Clube de Imprensa

04 de Abril – Dia Nacional do Parkinsoniano, Dia Mundial dos Animais de Rua e Dia de Santo Isidoro

Dia Nacional do Parkinsoniano é celebrado anualmente em 4 de abril no Brasil.

A data visa conscientizar e alertar a sociedade sobre o Mal de Parkinson e as demais doenças parkinsonianas, responsáveis por afetar o sistema nervoso central.

Esta doença é mais comum nas pessoas que já atingiram a terceira idade (a partir dos 60 anos) e é caracterizada por afetar a movimentação muscular do indivíduo.

Entre os principais sintomas estão os tremores involuntários, a rigidez corporal, a instabilidade de postura e a lentidão de movimentos.

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), atualmente aproximadamente 1% da população mundial com mais de 65 anos tem a doença.

O Dia Nacional do Parkinsoniano também ajuda a disseminar informações corretas sobre os avanços a nível de tratamento que a doença obteve ao longo dos anos. Hoje em dia, existem alternativas que ajudam a duplicar a expectativa de vida das pessoas que sofrem com este mal.

Ainda não existe uma resposta definitiva sobre os motivos que levam ao desenvolvimento da doença de Parkinson, mas alguns estudiosos acreditam que fatores hereditários e ambientais estejam envolvidos.

Um campo minado

O Dia Internacional para a Consciencialização Contra as Minas e de Assistência à Desminagem tem lugar a 4 de abril.

O dia foi criado pelas Nações Unidas em 2006, com o objetivo de sensibilizar o público sobre o perigo das minas terrestres antipessoais e de promover o processo de limpeza destas minas.

As minas terrestres são armas que se compram a baixo custo e que se escondem facilmente debaixo da terra. Já a sua remoção é difícil e demorada. As minas são plantadas durante os conflitos armados, sem registo da sua localização, tornando as populações civis as principais vítimas, mesmo passados anos sobre os conflitos.

Anualmente morrem cerca de 5 mil pessoas vítimas de minas terrestres, e muitas mais ficam mutiladas.

Colômbia, Afeganistão, Myanmar, Camboja e Paquistão são os países com mais vítimas de minas. Já os países identificados com produtores de minas são: Birmânia, China, Coreia do Norte, Coreia do Sul, Cuba, Estados Unidos, Índia, Irão, Paquistão, Rússia, Singapura e Vietname.

O Dia Mundial dos Animais de Rua foi criado por organizações não-governamentais da Holanda como uma forma de conscientizar para o número de animais abandonados no país. Mesmo sem ser uma data oficial, outras ONGs ao redor do planeta usam o marco para servir de alerta para os mais de 600 milhões de animais abandonados nas ruas no mundo hoje.

O problema envolve, além do abandono, possíveis questões de zoonoses, com transmissão de doenças e ataques desses animais que podem não ser vacinados contra raiva e outras doenças transmissíveis.

Santo Isidoro, bispo, pai dos concílios e mestre da Igreja

Origens
Nasceu numa família hispânica-romana muito cristã. Seu pai chamava-se Severiano, foi prefeito de Cartagena e a administrava dentro dos preceitos católicos. Sua mãe, com o nome de Teodora, educou os filhos dentro da fé cristão católica. Como fruto, quatro deles foram elevados aos altares da Igreja: Isidoro (4/4), Fulgêncio (14/1), Leandro (27/2) e Florentina (20/6).

Vida cotidiano
Teve como referencial de vida a figura do irmão Leandro, pois o pai falecera cedo. Formou-se em Sevilha, estudando o latim, grego e hebraico. Ordenou-se sacerdote e, mais tarde, como bispo, sucedeu ao seu irmão como Bipo de Sevilha por quase quatro décadas.

Fragilidade
Isidoro, quando iniciou os seus estudos, teve muitas dificuldades de aprendizagem, inclusive gazeando aulas, trazendo grande preocupação para a família e os professores. Conta-se que, observando um poço, como as frágeis cordas fizeram sulcos profundos na dura rocha, tirou uma grande lição. E a Divina Providência completou a obra, tornando-o como homem mais sábio de sua época.

Santo Isidoro: chamado “Pai dos Concílios” e “mestre da Igreja” na Idade Média

Via de santificação
Dedicou a vida aos estudos, sendo autor de numerosos livros que tratam de todo o ser humano, da agronomia à medicina, da teologia à economia doméstica.
Trabalhou na conversão dos visigodos arianos, foi responsável pela conversão dos judeus espanhóis. Como bispo, organizou núcleos escolares nas casas religiosas, que são considerados os embriões dos atuais seminários. Presidiu o II Concílio de Sevilha, em 619, e o IV Concílio de Toledo, em 633, do qual saíram leis muito importante para a Igreja.

Páscoa
No dia 4 de abril de 636, sentindo que a morte estava se aproximando dele, dividiu os seus bens com os pobres, publicamente pediu perdão para os seus pecados, recebeu, pela última vez, a eucaristia e, orando aos pés do altar, ali morreu.

Doutor da Igreja
Em 1722, foi proclamado pelo Papa Bento XIV Santo de Sevilha Isidor, doutor da Igreja.

Minha Oração
“Ouvi, ó Deus, as nossas preces na comemoração de Santo Isidoro, para que a sua intercessão ajude a Igreja, por ele alimentada com a vossa doutrina. Por Nosso Senhor Jesus Cristo, Vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém!”

Santo Isidoro, rogai por nós!


Outros santos e beatos que a Igreja faz memória em 4 de abril

  • São Caetano Catanoso, presbítero, que fundou a Congregação das Irmãs Verónicas da Santa Face para assistência dos pobres e dos marginados, na Itália († 1953).
  • Santos mártires Agatópodo, diácono, e Teódulo, leitor, que pela sua confissão da fé cristã, sob o regime do imperador Maximiano, por ordem do prefeito Faustino, foram lançados ao mar com uma pedra atada ao pescoço, na Grécia († s. IV in.).
  • Santo Ambrósio, bispo, que no dia de Sábado Santo, foi ao encontro de Cristo triunfante. A sua memória celebra-se a 7 de dezembro, dia da sua ordenação na Itália († 397).
  • São Platão, hegúmeno, que combateu durante vários anos os opositores ao culto das sagradas imagens e com seu sobrinho São Teodósio Studita instituiu o célebre mosteiro de Stúdion, na Turquia († 814).
  • São Pedro, bispo que favoreceu os inícios da Ordem de Fontevralt e, injustamente removido da sua sede, morreu exilado em Chauvigny, na atual França († 1115).
  • São Guilherme Cuffitélli, eremita que, abandonando a paixão pela caça, passou 57 anos na solidão e na pobreza, na Sicília, região da Itália († 1411)
  • São Bento Massarári, chamado o Negro por causa da cor da pele, foi eremita e depois religioso na Ordem dos Frades Menores, sempre humilde em todas as circunstâncias e cheio de confiança na divina providência, na Sicília, região da Itália († 1589).
  • Beato José Bento Dusmet, bispo da Ordem de São Bento, promoveu diligentemente o culto divino, a instrução cristã do povo e o zelo do clero; e na epidemia da peste, prestou grande auxílio aos enfermos, na Sicília, região da Itália († 1894).

Fontes:

  • Missal cotidiano
  • Martirológio Romano  – um Santo para cada dia
  • site da Arquidiocese de São Paulo

 Pesquisa e redação: Isidoro Paula da Silva – SDB Salesiano de Dom Bosco – Inspetoria Sul
– Produção: Fernando Fantini – Comunidade Canção Nova

Pular para o conteúdo