Agente paga passagens de avião para casal surdo e filhos ao ver que caíram em golpe

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print

Por Graziela Rezende, G1 MS

Agente diz que se sensibilizou com a família ao ver que caíram em um golpe em MS — Foto: Arquivo Pessoal

Agente diz que se sensibilizou com a família ao ver que caíram em um golpe em MS — Foto: Arquivo Pessoal

Por alguns segundos, o agente de aeroporto Raphael Cavaleiro, de 35 anos, pôde se esquecer da pandemia de Covid-19 para curtir um abraço coletivo recebido de um casal de surdos com os filhos pequenos, em Campo Grande, no início de fevereiro.

O gesto foi a forma encontrada pela família – que havia caído em um golpe ao comprar passagens áreas falsas – para agradecê-lo depois que ele se ofereceu para pagar, de última hora, parte do valor dos bilhetes verdadeiros.

De acordo com o agente, uma das filhas do casal, uma garota de 9 anos, foi quem conversou com ele.

Segundo Raphael, o expediente já havia terminado, mas ele continuou o serviço para atender clientes de um voo cancelado. “Eu já tinha finalizado os trabalhos administrativos e um casal me abordou. Eles tinham mais duas crianças de colo e a menina de 9 anos, porta-voz deles. Muito eloquente, ela conversou comigo, disse que estava indo viajar para uma cidade do Nordeste e me entregou o papel dos bilhetes. De cara, quando abri, já desconfiei que era um golpe”, relembrou.

Ao confirmar que realmente não havia reserva no sistema e também o relato da menina, a qual contou que o pai comprou a passagem com um contato da rede social Facebook e a pessoa o bloqueou logo após mandar a foto do comprovante, ele explicou o ocorrido para a família.

“Eles são leigos, mas eu bati o olho no papel e vi que tinha algo errado ali. Logo que informei a menina, ela repassou a informação e os pais ficaram bem agitados e logo a menina começou a chorar. Ela falou que eles não tinham como custear a passagem, principalmente porque o pai está desempregado. Pedi licença, fui para a sala perto do meu armário e desabei a chorar. Pensei um pouco, me recompus e chamei o meu coordenador, dizendo que estava disposto a custear as passagens”, contou.

Em seguida, chamou a família e informou que estava disposto a pagar integralmente as passagens. Foi aí que a menina disse que a família tinha um restante de dinheiro e ele complementou. “A menina ficou tão feliz. Ela disse: ‘tio, você vai viajar com a gente?’ E eu respondi: ‘Não, meu coração. O tio trabalha aqui interno’. E ela complementou: ‘Poxa, queria que fosse com a gente’”, falou.

Diante a atitude carinhosa da menina, ele continuou acompanhando a família até a sala de embarque. “Foi neste momento que a menina me disse que era a primeira vez que estava viajando. Mostrei o avião chegando para ela, lembro que nem piscava direito. Quando chegou, nós seguimos os protocolos de assepsia por conta da Covid e depois iniciamos o embarque. Mas, antes, eles me deram um abraço repentino, o casal por cima e a menina pela cintura. Senti toda a gratidão deles”, explicou.

Agente recebeu ligações parabenizando pela atitude dele — Foto: Raphael Cavaleiro/Arquivo Pessoal

Agente recebeu ligações parabenizando pela atitude dele — Foto: Raphael Cavaleiro/Arquivo Pessoal

Reconhecimento

Três dias depois, Cavaleiro foi surpreendido com a ligação do presidente da companhia aérea. “Ele estava agradecendo o que eu havia feito e também falei ontem com o CEO das linhas aéreas. Tinha feito tudo de forma bem discreta, falando baixo com eles para não gerar constrangimento, comentei somente com um amigo meu que ajudou a pegar a bagagem. Não imaginava toda essa repercussão”, afirmou.

No entanto, ainda conforme Cavaleiro, a gerência ficou sabendo do ocorrido. Mesmo assim, com 5 anos de experiência, o agente conta que não foi a primeira vez que ajudou pessoas que estavam em situação vulnerável. Diz, entretanto, que nunca divulgou, que sempre preferiu que “as histórias ficassem nos bastidores”, já que a intenção era somente solucionar os problemas.

“Já aconteceu com outras pessoas aqui, de comprarem em sites genéricos. Não é a primeira vez que eu ajudo. Teve um senhor que havia sido sequestrado, vítima do golpe do falso frete e tinha somente a passagem de avião da empresa dele. Levaram até a roupa. Ele tinha um sapato porque o policial havia dado a ele e me mostrou o boletim de ocorrência. Percebi na hora do raio-x e ele confessou que estava 48 horas sem comer. Me emocionei da mesma forma e almoçamos juntos antes dele pegar o voo. São coisas que a gente guarda, jamais esquece”, finalizou.