Aprovado na Câmara, texto que substitui LSN prevê prisão para quem disparar fake news em massa

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print

Redação Portal IMPRENSA

Aprovado na Câmara nesta terça (4), o projeto que revoga a Lei de Segurança Nacional (LSN), apelidado de Lei do Estado Democrático, vem contando com a resistência do governo federal. Deputados da base votaram contra e o PSL chegou a tentar tirá-lo da pauta. O texto agora precisa passar pelo Senado.
Além da instituição do crime de golpe de Estado e de punições para prática de incitação a guerra civil, insurreição e espionagem, a nova lei prevê prisão de um a cinco anos e multa para quem fizer disparos de fake news em massa durante o período eleitoral.
Crédito: Reprodução Poder360

O presidente Jair Bolsonaro é alvo de ações no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que investigam, justamente, a contratação de empresas de tecnologia para disparo de mensagens em massa pelo WhatsApp durante a campanha que em que foi eleito, em 2018.

A LSN foi sancionada em 1983, durante a ditadura militar, pelo presidente João Figueiredo, para listar crimes que afetem a ordem política e social.
Segundo levantamento do jornal O Estado de São Paulo divulgado em  março último, o número de procedimentos abertos com base na LSN pela Polícia Federal aumentou 285% nos dois primeiros anos do governo Bolsonaro, na comparação com o mesmo período das gestões Dilma Rousseff e Michel Temer. Houve um total de 20 inquéritos entre 2015 e 2016. Já entre 2019 e 2020, foram 77 investigações.
A LSN já foi usada para a Polícia Civil do Rio intimar o youtuber Felipe Neto após o influenciador digital chamar Bolsonaro de “genocida”, e para o Ministério da Justiça pedir a investigação da publicação de uma charge de Aroeira, na qual Bolsonaro aparece transformando a cruz vermelha (símbolo de hospitais) na suástica nazista.