Clube de Imprensa

17 de Abril – Dia Mundial do Hemofílico, Dia Nascional da Botânica e Dia de Santa Catarina Tekakwitha

Também conhecido como o Dia Mundial da Hemofilia, o Dia Mundial do Hemofílico foi criado para divulgar melhor a hemofilia e as suas implicações para quem sofre da doença, aumentado a conscientização da população em geral, reduzindo preconceitos e facilitando a luta pelos direitos dos hemofílicos.

A data de 17 de Abril foi escolhida como homenagem a Frank Shnabel, fundador da Federação Mundial de Hemofilia, que nasceu nesse dia.

O Dia Mundial do Hemofílico é comemorado atualmente em mais de 100 países em todo o mundo.

No Brasil, existe também o Dia do Hemofílico, o qual é celebrado no dia 4 de janeiro.

O dia 17 de abril é considerado o Dia Mundial da Hemofilia, data escolhida como forma de conscientizar a população sobre um distúrbio hemorrágico que pode ser uma causa adquirida ou congênita. Essa doença se caracteriza pela deficiência do fator de coagulação VIII, que leva a hemofilia A, ou do fator IX, causador da hemofilia B.
A respeito da forma adquirida da hemofilia, trata-se de um caso raro que decorre da produção de anticorpos oriundos de doenças autoimunes, como por exemplo, o câncer ou pode ser de origem idiopática. No que se refere a forma congênita, trata-se de uma doença genética de herança recessiva, decorrente de mutações nos genes que codificam os fatores de coagulação VIII ou IX que estão localizados no cromossomo X.

Dia 17 de abril é o Dia Nacional de Luta pela Reforma Agrária. A data faz referência ao massacre de Eldorado dos Carajás, acontecido em 1996. Na ocasião, 21 trabalhadores sem terra ligados ao MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) foram assassinados pela polícia paraense quando marchavam em direção a Belém para reivindicar a desapropriação de terras para reforma agrária. Outras 69 pessoas ficaram feridas.

A reforma agrária continua sendo um tema muito atual e mal resolvido no país. Basta lembrar que a origem do latifúndio está ligada ao processo de ocupação do Brasil após a chegada dos portugueses, ainda no século XVI. Em 1536, a coroa portuguesa dividiu o território em grandes faixas de terras que iam do litoral até a linha imaginária determinada pelo Tratado de Tordesilhas. Eram as capitanias hereditárias, que estão na raiz do grande problema que é a concentração fundiária no Brasil: nossa história é baseada na concentração da propriedade, originada também na ocupação de terras públicas.

Ele foi instituído em 1994, em homenagem ao botânico Carl Friederich Philipp von Martius, nascido na Alemanha em 17 de abril de 1794, e responsável por uma das maiores pesquisas botânicas do mundo, que resultou na publicação da Flora Brasiliensis.Trata-se de uma obra tão importante que até os dias de hoje é referência para pesquisadores de plantas do Brasil.

A Botânica é um ramo da biologia que estuda o reino vegetal. Ela inclui diversos aspectos do conhecimento científico, passando desde a descrição da diversidade vegetal, a evolução das plantas, o estudo de suas estruturas internas, das relações com outros seres vivos, entre muitos outros.

Santa Catarina Tekakwitha, indígena cristã na América do Norte

Origens
Ela nasceu no ano de 1656, perto da cidade de Port Orange, no Canadá. Seu pai era o chefe indígena da nação Mohawks, um pagão; enquanto sua mãe era uma índia cristã catequizada pelos jesuítas, que fora raptada e levada para outra tribo, onde teve de unir-se a esse chefe. Não pôde batizar a filha com o nome da santa de sua devoção, mas era só por ele que a chamava: Catarina. O costume indígena determina que o chefe escolha o nome de todas as crianças de sua nação. Por isso, seu pai escolheu Tekakwitha, que significa “aquela que coloca as coisas nos lugares”, mostrando que ambas, consideradas estrangeiras, haviam sido totalmente aceitas por seu povo.

Orfandade
Viveu com os pais até os quatro anos, quando ficou órfã. Na ocasião, sobreviveu a uma epidemia de varíola, porém ficou parcialmente cega, com o rosto desfigurado pelas marcas da doença e a saúde enfraquecida por toda a vida. O novo chefe, que era seu tio, acolheu-a, e ela passou a ajudar a tia no cuidado da casa. Na residência pagã, sofreu pressões e foi muito maltratada.

Educação cristã e fuga
Catarina, que havia sido catequizada pela mãe, amava Jesus e obedecia à moral cristã, rezando regularmente. Era vista contando as histórias de Jesus para as crianças e os idosos, que ficavam ao seu lado enquanto tecia, trabalho que executava apesar da pouca visão. Em 1675, soube que jesuítas estavam na região. Desejando ser batizada, foi ao encontro deles. Recebeu o sacramento um ano depois, e o nome de Catarina Tekakwitha.

Santa Catarina Tekakwitha: padroeira da ecologia e do meio ambiente

Hostilizada
Devido à sua fé, era hostilizada, porque rejeitava as propostas de casamento. Por tal motivo, seu tio, cada vez mais, a ameaçava com uma união. Quando a situação ficou insustentável, ela fugiu. Procurou a missão dos jesuítas de São Francisco Xavier, em Sault, perto de Montreal, onde foi acolhida e recebeu a primeira comunhão, dando um exemplo de extraordinária piedade.

Amor à natureza e santificação
Sempre discreta, recolhia-se por longos períodos na floresta, onde, junto a uma cruz que ela havia traçado na casca de uma árvore, ficava em oração, sem, entretanto, descuidar-se das funções religiosas, do serviço da comunidade e da família que a hospedava. Em 1679, fez voto perpétuo de castidade, expressando o desejo de fundar um convento só para moças indígenas, mas seu guia espiritual não permitiu, em razão da sua delicada saúde. Embora reservada, Catarina se apresentava sempre bem disposta e alegre com todos, e diligente no serviço aos idosos e doentes. As tribulações e as austeridades de sua vida em breve acabaram com sua saúde. Com alegria sobrenatural, sentiu ela aproximar-se do seu fim.

Sua oferta
Durante a Quaresma de 1680, alguém lhe perguntou o que ofereceria a Jesus. “Eu entreguei minha alma a Jesus no Santíssimo Sacramento; e meu corpo a Jesus na Cruz”, confidenciou ela com candura.

Final da Vida e Canonização

Morte  e milagre
Aos vinte e quatro anos, ela morreu no dia 17 de abril de 1680. Momentos antes de morrer, o seu rosto desfigurado tornou-se bonito e sem marcas, milagre presenciado pelos jesuítas e algumas pessoas que a assistiam. O milagre e a fama de suas virtudes espalhou-se rapidamente e possibilitou a conversão de muitos irmãos de sua raça.

“O lírio dos Mohawks”
Catarina, que amou, viveu e conservou o seu cristianismo só com a ajuda da graça, por muitos anos tornou-se conhecida em todas as nações indígenas como “o lírio dos Mohawks”, que intercede por seus pedidos. A sua existência curta e pura, como esta flor, conseguiu o que havia almejado: que as nações indígenas dos Estados Unidos e do Canadá conhecessem e vivessem a Paixão de Jesus Cristo.

Canonização
O Papa João Paulo II nomeou-a padroeira da 17ª Jornada Mundial da Juventude realizada no Canadá, em 2002, quando a beatificou. Em 18 de fevereiro de 2012, o Papa Bento XVI anunciou na Basílica de São Pedro a sua canonização em 21 de outubro de 2012. Sua festa ocorre no dia 14 de abril nos EUA. Kateri Tekakwitha, para nós Catarina, foi a primeira americana pele-vermelha a ter sua santidade reconhecida pela Igreja.

Devoção a Santa Catarina Tekakwitha

Padroeira
Ao lado de São Francisco de Assis, a bem-aventurada Catarina Tekakwitha foi honrada pela Igreja com o título de “Padroeira da ecologia e do meio ambiente”. 

Oração
Concedei-nos, Senhor, o dom de Vos conhecer e amar sobre todas as coisas, a exemplo da vossa serva Santa Catarina Tekakwitha, para que, servindo-Vos com sinceridade de coração, possamos agradar-Vos com a nossa fé e as nossas obras. Por Nosso Senhor Jesus Cristo na unidade do Espírito Santo. Amém.

Minha oração
“A ti pedimos a proteção dos povos indígenas do mundo todo, assim como a educação e conscientização do cuidado com a natureza, nossa casa comum. Amando a Jesus, somos capazes de cuidar dos irmãos e do meio ambiente.”

Santa Catarina Tekakwitha, rogai por nós!


Outros santos e beatos que a Igreja faz memória em 17 de abril

  • Os santos mártires Pedro, diácono, e Hermógenes seu auxiliar, em Melitene, na antiga Armênia, hoje na Turquia.(† c. s. IV)
  • A paixão de São Simeão bar Sabas, bispo de Selêucia e de Ctesifonte na antiga Pérsia. († 341)
  • muitos mártires, entre eles Santo Ustazades, em toda a Pérsia. († 341)
  • Santo Inocêncio, bispo  em Tortona, na Ligúria, hoje no Piemonte, região da Itália.(† s. IV)
  • Santo Acácio, bispo em Melitene, na antiga Armênia, hoje na Turquia. († c. 435)
  • Santo Pantágato, bispo em Vienne, na Borgonha, na atual França. († 540)
  • Os santos Donano, abade, e cinquenta e dois companheiros monges mártires na ilha de Eigg, nas Hébridas, ao largo da Escócia. († 617)
  • Os santos mártires Elias, presbítero já de avançada idade, Paulo e Isidoro, monges  em Córdoba, na Andaluzia, região da Hispânia.(† 856)
  • São Roberto, abade no mosteiro de Chaise-Dieu, junto de Clermont-Ferrand, na França. († 1067)
  • São Roberto, abade no mosteiro de Molesmes, na França.  († 1111)
  • Beato Tiago de Cerqueto, presbítero da Ordem dos Eremitas de Santo Agostinho em Perúgia, na Úmbria, região da Itália. († 1367)
  • Beata Clara Gambacórti, que, tendo ficado viúva ainda jovem, animada por Santa Catarina de Sena, aqui fundou o primeiro mosteiro dominicano de estrita observância em Pisa, na Itália. († 1419)
  • Beata Mariana de Jesus (Mariana Navarro de Guevara), virgem em Madrid, na Espanha. († 1624)
  • Beato Paulo de Santa Madalena (Henrique Heath), presbítero da Ordem dos Frades Menores e mártir, na Inglaterra. († 1643)

Fontes:

  • vaticannews.va
  • Martirológio Romano
  • Liturgia das Horas
  • Diretório de Liturgia da Igreja no Brasil [Ed CNBB 2022]
  • Livro “Relação dos Santos e Beatos da Igreja” – Prof Felipe Aqui [Cléofas 2007]
  • Arquidiocese de São Paulo
  • Arautos do Evangelho

– Pesquisa: Rafael Vitto – Comunidade Canção Nova
– Produção e edição: Fernando Fantini – Comunidade Canção Nova