Ataque a repórter da Globo é “um lembrete dos riscos enfrentados pela imprensa no Brasil”, diz CPJ

ataque
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Share on print
Share on whatsapp

Ataque a repórter da Globo é “um lembrete dos riscos enfrentados pela imprensa no Brasil”, diz CPJ

O ataque feito à repórter Marina Araújo, da TV Globo, foi classificado como “um lembrete dos riscos elevados enfrentados pela imprensa no Brasil, especialmente jornalistas mulheres” pelo Comitê de Proteção para Jornalistas (CPJ). Na quarta-feira, Thomas Rainer invadiu a sede da emissora, no Jardim Botânico (RJ), e colocou uma faca no pescoço de Marina exigindo falar com Renata Vasconcellos, apresentadora do Jornal Nacional, que fazia aniversário.
Crédto: Reprodução
A segurança da emissora chamou a Polícia Civil.  Thomas só liberou Marina quando Renata surgiu no local por orientação do comandante Heitor Pereira, que conduziu a operação. Ele foi preso em flagrante pelo crime de cárcere privado e levado ao 12º DP, de Copacabana.

Se acusado e condenado, ele pode pegar até três anos de prisão nos termos do artigo 148 do Código Penal.

“O ataque de ontem à TV Globo é um lembrete dos riscos elevados enfrentados pela imprensa no Brasil, especialmente jornalistas mulheres”, disse Natalie Southwick, coordenadora do Programa para a América Central e do Sul do CPJ, em Nova York.

O CPJ pede que as autoridades brasileiras investiguem minuciosamente o ataque e tomem medidas para garantir a segurança dos jornalistas.

A mãe de Thomas, a costureira Telma Francisco Rosa, de 53 anos, conta que não sabia que o filho iria para o Rio de Janeiro, mas que ele já havia comentado que era aniversário de Renata Vasconcellos esta semana.

“Ele chegou a falar que, nesta semana, Renata esteve no hotel onde ele trabalhava aqui no Espírito Santo e perguntou pelo meu filho, mas isso é imaginação da cabeça dele. Ele até disse que esteve com o papa Francisco recentemente. Thomas ficou assim depois do acidente que sofreu”, disse em entrevista ao jornal A Gazeta.

Em dezembro do ano passado, Thomas sofreu um acidente na BR-101, em Guarapari (ES), e ficou internado por 24 dias.