Brasil lidera ranking de desconfiança de notícias na internet, revela Instituto Reuters

pesquisa
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Share on print
Share on whatsapp

Brasil lidera ranking de desconfiança de notícias na internet, revela Instituto Reuters

O Instituto Reuters, da Universidade de Oxford, divulgou nesta terça (16) a edição 2020 de sua pesquisa anual Digital News Report.
Feito em 40 países, o levantamento aponta que, mesmo antes da crise do coronavírus, mais da metades dos participantes se disse preocupada com notícias falsas na internet.

O estudo também revelou que o Brasil lidera o ranking dos países mais preocupados com notícias falsas, seguido por Quênia e África do Sul.
No material de divulgação da pesquisa, o Instituto Reuters observa que nesses três países há alto uso de mídias sociais e instituições mais fracas.
Crédito:Reprodução

Políticos aparecem como a fonte de desinformação mais citada na pesquisa.

Mas nos Estados Unidos e em outros países, pessoas de direita demonstraram maior probabilidade de culpar a imprensa e os jornalistas profissionais pelo fenômeno da desinformação.
Os níveis mais baixos de preocupação com notícias falsas na internet estão em países europeus como Holanda, Alemanha e Dinamarca.
O estudo também mostrou que, puxadas pelos smartphones, as mídias sociais ultrapassaram pela primeira vez a televisão em consumo de notícias.
Crise
Sobre os impactos da pandemia na imprensa, o relatório afirma que um “negócio difícil” se transformou em uma “crise total”.
“As notícias locais e regionais estão sob pressão há anos”, diz o estudo, acrescentando que “a pandemia agora está afetando seriamente as receitas remanescentes, levando muitas empresas a cortar pessoal, interromper a impressão ou a serem forçadas a liquidar”.
O número de leitores impressos caiu pela metade desde 2013 e o impacto do coronavírus no setor será forte, diz o estudo.
Por outro lado, prossegue o relatório, a crise vem mostrando o “quanto as notícias locais ainda importam”, já que a propagação do vírus e a atuação governamental mudam de uma área para outra.
Mesmo antes da COVID-19, 47% dos participantes estava muito ou extremamente interessada em notícias locais.
No Brasil o índice chega a 73%, a 62% na Espanha e a 54% na Alemanha.
Já pessoas que vivem em países com “sistemas mais centralizados” demonstram menos interesse por notícias locais.
O Facebook aparece no trabalho como o principal canal de disseminação de informações falsas, papel mais fortemente desempenhado pelo WhatsApp em países como Brasil e Malásia.
Ainda segundo a pesquisa, as emissoras públicas despontam como categoria de veiculo de comunicação que mais perdeu apoio e credibilidade.