Assassinato da principal jornalista de Malta completa dois anos com investigação sob suspeita

malta journalist
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Share on print
Share on whatsapp

Assassinato da principal jornalista de Malta completa dois anos com investigação sob suspeita

Redação Portal IMPRENSA

Na quarta, 16 de outubro, completaram-se dois anos do assassinato de Daphne Caruana Galizia, uma das principais jornalistas de Malta. A polícia ainda não descobriu quem ordenou o crime e as investigações foram colocadas sob suspeita por observadores internacionais.
Ao jornal inglês Guardian, Pieter Omtzigt, analista sênior do Conselho Europeu, reforçou a preocupação com a possibilidade de a polícia ter ignorado intencionalmente provas que pudessem levar aos autores do assassinato.  Membro do parlamento holandês, Omtzigt tem monitorado o caso pelo Conselho Europeu desde o ano passado.
Crédito:Reprodução Time

Morta após um carro-bomba explodir próximo à sua residência, na cidade de Bidnija, Daphne era conhecida por seu trabalho investigativo. A jornalista participou da cobertura do caso Panama Papers e de diversas reportagens voltadas a expor casos de corrupção política e de agentes públicos.

Desde a morte de Daphne, Malta protagonizou um acentuado declínio no ranking de liberdade de imprensa da ONG Repórteres Sem Fronteiras, caindo 30 lugares, para a posição atual de número 77, dentre 180 países.
Financiadas pela Fundação Justiça para Jornalistas, a RSF e a agência Shift produziram uma reportagem sobre as circunstâncias em que Caruana foi assassinada. O trabalho examina a carreira da jornalista e reforça as suspeitas em torno do controverso trabalho investigativo da polícia no caso