Clube de Imprensa

16 de Janeiro – Dia do Cortador de Cana-de-açúcar, Dia de São Marcelo, São Berardo e companheiros mártires

O dia de São Marcelo I é celebrado dia 16 de janeiro, data de seu martírio.

Marcelo nasceu em Roma no ano de 255 e foi o 30º pontífice da Igreja Católica Romana eleito no ano de 308.

É o padroeiro dos cocheiros e treinadores de cavalos.

Biografia de São Marcelo

São Marcelo I nasceu em Roma e foi eleito Papa após a violenta perseguição do Imperador Diocleciano. A Igreja estava sem um líder máximo há quatro anos e Marcelo se pôs à frente da instituição neste momento.

Para isso, organizou a reconstrução dos templos destruídos e abriu as portas para aqueles que houvesse renegado a fé voltassem à Igreja. No entanto, impôs como condição que deveria fazer penitência, algo que desagradou a muitos.

Assim, seu inimigos conseguiram que o imperador Maximiano II (ou Maxêncio) o desterrasse. O papa foi obrigado a trabalhar numa igreja transformada em estábulo e, provavelmente, morreu do maus tratos recebidos, no ano de 309.

Oração a São Marcelo

Pai Celeste, doador da vida e da santidade, dignai-me receber o dom da fé e viver a serviço do vosso evangelho. Faça com que eu seja um cristão honesto e solidário e aprenda de são Marcelo o valor da bondade e da acolhida. Por Cristo Nosso Senhor, Amém.

16 de janeiro é o dia alusivo ao cortador de cana

16 de janeiro é o dia alusivo ao cortador de cana – Rogério Paiva / Ascom MPT

16 de janeiro é o dia alusivo ao cortador de cana. Esta categoria, durante o período da safra, soma um total mediano de 300 mil trabalhadores no país.

O setor canavieiro é um dos que mais registra a presença de trabalhadores em condições de escravidão, expressas em mecanismos como o trabalho forçado e a servidão por dívida. Segundo dados da ONG Repórter Brasil, no período de 2003 a 2013, por exemplo, quase 11 mil canavieiros foram resgatados de condições de escravidão. Dado igualmente impactante, fruto de pesquisa da Comissão Pastoral da Terra, é o de que 22% do total de trabalhadores rurais localizados em condições de escravidão no Brasil atua no universo da cana-de-açúcar. Estes dois dados ilustrativos, apenas, permitem-nos concluir quão curta é a distância, no que diz respeito ao trato com os trabalhadores, entre os moderníssimos usineiros do século XXI e os senhores de engenho do século XVI.

São Berardo e companheiros mártires

Vida Religiosa

A Igreja universal venera o diácono Santo Estêvão como o primeiro mártir do cristianismo, mas também as Igrejas locais, bem como as congregações religiosas, sempre prestaram especial veneração aos seus protomártires. Hoje, é a Ordem dos Frades Menores que celebra aqueles irmãos que foram os primeiros a derramar o seu sangue como testemunho perene da sua fé cristã: Berardo, Otone, Pietro, Accursio e Adiuto, esses são os seus nomes, foram os primeiros missionários enviados de San Francesco nas terras dos sarracenos.

Trajeto Religioso

Seis anos depois da sua conversão, tendo fundado a Ordem dos Frades Menores, São Francisco sentiu-se inflamado pelo desejo do martírio e decidiu ir à Síria pregar a fé e a penitência aos infiéis. No entanto, o navio em que viajava acabou na costa da Dalmácia devido ao vento e ele foi forçado a regressar a Assis. O desejo de obter a coroa do martírio, porém, continuou a permear o coração de Francisco e ele pensou então em viajar ao Marrocos para pregar o Evangelho de Cristo a Miramolino, líder dos muçulmanos, e aos seus súditos. Chegou à Espanha, mas foi forçado novamente a retornar à Porciúncula devido a uma doença súbita.

Uma Nova Tentativa 

Apesar dos dois fracassos sofridos, organizou a Ordem em províncias e enviou missionários a todas as principais nações europeias. No Pentecostes de 1219 deu também autorização ao padre Otone, ao subdiácono Berardo e aos irmãos leigos Vitale, Pietro, Accursio, Adiuto, para irem pregar o Evangelho aos sarracenos marroquinos, enquanto optou por se juntar aos cruzados que se dirigiam para Palestina, para visitar os lugares santos e converter os indígenas infiéis. Tendo recebido a bênção do fundador, os seis missionários chegaram a pé à Espanha.

Chegada ao Reino de Aragão

Ao chegarem ao reino de Aragão, Vitale, líder da expedição, adoeceu, mas isso não impediu que os outros cinco irmãos continuassem a viagem sob a orientação de Berardo. Em Coimbra, Portugal, a Rainha Orraca, esposa de Alfonso II, recebeu-os em audiência. Descansaram alguns dias no convento de Alemquer, beneficiando da ajuda da Infanta Sancha, irmã do rei, que lhes forneceu roupas civis para facilitar o seu trabalho apostólico entre os muçulmanos. Assim vestidos, embarcaram para a sumptuosa cidade de Sevilha, então capital dos reis mouros.

Conversa com o Rei

Não exatamente prudentes, correram apressadamente para a mesquita principal e, ali, começaram a pregar o Evangelho contra o Islamismo. Naturalmente foram considerados loucos e espancados, mas não perderam a compostura e, tendo ido ao palácio do rei, pediram para falar com ele. Miramolino ouviu-os com relutância e, assim que ouviu Maomé ser descrito como um falso profeta, ficou furioso e ordenou que fossem trancafiados numa prisão escura. Seu filho lhe disse que decapitá-los imediatamente teria sido uma sentença muito dura, além de sumária, e portanto era preferível pelo menos observar algumas formalidades. Passados ​​alguns dias, o soberano fez com que fossem chamados à sua corte e, ao saber que pretendiam mudar-se para África, em vez de os mandar de volta para Itália, satisfez-os embarcando-os num navio pronto a partir para Marrocos. dos cinco missionários estava o infante português Dom Pietro Fernando, irmão do rei, muito ansioso por admirar a corte de Miramolino.

Tentativa de pregar a Fé

Desde a sua chegada ao país africano, Berardo, que conhecia a língua local, começou imediatamente a pregar a fé cristã perante o rei e a criticar Maomé e o Alcorão, o livro sagrado dos muçulmanos. Miramolino então os expulsou da cidade, ordenando também que fossem mandados de volta para terras cristãs. Mas os frades, assim que foram libertados, retornaram prontamente à cidade e retomaram a pregação em praça pública. O rei enfurecido então os jogou em uma cova para morrerem de fome e dificuldades, mas eles, após três semanas de jejum, foram retirados dela em melhores condições do que quando estavam trancados lá. O próprio Miramolino ficou um tanto surpreso.

Segunda Viagem a Espanha

Um dia Miramolino, para reprimir alguns rebeldes, foi obrigado a marchar com o seu exército, solicitando também a ajuda do príncipe português. Estes últimos, porém, incluíam também os cinco franciscanos e um dia, quando o exército ficou sem água, Berardo pegou numa pá e cavou uma cova, fazendo correr uma fonte abundante de água doce, com inegável grande espanto por parte dos os mouros. Contudo, continuando a pregar apesar da proibição do rei, foram novamente presos, submetidos à flagelação e lançados na prisão. Foram então entregues à plebe para se vingarem dos insultos que proferiram contra Maomé: foram assim açoitados nos cruzamentos das ruas e arrastados sobre cacos de vidro e cacos de vasos partidos.

Proteção com a Coragem da Fé

Sal e vinagre misturados com óleo fervente foram derramados sobre suas feridas, mas eles suportaram todas essas dores com tanta coragem que pareciam impassíveis. Miramolino só poderia ser admirado por tamanha paciência e resignação e, por isso, tentou convencê-los a abraçar o Islã prometendo-lhes riquezas, honras e prazeres. Os cinco frades, porém, também rejeitaram as cinco jovens que lhes foram oferecidas como esposas e perseveraram destemidamente na exaltação da religião cristã.

O Falecimento dos Cinco Intrépidos Confessores da Fé

A esta altura Miramolino já não resistiu a tais aversões e, tomado de raiva, pegou na cimitarra e decapitou os cinco intrépidos confessores da fé: era 16 de janeiro de 1220, perto de Marraquexe. Nesse momento as suas almas, ao levantarem voo para o céu, apareceram à infanta Sancha, sua benfeitora, que naquele momento estava reunida em oração no seu quarto.

Canonização

Regressando a Portugal, trouxe finalmente consigo as preciosas relíquias, que destinou à igreja de Santa Croce em Coimbra, onde ainda hoje são objeto de veneração. Esta experiência desenvolveu em Santo António de Lisboa (conhecido por nós como António de Pádua) a ideia de passar da Ordem dos Cónegos Regulares para a dos Frades Menores. Ao ouvir a notícia do martírio de seus cinco filhos, São Francisco exclamou: “Agora posso dizer que realmente tenho cinco Frades Menores”. Eles foram canonizados pelo pontífice franciscano Sisto IV, em 1481, e o Martyrologium Romanum os comemora em 16 de janeiro, aniversário de seu glorioso martírio.

São Berardo e companheiros mártires, rogai por nós!

Outros santos e beatos que a Igreja faz memória em 29 de fevereiro:

  • Em Roma, no cemitério de Priscila, junto à Via Salária Nova, o sepultamento de São Marcelo I, papa, que, como refere São Dâmaso, foi um verdadeiro pastor, ferozmente hostilizado pelos apóstatas que recusavam aceitar a penitência por ele estabelecida e, insidiosamente denunciado perante o tirano, foi expulso da pátria e morreu no exílio. († 309)
  • Em Aulona, no Ilírico, na atual Albânia, São Danate, mártir. († data inc.)
  • Em Rinocorura, no Egipto, São Melas, bispo, que, no tempo do imperador ariano Valente, depois de padecer o exílio pela sua fidelidade à verdadeira fé, descansou em paz. († c. 390)
  • Em Arles, na Provença, região da Gália, hoje na França, Santo Honorato, bispo, que fundou um célebre mosteiro na ilha de Lérins e depois aceitou o governo da Igreja de Arles. († 429)
  • Em Moutiers, na Gália Vienense, atualmente também na França, São Tiago, bispo, discípulo de Santo Honorato de Lérins. († s. V)
  • Em Oderzo, hoje no Véneto, na região da Itália, São Ticiano, bispo. († s. V)
  • Em Tours, na Gália Lionense, atualmente na França, a comemoração de São Leobácio, abade, que designado pelo seu mestre Santo Urso como superior do mosteiro de Sennevière, viveu em admirável santidade até avançada idade. († s. V)
  • Em Dombes, também na Gália Lionense, atualmente na França, São Trevério, presbítero, monge e finalmente eremita. († c. 550)
  • Em Mézerolles, junto ao rio Authie, na Gália, atualmente também na França, São Furseu, que foi abade na Irlanda, depois na Inglaterra, finalmente na Gália, onde fundou a abadia de Lagny. († c. 650)
  • Em Bagno di Romagna, na atual Emília-Romanha, região da Itália, Santa Joana, virgem, que, recebida na Ordem Camaldulense, resplandeceu singularmente pela sua obediência e humildade. († 1105)
  • Em Marrakech, cidade da Mauritânia, hoje em Marrocos, a paixão dos santos mártires BerardoOtãoPedro, presbíteros, Acúrsio e Adjuto, religiosos da Ordem dos Menores, que, enviados por São Francisco para anunciar aos muçulmanos o Evangelho de Cristo, foram primeiramente presos em Sevilha e levados para Marrocos, onde consumaram o martírio, mortos ao fio da espada pelo príncipe mouro. († 1226)
  • Em Kandy, no Ceilão, atual Sri Lanka, ilha do Oceano Índico, São José Vaz, presbítero da Congregação do Oratório, que, sendo natural de Goa, partiu em missão para aquela terra e, percorrendo com admirável ardor os agrestes caminhos rurais onde os católicos permaneciam clandestinos e dispersos, incansavelmente os confirmou na fé, pregando com grande zelo apostólico o Evangelho da salvação. († 1711)
  • Em Bréscia, na Itália, o Beato José António Tovíni, que, sendo professor, fundou muitas escolas cristãs e edificou numerosas obras públicas, dando sempre, nas suas atividades, o testemunho da sua oração e das suas virtudes. († 1897)
  • Em Valência, na Espanha, a Beata Joana Maria Condesa Lluch, virgem, que trabalhou com grande diligência, humildade, amor, caridade e sacrifício, para ajudar os pobres, as crianças e as jovens operárias, fundando com essa finalidade a Congregação das Escravas da Imaculada Conceição, Protetoras das Operárias. († 1916)

Fontes:

  • Santie Beat
  • Martirológio Romano

– Pesquisa e Redação: Ronaldo Pires Atividade

 

Pular para o conteúdo