Clube de Imprensa

03 de Maio – Dia Internacional da Liberdade de Imprensa, Dia do Sertanejo e Dia de São Filipe e São Tiago

Dia Internacional da Liberdade de Imprensa é comemorado no dia 03 de maio.

A data celebra o direito de todos os profissionais da mídia de investigar e publicar informações de forma livre.

Informação é poder, e por isso a tentativa de controlar os meios de comunicação sempre existiu e se chama censura. A Censura é o contrário da Liberdade de Imprensa, e é comum nos regimes ditatoriais não democráticos. Mas a luta pela liberdade de imprensa é constante, porque mesmo nos regimes democráticos a censura pode aparecer, de variadas maneiras.

Historicamente foram cometidos muitos crimes contra a liberdade de imprensa, principalmente durante a Ditadura Militar no Brasil.

Origem do Dia Mundial da Liberdade de Imprensa

O Dia Mundial da Liberdade de Imprensa foi criado pela UNESCO – Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura através da Decisão A/DEC/48/432 de 1993.

A data foi criada para alertar sobre as impunidades cometidas contra centenas de jornalistas que são torturados ou assassinados como consequência de perseguições por informações apuradas e publicadas por estes profissionais.

O Dia do Parlamento, celebrado nesta sexta-feira (3) de maio de 2024, marca o aniversário de 201 anos do Poder Legislativo no Brasil. A data, criada por meio da Lei 6.230/1975, tem por objetivo reconhecer a instalação da Primeira Assembleia Constituinte e a criação do Poder Legislativo no Brasil.
A taquigrafia é o registro do que os senadores falam da tribuna ou numa reunião de comissão. As “notas taquigráficas” funcionam como um registro histórico. A data foi escolhida pelos próprios taquígrafos, pois foi em 3 de maio de 1951, que ocorreu o primeiro Congresso Brasileiro de Taquigrafia em São Paulo. E foi também em um 3 de maio, só que no ano de 1823, que foi criada oficialmente a Taquigrafia Parlamentar no Brasil, que funcionou na primeira Assembleia Constituinte.

Dia do Sertanejo é comemorado anualmente em 3 de maio.

Esta data homenageia toda a tradição e, principalmente, a música de origem sertaneja. O povo sertanejo surgiu no sertão nordestino brasileiro e se espalharam por todo o Brasil.

A musicalidade sertaneja é uma das características mais marcantes desta cultura. Por norma, este ritmo exalta a vida do homem no campo e nas cidades interioranas do país.

O Dia do Sertanejo começou a ser comemorado a partir da década de 1960, por iniciativa da Rádio Aparecida, para homenagear os vários violeiros do sertão que frequentam as missas na cidade de Aparecida do Norte, em São Paulo.

Assim, foi criado o “Show Sertanejo” no dia 3 de maio de 1964, quando o “Marechal da Música Sertaneja”, Geraldo Meireles, propôs que todos os sertanejos passassem a se encontrar anualmente em aparecida nesta data, para celebrar a música sertaneja.

O Dia Nacional do Pau-Brasil é comemorado anualmente em 3 de Maio.

A data homenageia a árvore que deu origem ao nome do país: o Pau-Brasil. O objetivo é organizar ações de reflorestamento e conscientização em escolas e nas comunidades sobre a importância desta espécie para a história do Brasil, criando o senso de proteção para evitar a exploração ilegal do pau-brasil.

Com o nome científico de Caesalpinia echinata?, o pau-brasil foi decretado a árvore oficial nacional no dia 7 de dezembro de 1978, através da Lei nº 6.607. O pau-brasil está desde 1992 na lista brasileira de árvores com risco de extinção.

A árvore símbolo do Brasil também possui outros nomes, como: ibirapitanga, pau-vermelho, pau-de-pernambuco, arabutã, ibirabitã, muirapitanga, orabutã, pau-rosado e pau-de-tinta.

O pau-brasil existia em abundância na Mata Atlântica, no entanto, com a intensa exploração dos portugueses e demais colonizadores do Brasil, a árvore começou a ficar cada vez mais escassa. A madeira era utilizada para produção de móveis na Europa, devido a sua alta qualidade.

O pau-brasil é a única árvore no Brasil protegida por uma lei exclusiva, que considera a exploração e exportação da madeira ilegal.

São Filipe e São Tiago, discípulos e apóstolos escolhidos pessoalmente por Jesus


A Igreja celebra, no dia 3 de maio, a memória dos apóstolos São Filipe e São Tiago, companheiros leais de Nosso Senhor, escolhidos por Ele para propagar o Evangelho por todo o mundo. Pouco se sabe sobre a vida desses dois apóstolos além do que consta nos Evangelhos, nos Atos dos Apóstolos e em algumas Cartas do Novo Testamento.

São Tiago

Os Evangelhos citam dois apóstolos chamados Tiago: um, comumente chamado de “Tiago Maior”, era o irmão de São João e filho de Zebedeu; enquanto o outro, identificado como “filho de Alfeu”, natural de Nazaré, portanto, conterrâneo de Jesus, é uma figura sobre quem pairam algumas dúvidas quanto à identidade. Isso porque, com frequência, ele também é identificado como “Tiago, o Menor”, que seria filho de Maria de Cléofas e primo de Jesus. Este Tiago Menor teve papel fundamental na Igreja de Jerusalém – foi o seu primeiro bispo –, especialmente ao dizer (cf. At 15,13) que os pagãos podiam ser acolhidos na Igreja sem antes ter de se submeter à circuncisão. Além disso, São Paulo diz que Jesus apareceu especificamente para ele (cf. 1 Cor 15,7) e o nomeou uma das colunas da Igreja (cf. Gl 2,9). A esse mesmo Tiago Menor é atribuída a Carta que leva seu nome, na qual consta a conhecidíssima afirmação de que “a fé sem obras é morta”.  O famoso historiador judeu Flávio José relata a informação mais antiga sobre a morte de São Tiago. Ele narra que o Sumo Sacerdote Anano, filho de Anás, aproveitou o intervalo entre a deposição de um Procurador romano e a chegada do seu sucessor para decretar a pena de morte de Tiago por lapidação no ano de 62.

São Filipe

Filipe era natural de Betsaida, mesma terra de Pedro e André. Apesar de sua origem hebraica, seu nome é grego, o que indica uma abertura cultural que, ressalta o Papa Bento XVI, não se deve subestimar. Os momentos em que Filipe é citado nos Evangelhos são pontuais, mas significativos: São João diz que ele foi chamado por Jesus e, tendo encontrado Natanael, diz-lhe (Jo 1,45-46): “Encontramos aquele sobre o qual escreveram Moisés, na Lei, e os Profetas: Jesus, filho de José, natural de Nazaré”. “De Nazaré pode sair alguma coisa boa?” – perguntou Natanael. “Vem e verás”, replica Filipe, demonstrando, conforme aponta o Papa Bento XVI em catequese específica sobre esse apóstolo, as características da verdadeira testemunha, que “não se contenta em propor o anúncio, como uma teoria, mas interpela diretamente o interlocutor, sugerindo-lhe que faça ele mesmo uma experiência pessoal do que foi anunciado”. Filipe aparece novamente por ocasião da multiplicação dos pães, quando Jesus lhe pergunta onde eles comprariam pão para alimentar aquela multidão. Filipe responde de maneira sensata, considerando o número de pessoas ali presentes, dizendo que duzentos denários – ou seja, duzentas vezes o valor da diária de um trabalhador – não bastariam para que cada um comesse um pedaço. Jesus ter se dirigido a Filipe demonstra que ele era uma figura de destaque entre os discípulos, o que é reforçado pelo fato de que ele sempre aparece em quinto lugar nas listas dos apóstolos. Antes da Paixão de Cristo, Filipe é procurado por alguns gregos, que lhe pediram para ver Jesus (Jo 12,20-22). Muito possivelmente, o próprio Filipe falava grego, motivo pelo qual os estrangeiros o procuraram. Por fim, Filipe aparece recebendo uma espécie de reprimenda do Senhor, quando, na Última Ceia, Jesus dissera que o conhecer significava conhecer também o Pai (Jo 14,7-11). Filipe replica pedindo: “Senhor, mostra-nos o Pai, e isso basta!”, ao que Jesus responde: “Há tanto tempo estou convosco e não me conheces, Filipe? Quem me viu, viu o Pai: Como pedes que te mostre o Pai? Não crês que estou no Pai e o Pai em mim?” Após a morte de Jesus e o recebimento do Espírito Santo, certamente Filipe creu que quem via Jesus via o Pai, tanto que se tornou um grande evangelizador, tendo anunciado Cristo na Grécia e na Frígia, onde acabou encontrando a morte pela crucifixão ou lapidação.

O que aprendemos com os dois apóstolos

São Filipe e São Tiago foram privilegiados, porque conviveram de perto com Jesus, foram catequizados, formados pelo Senhor. Não podemos esquecer, contudo, que muitos dos discípulos de Jesus não suportaram seus ensinamentos e O abandonaram, como narrado por São João. A santidade desses dois apóstolos não vem do fato de eles terem sido chamados por Jesus e convivido com Ele, mas pela maneira como eles corresponderam ao chamado, desapegando-se da sua vida por amor ao Senhor, gastando a própria vida para anunciar Jesus e, por fim, perdendo a própria vida para ganhá-la, como ensinou seu Divino Mestre.

Minha oração

São Filipe e São Tiago, vós convivestes com tanta proximidade com Jesus. São Tiago, talvez tu brincaste com Nosso Senhor quando éreis crianças, talvez fostes à sinagoga juntos aprender a Lei de Deus. Vós fostes formados pelo Mestre, ouvistes d’Ele tantos ensinamentos, partilhastes o pão, partilhastes também as perseguições e preocupações! Peço-vos que me ensine, a mim, que só vi a Cristo sob o véu dos sacramentos, a perseverar no seguimento do Evangelho.  Peço-vos que me ajudeis a ter a coragem de me lançar na evangelização, sem medo dos perigos, das censuras, da humilhação.  Peço-vos que rogueis para que eu esteja sempre atento para ajudar aqueles que querem conhecer Jesus como tu estiveste, São Filipe. Peço-vos vossa intercessão para que eu seja firme na defesa da verdade como tu sempre foste, São Tiago. Peço-vos auxílio para nunca ter uma fé apenas da boca para fora, mas sim uma fé sustentada pelas obras, uma fé de quem realmente conheceu a Cristo e se converteu. Uno-me, por fim, à Igreja, que hoje reza:

“Ó mártires ilustres, faróis de tanta luz, na fé e na esperança, já vemos a Jesus.

E um dia em plena glória, então sem véu algum, vejamos face a face o Deus que é trino e um!”

São Filipe e São Tiago, apóstolos de Nosso Senhor Jesus Cristo, rogai por nós!


Outros santos e beatos celebrados em 3 de maio:

  1. Em Antínoo, na Tebaida, região do Egipto, os santos Timóteo e Maura, mártires. († 286)
  2. Junto à Via Nomentana, a sete milhas de Roma, os santos EvêncioAlexandre e Teódulo, mártires. († s. III/IV)
  3. Em Nárni, na Úmbria, região da Itália, São Juvenal, venerado como o primeiro bispo desta cidade. († s. IV)
  4. Em Kildare, na Irlanda, São Conleto, bispo, que acompanhou Santa Brígida na orientação espiritual do seu mosteiro e de outros colocados sob a sua jurisdição, tendo exercido também muita influência junto dos prelados do lugar. († c. 520)
  5. Em Argo, na Grécia, São Pedro, bispo, que foi insigne pela sua imensa caridade para com os pobres e os escravos e, para defesa da fé, trabalhou incansavelmente na resolução dos conflitos. († c. 922)
  6. No mosteiro de Fohorst, na Flandres, hoje na Bélgica, o passamento de Santo Ansfredo, bispo de Utrecht, que, atingido pela cegueira, se retirou neste lugar. († 1008)
  7. Em Kiev, na Ucrânia, São Teodósio, abade, que fundou o mosteiro “das Grutas” e, segundo a tradição, instituiu a vida cenobítica nesta região. († 1074)
  8. Em Vercelas, no Piemonte, região da Itália, a Beata Emília Bicchiéri, virgem da Ordem dos Pregadores, que, apesar de ser várias vezes prioresa, trabalhava com muita alegria entre as irmãs nos serviços mais humildes. († 1314)
  9. Em Kasimierz, na Polônia, Santo Estanislau Kazimierczyk, presbítero e cónego regular, que, movido pela caridade pastoral, foi diligente ministro da palavra de Deus, mestre de vida espiritual e assíduo na audição das confissões. († 1489)
  10. Em Innsbruck, na Àustria, o Beato Tomás de Olera (Tomás Acerbis de Viani), religioso da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos, que, apesar da sua condição de simples professo, foi um grande mestre espiritual, tanto para os humildes como para os príncipes e poderosos, constituindo-se também um valoroso defensor da fé no seu tempo atribulado. († 1631)
  11. Em Susa, no Piemonte, região da Itália, o Beato Eduardo José Rosaz, bispo, que durante vinte e cinco anos exerceu o ministério apostólico que lhe foi confiado, cuidando especialmente dos pobres, e fundou a Congregação das Irmãs da Ordem Terceira de São Francisco. († 1903)
  12. Em Sherbrooke, cidade do Quebec, no Canadá, a beata Maria Leónia (Alódia Paradis), virgem, que instituiu a Congregação das Irmãzinhas da Sagrada Família, destinada a auxiliar a atividade e a vida dos sacerdotes. († 1912)

 


Fontes:

  • Papa Bento XVI – Os Apóstolos e os primeiros discípulos de Cristo: nas origens da Igreja. São Paulo: Paulus, 2011.
  • Franciscan media – franciscanmedia.org
  • Padre Paulo Ricardo – padrepauloricardo.org
  • Opus Dei – opusdei.org
  • Martirológio Romano

– Pesquisa: José Leonardo – Comunidade Canção Nova – Aracaju (SE) – Produção e edição: Fernando Fantini – Comunidade Canção Nova