Clube de Imprensa

19 de Janeiro – Dia do Cabeleireiro, Dia do Passista e dia dos Santos Canuto e Germânico

O Dia Nacional do Cabeleireiro é comemorado oficialmente no dia 19 de janeiro.

Este profissional exerce atividades ligadas ao embelezamento e higienização capilar. Neste dia também são homenageados os barbeiros, esteticistas, manicures, maquiadores, depiladores e demais profissionais que trabalham nos chamados salões de beleza.

Qual é o verdadeiro Dia do Cabeleireiro?

Essa data comemorativa é instituída através da Lei nº 12.592, de 18 de janeiro de 2012. No seu artigo 5º, consta que a mesma deve ser comemorada no dia da promulgação da lei.

Acontece que a lei foi promulgada no dia 18, mas se tornou comum considerá-la no dia seguinte. Isso porque no artigo 6º consta que a lei entra em vigor na data da sua publicação, o que aconteceu em 19 de janeiro.

O mesmo acontece com as comemorações relativas aos dias do barbeiro, esteticista, manicure, pedicure, depilador e maquiador.

Antes da oficialização da data, no entanto, muitos profissionais comemoravam o dia 3 de setembro, sob sugestão da Federação Nacional de Cabeleireiros.

E também há outra data divulgada em alguns cantos do país como o dia do cabeleireiro, 3 novembro. Trata-se do dia do falecimento do santo que ficou conhecido como o padroeiro dos cabeleireiros, São Martinho de Porres.

São Martinho de Porres (1579-1639) tem origem peruana. Pelo fato de Martinho ter aprendido o ofício de barbeiro antes de decidir se dedicar à vida religiosa e, no convento, entre outros trabalhos, cortar o cabelo dos frades, recebeu o título de padroeiro dos cabeleireiros.

São Canuto nasceu no ano de 1040 na Dinamarca. Filho de um rei, era sucessor natural. Mas aconteceu que, pela sua vida de oração, testemunho, caridade e justiça, quando o pai faleceu, muitos moveram-se com artimanhas para colocar seu irmão no trono de maneira injusta. Quanto à sua posição, ele não era apegado ao poder nem o queria para si, então esperou. Depois do falecimento do irmão, ocupou o seu lugar que era de justiça.

Homem de Deus, um sinal para o povo, ele contribuiu para a evangelização. Primeiro, com o seu exemplo, pois acreditava que a melhor forma de educar uma nação é o bom exemplo. Ele viveu para sua esposa e para seu filho Carlos, que mais tarde se tornaria também um santo. Pai santo, esposo santo, um governador, um homem de poderes; mas que usou esses poderes para servir, a modelo de Nosso Senhor Jesus Cristo.

São Canuto, amado por muitos e odiado também como Nosso Senhor, foi vítima de artimanhas por pessoas fechadas para Deus e para o bem, pois tinha muita sensibilidade com as viúvas, os órfãos e os mais necessitados. Nele, batia um coração que se assemelhava ao de Jesus. Como rei, possuiu muitos desafios e, ao perceber os inimigos se armando, participou de uma Eucaristia como era de costume. Nela, ele não só recebeu o Nosso Senhor, mas, em nome de Jesus, perdoou todos os seus inimigos. Foi então assassinado.

São Canuto, rogai por nós! 

Figura fundamental no desfile de uma escola de samba, pelo fato de trazerem o verdadeiro samba na ponta dos pés, o dezenove de janeiro e considerado o Dia do Passista, desde a promulgação da lei nº 4462 no ano de 2007, lei esta de autoria do vereador carioca José Carlos Rego, um jornalista e pesquisador da arte daqueles que trazem o samba no pé.

Fundamental num desfile de escola de samba, a figura do passista por um bom tempo foi como que negligenciada, sem que lhe fosse dada a importância e o valor que merece, bem diferente dos tempos em que o desfile das escolas de samba iniciou.

As alas de passistas surgiram há pouco tempo, considerando-se a história do carnaval, já que inicialmente o passista era como um personagem isolado, sozinho, que ficava em pontos distintos do desfile das agremiações carnavalescas, até que na virada dos anos 70 e início da década de 80 surgiram as alas mistas congregando estes dançarinos.

No atual estágio em que se encontra o carnaval, as informações é de que a fantasia para o desfile oficial da ala de passistas, esta é custeada pela agremiação, mas fica por conta de cada um a indumentária para apresentação pelas quadras das escolas e participação em ensaios técnicos.

São Germânico, mártir de Filadélfia

Origens
Ainda muito jovem, era discípulo de São Policarpo e um dos onze cristãos de Filadélfia, atual Turquia.

A Perseguição
São Germânico viveu no tempo dos imperadores Marco Antonino e Lúcio Aurélio. São Policarpo, precedeu o martírio do santo de hoje: condenado pelo juiz ainda na flor da idade juvenil, superou pela graça de Deus o medo da sua fragilidade corporal e provocou espontaneamente a fera para ele preparada.

O Martírio na visão de São Policarpo
“O diabo organizara diversos ataques contra os cristãos, mas a graça do Senhor Jesus veio em defesa deles. O muito corajoso Germânico, dedicado a Deus com toda a sua alma, dominou, pela força da virtude, a animosidade dos incrédulos. Entregue às feras, ele notou que o procônsul manifestava alguma compaixão por ele e desejava convidá-lo a pensar ao menos na sua juventude, ao mesmo tempo que desprezava as outras vantagens; mas ele não mostrou senão desprezo por esta compaixão dum inimigo que dava a ideia de o querer poupar. Foi ele que por si provocou a fera que o iria devorar, convidando-a a lançar-se sobre ele para o fazer sair mais cedo deste mundo ímpio.”

São Germânico foi lançado às feras

Páscoa
Assim, São Germânico sofreu o seu martírio e foi dado como alimento às feras, durante as perseguições desencadeadas pelo Império Romano, no século II. Convidado a renegar à sua fé, exortou seus companheiros, com coragem, a dar a vida por Jesus.

Minha oração

“Ó mártir, que, por teu sangue fizeste germinar a fé nos corações, pelos teus méritos alcançai as graças que precisamos, principalmente o dom da fortaleza para que não pequemos mais. Amém.”

São Germânico, rogai por nós!

Outros santos e beatos celebrados em 19 de janeiro

  • Em Spoleto, na Úmbria, região da Itália, São Ponciano, mártir. († s. II)
  • Na Via Cornélia, a treze milhas de Roma, no cemitério “ad Nymphas”, os santos MárioMartaAudifaz e Ábaco, mártires. († c. s. IV)
  •  Comemoração de São Macário Magno, presbítero e abade do mosteiro de Cete, no Egipto. († c. 390)
  • Comemoração de São Macário o Alexandrino, presbítero e abade no monte Cete, no Egipto. († s. V)
  • Em Lódi, na Ligúria, atualmente na Lombardia, região da Itália, a comemoração de São Bassiano, bispo. († 409)
  • Em Como, na Lombardia, região da Itália, as santas Liberata e Faustina, irmãs e virgens, que fundaram o mosteiro de Santa Margarida. († c. 580)
  •  Em Dreux, junto de Chartres, na Nêustria, hoje na França, São Lomar, abade do mosteiro de Corbion, hoje Moutiers-au-Perche. († c. 593)
  • Em Ravena, na atual Emília-Romanha, região da Itália, São João, bispo. († 595)
  • Em Ruão, na Nêustria, atualmente na França, São Remígio, bispo, irmão do rei Pepino. († c. 762)
  • Em Corfu, na Grécia, Santo Arsénio, bispo, pastor de almas muito dedicado ao seu rebanho e assíduo à oração nocturna. († s. X)
  • Em Sevilha, na Espanha, o Beato Marcelo Spínola y Maestre, bispo, que fundou centros de operários para promover o desenvolvimento da sociedade humana. († 1906)

Fonte:

  • Livro “Santos de cada dia” – José Leite, SJ [Editorial A.O. Braga, 2003]
  • Martirológio Romano
  • Vaticannews.va
  • Vatican.va

– Produção e edição: Melody de Paulo
– Oração: Rafael Vitto – Comunidade Canção Nova