Clube de Imprensa

24 de Abril – Dia do Boi, dia do Chimarrão, Dia Internacional do Milho e Dia de Santa Maria Isabel Hesselblad

Dia do Boi é comemorado anualmente em 24 de abril no Brasil.

Esta data é uma homenagem à pecuária brasileira, um dos setores mais importantes da economia nacional.

Porém, o Dia do Boi também serve para celebrar uma das principais paixões dos brasileiros: o churrasco!

Nesta mesma data é celebrado o Dia do Chimarrão e do Churrasco entre os gaúchos, famosos nacionalmente pela tradição dos deliciosos churrascos!

No Rio Grande do Sul, esta data foi oficializada através da Lei Estadual nº 11.929, de 20 de junho de 2003.

Seja como forma de homenagear a pecuária brasileira ou uma faceta da tradição gaúcha (o churrasco), o Dia do Boi também serve para conscientizar as pessoas (principalmente os criadores de bois) sobre os cuidados essenciais que devem ter com os bovinos.

Além de servir para garantir a saúde desses animais, os cuidados adequados ajudam a prevenir doenças para os seres humanos.

Dia do Chimarrão é comemorado anualmente em 24 de abril.

O chimarrão é considerado um dos principais símbolos da cultura gaúcha, visto não apenas como uma bebida de paixão entre os sulistas do Brasil, mas também como um importante conector social.

O ato de “tomar um mate”, como se diz no Rio Grande do Sul, pode ser interpretado como um convite social, visto que o chimarrão é uma bebida normalmente apreciada e compartilhada em grupos.

Em homenagem a este símbolo de grande importância para o gaúcho, foi criado o Dia do Chimarrão e do Churrasco, instituído a partir da Lei Estadual nº 11.929, de 20 de junho de 2003.

A escolha do dia 24 de abril para celebrar o chimarrão e o churrasco (considerado uma comida símbolo dos gaúchos), é uma homenagem a fundação do primeiro Centro de Tradição Gaúcha do mundo – CTG 35, em 24 de abril de 1948.

A tradição de fazer uma espécie de chá feito com a erva-mate era comum entre os indígenas que habitavam a região sul do Brasil e atual Uruguai, principalmente entre os guaranis, aimarás e quíchuas.

Hoje, 24 de abril, é comemorado o dia Internacional do Jovem Trabalhador. A data foi instituída para gerar conscientização sobre a importância da oferta de trabalho seguro, qualificado e agregador para a juventude. Com mentalidade diversa, um jeito proativo e inovador, os jovens têm se inserido no mercado de trabalho cada vez mais cedo e demonstrado aos empregadores que mesmo sem experiência, são capazes de contribuir com a empresa.

O Dia Internacional do Milho é comemorado anualmente em 24 de abril, em todo o planeta.

Esta data tem o objetivo de homenagear e incentivar o cultivo e consumo de um dos cereais mais nutritivos do mundo: o milho.

Além da importância nutritiva, o milho também apresenta um valor cultural de destaque, principalmente entre os povos das Américas.

O milho tem diversos benefícios para o ser humanos e os animais, como: proteger as células, reduzir os níveis de colesterol, prevenir problemas cardíacos e controlar a taxa de açúcar no sangue, por exemplo.

Normalmente, no Dia do Milho os agricultores realizam festivais com demonstrações de comidas típicas feitas a base deste cereal, além de concursos de artesanatos feitos com partes da espiga do milho.

Dia Nacional do Milho

O milho é dos alimentos símbolo do Brasil, sendo utilizado em diversas receitas típicas da culinária brasileira afro-brasileira, como o mungunzá, a mandioca e o xerém.

Devido a importância que este alimento tem para o país, foi instituído o 24 de maio como o Dia Nacional do Milho, através da lei nº 13.101, de 27 de janeiro de 2015.

Dia Estadual do Samurai é comemorado em 24 de abril no território fluminense, de acordo com a lei estadual 8.294/19 de janeiro de 2019.

A data busca prestigiar a cultura oriental e valorizar a diversidade da população do Rio de Janeiro.

A determinação foi feita a partir de um projeto de lei do deputado Wanderson Nogueira e foi sancionada pelo governador do Estado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel.

Vale lembrar que o Brasil possui um enorme contingente de descendentes de japoneses, vindos para o país desde o início do século XX, a fim de trabalhar nas lavouras de café. Por conta disso, a cultura nipônica é bastante forte em solo nacional.

A homenagem corresponde ao aniversário do sensei Jorge Kishikawa, mestre samurai e presidente do Instituto Cultural Niten. Tal instituição está presente no Rio de Janeiro desde 1993 e dedica-se a difundir os ensinamentos milenares da arte samurai e japonesa.

arte samurai
Jorge Kishikawa é um dos principais expoentes da arte samurai no Brasil

Wanderson Nogueira, autor do projeto, justifica da seguinte forma a importância dessa iniciativa:

O sensei Jorge Kishikawa, por meio do Instituto Cultural Niten, segue proporcionando ao Brasil e em especial ao povo Fluminense a oportunidade ímpar de autodesenvolvimento enquanto cidadãos, além da sempre benéfica prática de uma atividade que favorece o bem-estar do corpo e do espírito.

A data destaca a importância da prevenção, do diagnóstico, do tratamento e da melhoria das medidas de suporte àqueles que lidam com os efeitos potencialmente devastadores dessa doença mortal. Globalmente, mais de 5 milhões pessoas são afetadas pela meningite anualmente; a cada dez pacientes, um morre em decorrência da doença e outros dois, ficam com sequelas.

De acordo com a Confederation of Meningitis Organisations (CoMO), a escolha do tema da campanha de 2020 reflete a importância de se derrotar a meningite e nos passos que podem ser dados para que isso se torne realidade.

Meningite é uma infecção que se instala, principalmente, quando uma bactéria ou vírus, por alguma razão, consegue vencer as defesas do organismo e ataca as meninges, três membranas que envolvem e protegem o encéfalo, a medula espinhal e outras partes do sistema nervoso central.

Foto: Ilustração/MEC

Nesta quarta-feira, 24 de abril, celebra-se o Dia Nacional da Família na Escola. A data foi instituída em 2001, pelo Ministério da Educação (MEC), para sensibilizar a sociedade sobre a importância da parceria entre as instituições de ensino e as famílias. A proposta surgiu logo após a divulgação dos resultados do Sistema de Avaliação de Educação Básica (Saeb), que mostraram melhorias nas notas e diminuição da evasão escolar de estudantes cujos pais acompanhavam seu desenvolvimento nas aulas.  

O Dia Nacional da Família na Escola tem como objetivo sensibilizar a sociedade, pais, professores e diretores quanto à importância da integração e do acompanhamento dos pais e familiares nas atividades pedagógicas e socioeducativas desenvolvidas pela escola. Muitas escolas oferecem atividades para a família nessa data, uma oportunidade para que os pais possam sugerir maneiras de se integrarem melhor à escola.  

Direitos Humanos - deficiente - auditivo surdos intérpretes libras sala de aula ensino alunos estudantes
Libras é instrumento de inclusão das pessoas surdas

A Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência da Câmara dos Deputados promove audiência pública nesta terça-feira (25) em alusão ao Dia Nacional da Língua Brasileira de Sinais (Libras), celebrado em 24 de abril.

O debate é uma iniciativa da deputada Erika Kokay (PT-DF). Ela destaca a importância de dar mais visibilidade à data comemorativa, uma vez que a Libras tornou-se uma ferramenta essencial para a inclusão de pessoas surdas.

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Dia Internacional do Multilateralismo e da Diplomacia para a Paz 2023

O Dia Internacional do Multilateralismo e da Diplomacia para a Paz comemora-se, anualmente, a 24 de abril. Este dia foi implementado através da resolução 73/127 da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), a 12 de dezembro de 2018.

Neste dia, destaca-se o papel do multilateralismo e da diplomacia na consolidação da paz no mundo. Sublinha-se, também, a importância dos três pilares da ONU, nomeadamente o desenvolvimento sustentável, a paz e segurança e os direitos humanos, que estão plasmados na «Carta das Nações Unidas» e nos «Objetivos de Desenvolvimento Sustentável».

Santa Maria Isabel Hesselblad e seu retorno à fé católica

Origem
Maria Isabel Hesselblad nasceu em Faglavik, Suécia, em 1870, em uma família de fé luterana, vivida de modo diário e concreto. Desde a escola primária, pelo seu sensível grau de observação, notava que seus colegas de classe professavam as crenças cristãs mais diversas, mas achava que não deveria ser assim. Por isso, começou a pôr-se em busca da única Verdade.

Enfermeira em Nova Iorque
Aos 18 anos, Maria Isabel Hesselblad decidiu emigrar para Nova Iorque para ajudar, financeiramente, a sua família. Lá, começou a trabalhar como enfermeira no Hospital Roosevelt. Seu contato direto com o mundo do sofrimento e da enfermidade a deixou profundamente impressionada. Naquele período, ocorreu um episódio, narrado em sua biografia, que demonstra o quanto a futura Santa era agraciada por Deus.

O Episódio
Certa noite, por descuido, ficou fechada no necrotério do hospital, por isso decidiu passar o tempo rezando ao lado de cada um dos cadáveres. Ajoelhada ao lado do corpo de um homem, teve a impressão de sentir uma espécie de respiro, mesmo se fraco. Em seu certificado médico, dizia que ele tinha falecido por ataque cardíaco. Mas Isabel sentia aquele respiro sempre mais forte e claro. Como boa enfermeira, sabia que aquele cadáver, no estado entre a vida e a morte, precisava de calor para voltar à vida. Então, cobriu-o com sua roupa. No dia seguinte, ela foi encontrada assim, rezando ao lado daquele jovem, que reviveu.

Santa Maria Isabel Hesselblad e a Reforma da Ordem de Santa Brígida

Retorno à Europa como católica
Nos Estados Unidos, Isabel tinha como diretor espiritual o jesuíta Padre Johann Hagen. Graças a ele, abraçou definitivamente a fé católica e foi batizada no dia da Assunção de Nossa Senhora em 1902. Logo, voltou à Europa como católica: primeiro visitou sua família na Suécia e, depois, foi para Roma, onde ficou hospedada na casa que era de Santa Brígida, mas depois utilizada pelas Carmelitas.

Permissão de Papa Pio X
Ali, com uma permissão especial do Papa Pio X, recebeu o hábito religioso das Brigidinas e aprofundou a espiritualidade deste Instituto, originário da sua terra natal. Assim, entendeu qual era a sua vocação: refundar a Ordem, segundo as exigências daquele tempo, mas também fiel à tradição do carisma contemplativo e à solene celebração litúrgica. Transcorria o ano 1911.

Autobiografia – “O rebanho”
Em seus escritos autobiográficos, emergiu que Isabel ficou fascinada, em tenra idade, por uma frase do Novo Testamento, que se referia a um único rebanho, para o qual o Senhor, Bom Pastor, reconduziria todos. Passeando pela natureza extensa e sem confins do seu país, começou a se interrogar qual seria aquele rebanho único. Porém, ao invés de desanimar, diante de todas aquelas perguntas sem resposta, recebeu, como dom de Deus, um grande conforto e uma força incrível. Ouviu até uma voz, que lhe fez uma promessa: iria descobrir, um dia, qual seria este único rebanho. Ao sentir a presença do Senhor, tão perto de si, Isabel se tranquilizou.

Refundação da Ordem
Desde então, Isabel, que acrescentou ao seu nome o de Nossa Senhora, se esforçou para levar, novamente, a Ordem de Santa Brígida à Suécia, que conseguiu em Djursholm, em 1923, e, enfim, em Vadstena, em 1935. Dedicou toda a sua vida à caridade concreta com todos, sobretudo com os necessitados e mais frágeis. Durante a II Guerra Mundial, junto com suas coirmãs, acolheu muitos judeus perseguidos, transformando sua casa em centro de distribuição de alimentos e roupas para quem não tinha nada.

O Falecimento e a Orações a Santa Maria Isabel Hesselblad

Páscoa
Cansada fisicamente, mas não de espírito, Maria Isabel faleceu em Roma, em 1957, onde foi beatificada durante o Grande Jubileu do 2000, e canonizada pelo Papa Francisco em 2016.

Oração
Maria Isabel escreveu de próprio punho e o deu a sua avó, antes de retornar aos Estados Unidos em 1903: “Eu vos adoro, grande prodígio do céu, por dar-me alimento espiritual em vestes terrenas! Vós me consolais nos momentos obscuros, quando se dissipam em mim todas as esperanças! Ao coração de Jesus, junto ao balaústre do altar, estarei unida, eternamente, por amor”.

Minha oração
“Ao seu tempo, haverá um só pastor e um só rebanho. Dai-nos, querida santa, o amor e o trabalho pela unidade das nossas comunidades e da Igreja, a fim de que Cristo Reine sobre tudo e sobre todos.”

Santa Maria Isabel Hesselblad, rogai por nós!


Outros santos e beatos que a Igreja faz memória em 24 de abril

  • São Fiel de Sigmaringa, presbítero e mártir em Seewis, na Suíça, foi massacrado pelos hereges, morrendo pela fé católica. († 1622)
  • Maria Cléofas e Salomé, que, juntamente com Maria Madalena, ao amanhecer o dia da Páscoa se dirigiram ao sepulcro do Senhor para ungir o seu corpo e foram as primeiras a ouvir o anúncio da ressurreição em Jerusalém.
  •  Santo Alexandre, mártir em Lião, cidade da Gália, na atual França. († 178)
  • Santo Antimo, bispo, e companheiros, mártires em Nicomédia, na Bitínia, hoje Izmit, na Turquia. († 303)
  • São Gregório, bispo em Elvira, na Hispânia Bética. († s. IV)
  • São Deusdado, diácono e abade em Blois, na Gália Lionense, na atual França. († s. VI)
  • São Melito, bispo em Cantuária, na Inglaterra.(† 624)
  • São Vilfredo, bispo em York, no território de Nortúmbria, na Inglaterra. († 709)
  • Santo Egberto, presbítero e monge em Iona, ilha da Escócia. († 729)
  • São Guilherme Firmato, eremita em Mortain, na Normandia, região da França. († 1103)
  • Santa Maria de Santa Eufrásia (Rosa Virgínia Pelletier), virgem em Angers, na França. († 1868)
  • São Bento (Ângelo) Ménni, presbítero da Ordem de São João de Deus, que fundou a Congregação das Irmãs Hospitaleiras do Sagrado Coração de Jesus. Em Dinant, na França. († 1914)

Fontes:

  • vaticannews.va
  • Martirológio Romano
  • Liturgia das Horas
  • Diretório de Liturgia da Igreja no Brasil [Ed CNBB 2022]
  • Livro “Um santo para cada dia” – Mário Sgarbossa – Luigi Giovannini [Paulus, Roma, 1978]
  • Livro “Santos de cada dia” – José Leite, SJ [Editorial A.O. Braga, 2003]
  • Livro “Relação dos Santos e Beatos da Igreja” – Prof. Felipe Aquino [Cléofas 2007]

– Pesquisa: Rafael Vitto – Comunidade Canção Nova
– Produção e edição: Fernando Fantini – Comunidade Canção Nova