04 de Fevereiro – Dia Mundial do Braille, Dia do Hemofílico e Dia de São João de Brito

O Dia Nacional da Abreugrafia é celebrado anualmente em 4 de janeiro.

Esta data é uma homenagem à criação da técnica médica que permite a impressão de imagens de radiografias em papéis fotográficos. Esse método foi indispensável nos diagnósticos de doenças pulmonares e lesões no coração.

A abreugrafia tem este nome devido ao seu criador, o médico brasileiro radiologista Manoel Dias de Abreu (1891 – 1962), que inventou esta técnica em 1936. O nome da sua invenção foi oficializado num congresso brasileiro de tuberculose, em 1939.

Numa época onde o mundo era assolado por uma epidemia de tuberculose, a invenção do médico brasileiro possibilitou a identificação atempada da doença e, consequentemente, o aumento da probabilidade de cura dos pacientes. Devido à importância da sua invenção, Manoel Dias de Abreu chegou a ser indicado ao Prêmio Nobel.

Origem do Dia Nacional da Abreugrafia

Manoel Dias de Abreu nasceu em 4 de janeiro de 1861, sendo este o motivo da escolha desta data como o da celebração do Dia Nacional da Abreugrafia.

A data comemorativa foi oficializada pelo então presidente Juscelino Kubitschek. Isso foi feito através do Decreto nº 42.984, de 3 de janeiro de 1958, com o intuito de homenagear o trabalho do radiologista e dignificar a sua contribuição para o bem da pátria.

Dia Mundial do Braille

Aumentar a consciencialização sobre a importância do braile como meio de comunicação para pessoas cegas ou com baixa visão foi o objetivo principal da criação da efeméride. O Sistema Braile nasceu na França, em 1825, por Louis Braille, e de lá para cá continua sendo usado em todo o mundo por pessoas com deficiência visual.

Trata-se da representação tátil de símbolos alfabéticos e numéricos que possibilitam a escrita e leitura, através da combinação de 1 a 6 pontos entre si. É lido da esquerda para a direita, com uma ou ambas as mãos e tradicionalmente escrito em papel relevo. Por ser uma linguagem universal, pode ser adaptado a diversos alfabetos. Além de livros e publicações especializadas, é possível encontrar informações no sistema braile em elevadores, museus, cardápios de restaurante, entre outros.

No Brasil, o método foi introduzido por José Álvares de Azevedo, idealizador da primeira escola para o ensino de cegos no Brasil, o Imperial Instituto de Meninos Cegos – o atual Instituto Benjamin Constant. No dia 8 de abril, aniversário de José Álvares de Azevedo, é comemorado o Dia Nacional do Braille.

Além de pioneira na educação para cegos, o IBC foi responsável pela produção dos primeiros livros em braile no país. E o Sistema Braile continua sendo valorizado no Instituto Benjamin Constant, não só na alfabetização de crianças. A gráfica do IBC, por exemplo, produz material para diversas instituições. Em 2020, foram mais de dois milhões de folhas impressas em braile e milhares de materiais especializados distribuídos para todo o Brasil. Vale ressaltar, ainda, a realização do primeiro estágio supervisionado de revisor de braile e a avaliação de quase 300 livros para o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), em ações desenvolvidas pelo Departamento Técnico-Especializado (DTE).

Para saber mais sobre o Sistema Braille, clique aqui

O dia do Hemofílico, comemorado na data de 4 de janeiro, tem como objetivo chamar atenção à Hemofilia, uma doença genética, caracterizada pela deficiência na coagulação do sangue, favorecendo hemorragias e resultando em sangramentos de difícil controle.

Os pacientes com hemofilia podem ser atingidos desde a primeira infância, o que causa danos no aparelho locomotor (artrose, deformidades e dor nas juntas), compromete a qualidade de vida do portador e produz impacto social na vida do paciente.

Em 70% dos casos, a hemofilia é hereditária, sendo transmitida por mães portadoras de uma mutação no cromossomo X.
Quando há hemofílicos na família, é provável que a mulher seja portadora da mutação, principalmente se ela tiver algum irmão, o pai, o avô ou tios maternos com hemofilia. Filhas de pai hemofílico serão sempre portadoras obrigatórias do gene.
É importante lembrar que apesar de ser portadora, a mulher não desenvolve hemofilia. Apenas transmite o gene.
Porém, apesar de ser muito raro, a hemofilia também pode ocorrer em mulheres, mas somente se o pai tiver hemofilia e a mãe for portadora.

Principais sintomas
Sangramentos frequentes e desproporcionais ao tamanho do ferimento.
Aparecimento de manchas roxas (hematomas) ao menor trauma, ou mesmo sem trauma.?

Diagnóstico
Além dos sinais clínicos, o diagnóstico é feito por meio de um exame de sangue que mede a dosagem do nível dos fatores VIII e IX de coagulação sanguínea.

Tratamento
Não há cura para a hemofilia, porém, a doença pode ser controlada com injeções regulares dos fatores de coagulação deficientes. Quanto antes for o início do tratamento, menores serão as complicações.

São João de Brito, santo português e grande evangelizador na Índia

Origens
São João de Brito é um santo português, nasceu em Lisboa no ano de 1647.

Relação com o Brasil
Em 1640, seu pai Salvador Pereira de Brito foi enviado pelo rei Dom João IV para ser governador no Brasil, lugar onde faleceu. São João de Brito, com sua mãe e seus irmãos, permaneceram na corte. Desde cedo, São João dava testemunho da busca de viver em Deus.

Saúde na infância
Com sua saúde fragilizada, os médicos chegaram a perder as esperanças. Sua mãe, voltando-se para o céu em oração e intercessão, fez também uma promessa a São Francisco Xavier, e o pequeno João recobrou a saúde milagrosamente. São João passou um ano com uma batina, pois isso fazia parte do cumprimento da promessa. Mais do que isso, Deus foi trabalhando a vocação em seu coração, até que, com 15 anos apenas, ele entrou para a Companhia de Jesus.

São João Brito: a ida para Índia e o difícil sacerdócio

Sacerdócio na Índia
Em 1673, foi ordenado sacerdote e enviado para evangelizar na Índia. Viveu em Goa, depois no Sul da Índia, onde aprofundou-se nos estudos; e todo aquele lugar, toda aquela região conheceu o ardor deste apóstolo. Homem que comunicava o Evangelho com a vida, ele buscava viver a enculturação para que muitos se rendessem ao amor de Deus num diálogo constante com as culturas, o que não quer dizer que sempre encontrou acolhimento.

Perseguição e intervenção de Deus
Junto aos povos de Maravá, ele evangelizou, e muitos foram batizados. Ao retornar desta missão, ele e outros catequistas acabaram sendo presos por soldados pagãos e anticristãos, e fizeram de tudo para que este sacerdote santo renunciasse à fé. Ele renunciou à própria vida e estava aberto para o martírio se fosse preciso. O rei chegou a condená-lo, mas um príncipe quis ouvir a doutrina que ele espalhava e muitos mudavam de vida e abandonavam os deuses; a conclusão daquele príncipe pagão era de que aquela doutrina era justa e santa. São João foi liberto junto com os outros.

O retorno a Portugal
Não demorou muito, por obediência, voltou para Portugal, mas o seu coração queria, de novo, retornar para a Índia e até mesmo ser mártir. Foi o que aconteceu.

O Martírio de São João Brito e o seu legado

Páscoa
Após dar seu testemunho em vários colégios dos jesuítas em Portugal, voltou para a Índia. Logo foi preso. Desta vez, até um príncipe pagão chegou a se converter. Mas o rei se revoltou, mandou castigar aquele padre. Em 4 de fevereiro de 1693, foi degolado. Sofreu muito antes disso, mas tudo ofereceu por amor a Cristo e pela salvação das almas.

Santuário na Índia
Foi canonizado por Pio XII em 22 de junho de 1947. No local do seu martírio, em Oriyur, na Índia, foi construído um Santuário. Conta-se que o seu sangue abençoou o solo, tornando-o vermelho. Os peregrinos consideram esta areia vermelha como sagrada e encontram nela cura para os seus males.

São João de Brito no Brasil
Na Diocese de Santo Amaro (SP), o santo é padroeiro de uma paróquia desde 1951. Tal devoção surgiu após uma visita do então bispo de Santo Amaro a Portugal, que trouxe uma imagem que ganhou no país europeu e sugeriu que a nova Paróquia que surgia levasse o nome de São João de Brito.

Minha oração
“Ó santo sacerdote, exímio missionário e evangelizador, fortalecei e encorajai aqueles que têm a mesma missão de evangelizar os povos mais distantes. Intercedei pelas vocações, a fim de suscitar outros homens e mulheres com a mesma generosidade. Amém.”

São João de Brito, rogai por nós!


Outros santos e santas celebrados em 4 de fevereiro:

  • Santo Isidoro, presbítero e monástico no Egito [† 449]
  • São Rabano Mauro, bispo na na Alemanha [† 856]
  • São Nicolau Studita, monge de Istambul, na Turquia, [† 868]
  • São Gilberto, presbítero e fundador de Ordem monástica com dupla observância na Inglaterra [† 1189]
  • São José de Leonessa, presbítero Capuchinho da Itália [† 1612]

Fontes:

  • vatican.va
  • Martirológio Romano
  • Paróquia São João de Brito – Diocese de Santo Amaro/SP paroquiasaojoaodebrito.com.br
  • Livro “Santos de cada dia” – José Leite, SJ [Editorial A.O. Braga, 2003]
  • Livro “Relação dos Santos e Beatos da Igreja” – Prof. Felipe Aquino [Cléofas, 2007]
  • Foto: imagem do filme produzido pelo Santuário de São João de Brito em Oriyur, em Tamilnadu, na Índia

Pesquisa e Redação: Fernando Fantini – Canção Nova
Oração:  Rafael Vitto – Comunidade Canção Nova

Pular para o conteúdo