20 de junho – Dia do Refugiado, Revendedor, Vigilante e Advogado Trabalhista

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print
Nesta segunda-feira, dia 20/06 comemora-se o dia do Refugiado, Revendedor, Vigilante e Advogado Trabalhista

Dia do Revendedor/Revendedora é comemorado anualmente dia 20 de junho.

A data homenageia aqueles que se dedicam a vender produtos e serviços de forma autônoma. A profissão cresceu muito durante o século XX, quando a sociedade de consumo se expandiu.

Para ser um bom profissional, o revendedor deve ter qualidades como simpatia, falar bem, noções de contabilidade e conhecimento sobre o produto que está oferecendo ao cliente.

Dia do Revendedor

No Brasil, a profissão foi regularizada pela lei Lei nº 4.886/65 que seria modificada em 1992. Aqui, os revendedores são muito populares, especialmente entre as mulheres, que vendem produtos de cosméticos e assim podem gerar uma renda extra. Contudo, produtos de informática, telefonia e mesmo roupas podem ser comercializados de maneira independente.

Dia do Vigilante é comemorado anualmente em 20 de junho.

Esta data é uma homenagem a todos os profissionais que se dedicam a proteger e vigiar propriedades públicas e privadas, com o intuito de evitar vandalizações e garantir a segurança do ambiente.

No Brasil, os profissionais vigilantes estão amparados e são representados através da Confederação Nacional de Vigilantes e Prestadores de Serviços (CNTV).

Dia do Vigilante

O Dia do Vigilante foi criado na mesma data em que foi sancionada a Lei nº 7.102, de 20 de junho de 1983, que regulariza esta profissão no Brasil.

Historicamente, a profissão de vigilante como é conhecida atualmente teria surgido em meados do século XIX nos Estados Unidos. No entanto, as empresas responsáveis em treinar e oferecer esse tipo de serviço só apareceram no Brasil na década de 1960, com o crescimento das instituições financeiras no país.

Atualmente, para desempenhar a função de vigilante no Brasil, o profissional deve possuir um curso de formação e a Carteira Nacional de Vigilante.

As empresas de vigilância também devem ser registradas no Ministério da Justiça, através da Polícia Federal, que é a responsável por fiscalizar as academias de formação dos vigilantes.

Dia Mundial do Refugiado é celebrado anualmente em 20 de junho.

Esta data visa homenagear a coragem e a força das milhões de pessoas que são obrigadas a fugir de suas casas e se refugiar em outras localidades para evitar perseguições, calamidades naturais ou guerras.

O principal objetivo também é discutir com a sociedade e os governos a ideia da solidariedade, respeito e responsabilidade que as nações devem ter com os povos refugiados.

Os refugiados são pessoas que sofrem perseguições e são forçadas a fugir de seus países, seja por causa de sua etnia, naturalidade, religião, opinião política, grupo social e etc.

Dia do Refugiado

Dia do Refugiado foi criado pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2000, através da Agência da ONU para Refugiados (ACNUR). De acordo com a mesma instituição, os países que mais tem refugiados no mundo são Síria, com 4,9 milhões de refugiados; Afeganistão, com 2,7 milhões e Somália, com 1,1 milhão.

De acordo com dados da ACNUR, atualmente existem aproximadamente 60 milhões de pessoas ao redor do mundo que são obrigadas a estar fora de suas localidades de origem por motivos de guerra, perseguições e conflitos armados.

A maioria dos refugiados são de regiões como o Oriente Médio, a África Oriental e o Sudoeste Asiático, e são compostos na maioria por crianças e jovens com menos de 18 anos.

Brasil abriga mais de 8 mil refugiados de 81 nações diferentes, e durante esta data, núcleos da ONU no país organizam diversas atividades de homenagem e conscientização civil sobre os motivos que levam os refugiados a abandonarem os seus lares.

De muita coisa sinto orgulho!

A família, por exemplo. A profissão, outro exemplo. Ser brasileiro, mais um exemplo. Ter sido ativista contra a ditadura militar, outro orgulho que transporto com alegria. São muitos os motivos que posso inserir no catálogo de orgulho.

Mas, ser ADVOGADO TRABALHISTA está, sem dúvida, no pódio. Atuar no nervo da sociedade. Estar no centro das discussões que envolvem o direito de viver com dignidade, o direito à vida, o direito a saúde, o direito a bom ambiente, o direito ao lazer, o direito ao respeito, o direito de estar integrado na vida econômica, na vida social e na vida cultural do País. O direito de ser verdadeiramente PESSOA, gente, ser humano. Enfim, o DIREITO AO TRABALHO.