Clube de Imprensa

24 de Dezembro – Véspera de Natal, Dia do Órfão e Santa Paula Cerioli

A véspera de Natal é no dia 24 de dezembro, data que antecede uma das festas mais celebradas do calendário cristão, o Natal.

A véspera de Natal não é feriado no Brasil.

A Bíblia não diz em qual data Jesus nasceu, mas afirma que foi durante a noite. Por isso, a madrugada de 24 para 25 de dezembro é conhecida como “noite feliz”, e carrega enorme importância para a maioria dos países cristãos.

O Dia do Órfão é comemorado anualmente em 24 de dezembro.

É assim desde que a data foi instituída em 1961 através do Decreto n.º 50.912, de 5 de julho, pelo então presidente do Brasil Jânio Quadros.

Segundo consta no documento, trata-se de um dia em que devemos valorizar o espírito de solidariedade:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando das atribuições que lhe confere o art. 87, nº I, da Constituição,

Origens
Paula Elisabetta Cerioli, nascida Costanza Cerioli, em 28 de janeiro de 1816, viveu dócil e obediente com sua família em Soncino di Cremona até os onze anos de idade. Então, por quase cinco anos, ela foi enviada para longe de casa para estudar em um internato de Irmãs animadas pela espiritualidade salesiana, localizado em Alzano di Bergamo. Voltando aos seus lugares de origem, ela dócil e livremente se dispôs aos desejos de seus pais.

Casamento e filhos
Aos dezenove anos, ela se casou com um homem de cinquenta e oito anos residente em Comonte di Seriate (BG). Juntos, eles deram vida a quatro filhos, três dos quais morreram muito cedo. Um deles, Carlo, viveu até os dezesseis anos, fazendo explodir nela a alegria e a amargura de uma maternidade esmagada. O casamento vivido em meio à solidão e devoção terminou cedo de forma libertadora e problemática. Com efeito, tendo permanecido viúva do marido, aos trinta e nove anos de idade entrou numa profunda crise existencial. Isto levou Santa Paula a procurar mais fundo e para além das perdas sofridas o sentido do que lhe acontecera e do que Deus lhe pedia dela.

Busca incessante pela vontade de Deus
Um discernimento cansativo e exigente – guiado primeiro por Dom Alessandro Valsecchi e depois também pelo grande Bispo de Bergamo Pietro Luigi Speranza – levou-a a confiar-se ao Senhor com renovado entusiasmo, enquanto sentia o próprio desejo de maternidade mantido vivo intrinsecamente revitalizado nela pelas palavras proféticas de seu filho moribundo, Carlo, que lhe disse:

 “Mãe, não chores pela minha morte iminente, porque Deus te dará muitos mais filhos.”- (A. Longoni,  Memorie della vita , em Opera Omnia , vol. VII, Bergamo 2001, p. 84).

Santa Paula Cerioli: a entrega total à fé, à esperança e à caridade

Entrega total a Fé
Dócil à orientação do paciente e iluminado diretor espiritual, ela elabora positivamente as próprias tragédias e se entrega à fé, à esperança e à caridade:

“Peço a Monsenhor que me abençoe que também eu sou sua ovelha, desgarrada sim, mas cheia de boas deseja reparar uma vida fria e indiferente ao serviço de Deus, agora que o Senhor me castigou com a maior das desgraças”-  (PE Cerioli,  Lettere, em «Opera Omnia», vol. III, Bérgamo 2001, p. 40).

A Sagrada Família de Nazaré, sua inspiração
Assim, num invulgar ímpeto de caridade, que a impulsionava todos os dias a socorrer os necessitados e enfermos ao seu redor, ao contemplar a misteriosa figura evangélica de Nossa Senhora das Dores e sentir-se guiada pela força protetora de São José, compreende que a revelação contida nas palavras de seu filho Carlo tem uma realização extraordinária no mistério da Sagrada Família de Nazaré, onde Maria e José cooperam de maneira admirável no desígnio salvífico do Pai celeste, tornando-se prolongamento terreno de sua maternidade salvífica e universal e paternidade.

De fato, ela própria deixa-nos este testemunho:

“Estas palavras, em vez de confortarem o meu coração atormentado, apertaram-me fazendo-me interpretá-las no sentido oposto e ignorando como alma inocente havia penetrado nos segredos de Deus.”– (A. Longoni, Memórias da vida , em Opera Omnia, vol. VII, Bérgamo 2001, p. 42).

Ponto de Partida: a família

Cuidado com as crianças
Esta contemplação transforma lentamente a sua ação caritativa e assistencial ao direcioná-la para as crianças mais solitárias e abandonadas e torna-se um projeto a ser realizado com alguns companheiros de apostolado para dar um futuro a quem, sem uma família digna, não tem futuro ( experiência do Gromo). Juntamente com a ajuda, Madre Cerioli percebeu imediatamente o poder educativo da família e da educação para com seus filhos: «É um dever estrito reler com frequência as instruções apropriadas sobre como educar as Filhas de São José, para não errar em um ponto tão importante como o de cuidar correta e sabiamente de sua dupla missão de mestra e mãe, criando e educando aquelas filhas, a cujo bem o instituto está destinado” (PE Cerioli,  Direção do Instituto das Irmãs de Sagrada Família de Bérgamo (1906) , in As Regras, «Opera Omnia», vol. I, Bérgamo 2001, p. 344-345).

Casas e Escolas
As suas Casas e Escolas nasceram e desenvolveram-se com o intuito de promover o crescimento de toda a sociedade a partir da família. Ao mesmo tempo em que se preocupava com o sucesso escolar, estava muito atenta ao problema da pobreza e da escassez de crianças sem família.

Páscoa
Em 24 de dezembro de 1865, após uma década de vida intensa e laboriosa, faleceu com menos de cinquenta anos de idade, tendo acabado de iniciar sua instituição feminina e masculina em favor das crianças mais  “abandonadas”  e  “abandonadas”  da sociedade de sua Tempo. Em 16 de maio de 2004, é proclamada Santa por João Paulo II.

Minha oração

“Mulher de maternidade alargada, não foste mãe somente de filhos biológicos, mas de todos que precisavam de uma figura materna, cuidai, de modo especial, dos órfãos e desfavorecidos. Animai todos os teus filhos e participantes da tua obra. Amém.”

Santa Paula, rogai por nós!

Pular para o conteúdo