Abraji vai monitorar durante um ano bloqueio de jornalistas por autoridades no Twitter

redessociaispexels
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Share on print
Share on whatsapp

Abraji vai monitorar durante um ano bloqueio de jornalistas por autoridades no Twitter

Redação Portal Imprensa

A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) iniciou este mês um monitoramento contínuo dos jornalistas bloqueados por perfis de autoridades no Twitter. O levantamento segue até agosto de 2021 e tem como objetivo buscar formas de impedir que políticos e outros gestores públicos restrinjam o acesso as suas postagens na rede social.

Crédito: Pexels

A questão é abordada no Projeto de Lei 2630/2020, o PL das Fake News, que tramita na Câmara Federal e já foi aprovado no Senado. De acordo com o artigo 19, perfis de autoridades e órgãos públicos nas redes sociais são de interesse público e, por isso, não podem restringir o acesso de outras contas a suas publicações.

O presidente Jair Bolsonaro é uma das autoridades que já bloquearam jornalistas e outros internautas. Comentários, perguntas ou críticas são as motivações para a restrição. Em maio deste ano, a Abraji fez um levantamento desses impedimentos e recebeu 28 denúncias.

“Uma dia estava bloqueado. Deve ter acontecido, porque eu eventualmente o interpelava no Twitter, fazendo perguntas que ele deve considerar incômodas, mas que qualquer repórter do mundo faz”, conta o jornalista João Paulo Charleaux, bloqueado pelo perfil do presidente.

Para o repórter especial do Nexo, o cancelamento no Twitter dificulta o trabalho de apuração, mas não o impede. “É sobretudo uma forma de mostrar desprezo pela imprensa, cuja função é acompanhar a gestão dele para impedir que o ambiente comunicacional se transforme em um terreno exclusivo da propaganda”.

Com o apoio da Open Society Foundations, a Abraji retoma o monitoramento por um ano. Jornalistas de sites independentes, coletivos e da grande imprensa podem preencher um formulário relatando o caso e anexar um print da tela com a mensagem de bloqueio. O objetivo do projeto é incentivar a discussão sobre a legalidade dessa prática.

Medida é contestada na Justiça

Uma ação popular aberta no ano passado pede que Bolsonaro seja obrigado a desbloquear todos os perfis já bloqueados por ele.

Os autores da ação alegam que o presidente usa suas redes sociais para anunciar medidas do governo e políticas públicas, portanto, não pode impedir o acesso a elas, pois estaria restringindo o acesso à informação, garantido pela Constituição.

Clique aqui para preencher o formulário e relatar o bloqueio.