a doença ainda tem junto à sociedade.  A medicina evoluiu muito e, nos diagnósticos precoces, muitos cânceres são curados. O ‘não perder a cabeça’ refere-se ao fato análogo de que os diagnósticos nesta região do corpo não podem continuar chegando tardiamente”, destaca a fundadora e presidente voluntária da ACBG Brasil, Melissa Medeiros.

Anualmente, o Instituto Nacional de Câncer (INCA) registra cerca de 40 mil novos casos de tumores localizados na cabeça e pescoço. Estes dados incluem neoplasias que se originam em regiões das vias aéreo-digestivas, como cavidade oral, glândula tireoide e laringe.

Beata Madre Maria Assunta Marchetti

Religiosa e cofundadora do Instituto das Irmãs Missionárias de São Carlos Borromeo, foi uma monja exemplar ao serviço dos órfãos dos imigrantes italianos; ela viu Jesus presente nos pobres, nos órfãos, nos doentes, nos migrantes.

Maria Assunta Caterina Marchetti

Nasceu em Lombrici di Camaiore (Lucca) em 15 de agosto de 1871. Desde muito jovem, desejou uma vida de total dedicação e entrega a Deus, mas o trabalho doméstico, a doença da mãe e a morte prematura do pai a impediram de realizar suas aspirações imediatamente.

Missionária

Em 1895, aceitou o pedido de seu irmão, Pe. Giuseppe Marchetti, para acompanhá-lo em sua missão no Brasil, para cuidar dos órfãos dos imigrantes italianos. Ela seguiu sua vocação e, junto com sua mãe e outros dois jovens, foi apresentada a Giovanni Battista Scalabrini, constituindo os  Servos dos Órfãos e Abandonados . Era 25 de outubro de 1895.

Espiritualidade maternal 

Para a Madre, Jesus estava presente nos pobres, nos órfãos, nos doentes, nos migrantes. Ficou feliz por ser chamada, à honra do apostolado, ao serviço da caridade entre os mais abandonados. Dedicou sua juventude aos pequeninos, tornando-se mãe daqueles que ficaram órfãos; ele ansiava, em seu coração, terminar seus dias terrenos na companhia de seus entes queridos, os pequenos órfãos.

Modelo de vida

As Irmãs Missionárias Scalabrinianas têm nela um pilar e modelo de incansável dedicação missionária e corajosa ao serviço da caridade. Sua dedicação gerou uma grave lesão na perna, causada durante uma visita a uma pessoa doente, que lhe causou longos anos de sofrimento. Ele morreu no orfanato em São Paulo, Brasil, em 1º de julho de 1948. Sua Beatificação ocorreu, em 25 de outubro de 2014, por meio do Papa Francisco.

A minha oração

“Mãe dos pobres e abandonados, olhai para aqueles que mais sofrem e intercedei por eles. Assim como cuidai de nós como vossos filhos, aqueles a quem tu adotastes com amor e carinho. Por Cristo, nosso Senhor. Amém!”

Beata Madre Marchetti , rogai por nós!

Outros santos e beatos celebrados em 1º de julho:

  • Comemoração de Santo Aarão, da tribo de Levi, que Moisés, seu irmão, ungiu com o óleo santo sacerdote do Antigo Testamento e foi sepultado no monte Hor.
  • Em Vienne, na atual França, São Martinho, bispo. († s. III f.)
  • No mosteiro de Brevon, São Domiciano, abade. († s. V)
  • No território de Reims, também na atual França, São Teodorico, presbítero. († 533)
  • Em Angoulème, também na atual França, Santo Epárquio, presbítero. († 581)
  • Na Bretanha Menor, também na atual França, São Golveno, bispo. († s. VI)
  • No mosteiro de Saint-Calais, também na atual França, São Carilefo, abade. († s. VI)
  • Em Londres, na Inglaterra, os beatos Jorge Beesley e Montford Scott, presbíteros e mártires. († 1591)
  • Também em Londres, o Beato Tomás Maxfield, presbítero e mártir. († 1616)
  • Também em Londres, o Beato Olivério Plunkett, bispo de Armagh e mártir. († 1681)
  • Num barco-prisão ancorado ao largo de Rochefort, na França, os beatos João Baptista Duverneuil, da Ordem dos Carmelitas Descalços, e Pedro Arédio Labrouhe de Laborderie, cónego de Clermont, presbíteros e mártires. († 1794)
  • Em Stresa, no Piemonte, região da Itália, o Beato António Rosmini, presbítero, teólogo, filósofo e fundador do Instituto da Caridade e da Congregação das Irmãs da Providência. († 1855)
  • Em La Valleta, na ilha de Malta, o Beato Inácio Falzon, clérigo. († 1865)
  • Em Zhuhedian, junto de Jieshui, no Hunan, província da China, São Zhang Huailu, mártir. († 1900)
  • Em Rancho de las Cruces, localidade de Guadalajara, no México, os santos Justino Orona Madrigal e Atilano Cruz Alvarado, presbíteros e mártires. († 1928)
  • Perto de Munique, cidade da Baviera, na Alemanha, o Beato João Nepomuceno Chrzan, presbítero e mártir, natural da Polónia. († 1942)

Fontes:

  • vatican.va e vaticannews.va
  • Martirológio Romano – liturgia.pt
  • Liturgia das Horas
  • Livro “Relação dos Santos e Beatos da Igreja” – Prof Felipe Aquino [Cléofas 2007]

– Pesquisa e redação: Rafael Vitto – Comunidade Canção Nova

– Produção e edição: Catarina Xavier – Comunidade Canção Nova