As associações de mídia insistem no valor do jornalismo no ecossistema digital

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print
A declaração “Convocação dos meios de comunicação das Américas para a defesa dos valores do jornalismo profissional no ecossistema digital“, foi assinada por 18 associações internacionais e nacionais

Miami (21 de setembro de 2021) – Dezoito associações de mídia internacionais e das Américas reivindicaram hoje, numa declaração pública, remunerações “justas e razoáveis” pela publicação de conteúdo jornalístico em plataformas digitais.

A declaração “Convocação dos meios de comunicação das Américas para a defesa dos valores do jornalismo profissional no ecossistema digital“, foi assinada por 18 associações internacionais e nacionais que reúnem mais de 40.000 veículos de comunicação do Canadá, Estados Unidos, México, Honduras, Jamaica, República Dominicana, Colômbia, Equador, Peru, Brasil, Bolívia, Chile e Argentina.

O documento salienta que “a sustentabilidade do jornalismo corre perigo”. Embora “os veículos de comunicação têm mais audiência do que nunca, as receitas que financiavam o jornalismo profissional são absorvidas por intermediários que concentram mais de 80% da publicidade digital do mundo”, acrescenta.

Com relação à posição de mercado das plataformas digitais, as associações propõem que “é necessário haver estratégias coerentes em âmbito mundial para fazer cumprir um direito que se baseia tanto na propriedade intelectual quanto nas leis antitruste “. Acrescenta que é “fundamental evitar práticas abusivas no mercado da publicidade digital”.

A declaração adverte que a crise econômica, exacerbada pela pandemia, está criando “desertos de notícias” como resultado do fechamento da mídia em muitas comunidades, um fato que o Secretário Geral da ONU Antonio Gutiérrez descreveu como “preocupante extinção da mídia”.

A declaração saúda as iniciativas do Google e do Facebook de pagar mídia em alguns países por seu conteúdo, mas considera que “esses programas ainda não são a resposta justa e completa que o setor precisa”, e afirma que é necessário ” promover um ecossistema digital saudável e equilibrado”.

Além do pagamento pelo conteúdo e concentração publicitária, as associações prestam especial atenção à questão dos algoritmos, cuja opacidade e discrecionalidade afetam a produção e distribuição do conteúdo.

Nas reuniões de trabalho, as associações concordaram em convocar plataformas digitais para acelerar seus programas de pagamento por conteúdo e suporte de mídia. Eles exigem que esses programas sejam mais inclusivos, beneficiando tanto as publicações maiores quanto as que cobrem pequenas comunidades e precisam continuar fazendo parte da vida democrática.

As organizações signatárias são: Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP), Associação Mundial de Editores de Notícias (WAN-IFRA), Organização Ibero-americana de Telecomunicações (OTI), Grupo de Diarios América (GDA), Associação Internacional de Radiodifusão (AIR), Meios de Comunicação de Canadá (NMC, Canadá), Aliança de Mídia (NMA, EUA), Aliança de MeiosMx (México), Associação de Mídia de Honduras (AMC, Honduras), Associação de Mídia de Jamaica (MAJ, Jamaica), Sociedade Dominicana de Jornais (SDD, República Dominicana), Associação de Meios de Informaçāo (AMI, Colômbia), Associação Equatoriana de Editores de Jornais (AEDEP, Equador), Conselho de Imprensa Peruano (CPP, Peru), Associação Nacional de Jornais (ANJ, Brasil), Associação Nacional de Imprensa (ANP, Bolívia), Associação Nacional de Imprensa (ANP, Chile) e Associação Argentina de Entidades Jornalísticas (ADEPA, Argentina).