Clube de Imprensa

10 de Junho – Dia da Artilharia, Dia de Portugal e Santo Anjo da Guarda de Portugal

Dia da Artilharia é comemorada anualmente em 10 de junho.

A data é destinada a homenagear uma das mais importantes posições de um grupo militar: a artilharia. Este é o principal apoio de fogo das forças terrestres do Exército, que podem ser dotadas de canhões, foguetes ou mísseis.

Sua missão é apoiar a arma-base pelo fogo, destruindo ou neutralizando os alvos que possam ameaçar o êxito da operação. Igualmente é uma seção que demanda muito estudo, pesquisa e planejamento para que suas armas possam ser mais eficientes e assim cumprir o objetivo estabelecido.

Artilharia

Origem do Dia da Artilharia

O Dia da Artilharia é uma homenagem à figura de Emílio Luís Mallet (Émile Louis Mallet, no original em francês), conhecido como Marechal Emilio Mallet,  o Barão de Itapevi. O dia da Artilharia é celebrado na data de seu aniversário, 10 de junho.

Mallet nasceu na França e veio para o Brasil com 17 anos. Cursou a “Imperial Academia Militar” e participou de inúmeras batalhas importantes na Guerra da Cisplatina, Revolução Farroupilha e Guerra do Paraguai.

Em todas as contendas que participou foi conhecido por ser um chefe idôneo, espírito reto e ordeiro, caráter impoluto e dinâmico, e tornou-se o Patrono da Arma dos tiros densos, longos e profundos.

Emilio Mallet é considerado o Patrono da Artilharia no Brasil.

Assim como é no Brasil, geralmente, quando se faz a escolha de datas para serem feriados nacionais, existe uma preferência para dias em que ocorreram eventos históricos. Muitas são datas religiosas, outras ligadas à independência do país ou de grandes batalhas.

Mas, o feriado do Dia de Portugal é um ponto fora da curva. Esta data foi estabelecida tendo como base a vida do maior poeta português, Luís Vaz de Camões. E houve um motivo específico para isso.

Depois da implantação da República, em 5 de outubro de 1910, foram definidas datas para os feriados nacionais de Portugal, ao mesmo tempo em que foram eliminados diversos feriados religiosos para marcar o Estado Laico e reduzir a influência do clero na sociedade.

Os feriados municipais também ficaram definidos a partir desse momento, sendo que cada cidade portuguesa escolheu um dia do ano para representar suas festas tradicionais.

No caso de Lisboa, a data escolhida foi 10 de junho porque acredita-se que este seja o dia da morte do poeta Camões, e a cidade quis prestar sua homenagem. Então, com o tempo, acabou se tornando um feriado nacional – o Dia de Portugal.

Santo Anjo da Guarda de Portugal, o Anjo da Paz

Anjo da Paz, da Pátria, da Eucaristia

As três aparições desse anjo em Portugal compuseram o ciclo angélico da mensagem de Fátima e, acontecendo um ano antes da aparição de Nossa Senhora, foi uma preparação dos corações dos pastorinhos para o sobrenatural que viveriam.

Primeira aparição

Na primavera de 1916, as três crianças estavam na Loca do Cabeço, no lugar dos Valinhos, a pastorear, quando apareceu-lhes um jovem de mais ou menos 14 ou 15 anos, mais branco que a neve, dizendo:

“Não temais, sou o Anjo da Paz, orai comigo: Meu Deus eu creio, adoro, espero e amo-vos. Peço-vos perdão para os que não creem, não adoram, não esperam e não vos amam.”

As crianças rezaram por três vezes, com o rosto ao chão. Depois ouviram do anjo:

“Orai assim. Os corações de Jesus e de Maria, estão atentos à voz de vossas súplicas”.

Essa oração acompanhou os pastorinhos para sempre.

Segunda aparição

Num dia de verão, no quintal da casa de Lúcia, no Poço do Arneiro. As crianças estavam brincando sobre o poço, quando o anjo apareceu-lhes dizendo:

“Que fazeis? Orai, orai muito. Os corações santíssimos de Jesus e de Maria tem sobre vós desígnios de misericórdia… Eu sou o Anjo da sua guarda, o Anjo de Portugal.”

Terceira aparição

No outono do mesmo ano, novamente na Loca do Cabeço, as crianças rezavam a oração que aprenderam na primeira aparição, e o Anjo lhes apareceu com o cálice e uma hóstia. A hóstia a pingar gotas de sangue no cálice. Elas ajoelharam, e o anjo ensinou-lhes esta oração profundíssima que diz da essência da mensagem de Fátima:

“Santíssima Trindade, Pai, Filho e Espírito Santo, adoro-vos profundamente. E ofereço-vos o Preciosíssimo Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Jesus Cristo presente em todos os sacrários da Terra. Em reparação aos ultrajes, sacrilégios e indiferenças com que Ele mesmo é ofendido, e pelos méritos infinitos do Seu Santíssimo Coração e do Coração Imaculado de Maria, peço-vos a conversão dos pobres pecadores.” Depois disso, o Anjo da Eucaristia entregou a hóstia para Lúcia e o cálice entre Francisco e Jacinta, e disse-lhes: “Tomai e bebei o Corpo e o Sangue de Jesus Cristo, horrivelmente ultrajado pelos homens ingratos. Reparai os seus crimes e consolai o vosso Deus.”

Esta oração nos une a Maria, ao reparador Jesus Cristo, no mistério da Eucaristia para a glória da Santíssima Trindade.

Testemunho dos pastorinhos

A presença do Anjo de Portugal envolveu os pastorinhos em um enlaço de profundo amor e intimidade com Deus.

“A atmosfera do sobrenatural que nos envolveu era tão intensa, que quase não nos dávamos conta da própria existência.”

“Estas palavras do Anjo gravaram-se em nosso espírito, como uma luz que nos fazia compreender quem era Deus, como nos amava e queria ser amado.”

“A paz e a felicidade que sentíamos era grande, mas só íntima, completamente concentrada a alma em Deus.”

A minha oração

“Anjo da Paz, fostes tu que levastes a mensagem do amor ao sacrifício oferecido a Deus aos pastorinhos, e a partir disso, eles estiveram prontos para receber a presença de Maria para cumprir a missão que o Senhor lhes iria designar. Assim, peço-te também: fortalece o meu coração, a fim de que se sacrifique por amor e pela reparação do mundo inteiro, e concede-me ter todo o meu ser aberto às mensagens que o céu me quiser trazer. Amém!”

Santo Anjo da Guarda de Portugal, rogai por nós!

Outros santos e santas celebrados em 10 de junho:

  • São Censúrio, bispo, em Auxerre, actualmente na França,  († s. V)
  • São Landerico, em Paris, bispo, que, segundo consta, vendeu as alfaias sagradas para socorrer os pobres em tempo de fome e edificou um hospital junto da igreja catedral. († c. 656)
  • Santo Itamar, em Rochester, na Inglaterra, bispo, que foi o primeiro natural da região de Cantuária a ser chamado para a ordem episcopal e resplandeceu pela sua erudição e santidade de vida. († c. 666)
  • São Bogumilo, na Polônia, bispo de Gniezno, que, renunciando à sede episcopal, ali seguiu a vida eremítica em suprema austeridade. († 1182)
  • Beata Diana de Andaló, em Bolonha, na região da Itália, virgem, que, superando todas as oposições da família, na presença do próprio São Domingos fez o voto de vida claustral e ingressou no mosteiro de Santa Inês por ela fundado. († 1236)
  • Beato Henrique de Bolzano, em Treviso, na região da Itália, o que, sendo carpinteiro e inculto, dava tudo aos pobres e, apesar da sua deficiência física, partilhava com os outros mendigos a precária esmola que ele mendigava. († 1315)
  • O passamento do Beato João Domínici, em Budapest, na Hungria, bispo de Dubrovnik, que, depois da peste negra, restaurou a observância regular nos conventos da Ordem dos Pregadores na Itália e, enviado para a Boémia e Hungria a fim de impugnar a pregação de João Hus, morreu nesta cidade. († 1419)
  •  Em Londres, na Inglaterra, os beatos mártires Tomás Green, presbítero, e Gualter Pierson, monge da Cartuxa desta cidade, que, por se oporem ao rei Henrique VIII na sua pretensão de assumir a suprema jurisdição sobre os direitos eclesiásticos, foram metidos num sórdido cárcere, onde, consumidos pela fome e a doença, encontraram a morte gloriosa. († 1537)
  • Beato Eduardo Poppe, na Bélgica, o presbítero, que, apesar das adversidades do seu tempo, com os seus escritos e a sua pregação promoveu na Flandres a formação cristã e o culto da Eucaristia. († 1924)
  • Beato Eustáquio Kugler, na Alemanha, religioso da Ordem Hospitaleira de São João de Deus. († 1946)

Fontes:

  • Martirológio Romano
  • Opus dei
  • Padrepauloricardo.org

– Pesquisa e redação: Catarina Xavier – Comunidade Canção Nova