Brasil registra 37 jornalistas mortos em onze anos

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print

Nos últimos 11 anos, 37 jornalistas foram assassinados no Brasil. O número foi revelado pela Organização das Nações Unidas (Unesco) em lembrança ao Dia Mundial da Liberdade de Imprensa, celebrado em 3 de maio para ressaltar os princípios fundamentais da liberdade de imprensa. De acordo com o relatório apresentado em formato de gráfico, o país é o 6° mais perigosos para o exercício da profissão, perdendo apenas para Síria, Iraque, Paquistão, México e Somália, respectivamente nas primeiras posições, informou a ABI.

O estudo revela números alarmantes para as regiões Sudeste e Nordeste, que são as mais perigosas para o trabalho da imprensa. No período de 2006 a 2016, cada uma das regiões registrou 14 mortes de comunicadores, enquanto o Centro-Oeste teve seis mortes, duas no Norte e uma no Sul. A impunidade reflete muito a situação: até o momento, apenas oito casos foram resolvidos, sendo que outros 23 seguem em “andamento” ou sem resolução.

A Unesco mostra, também, o perfil das vítimas, sendo os radialistas os mais atingidos pela violência com um total de 16 mortes. Jornalistas (12), Blogueiros (6), cinegrafistas (2) e fotógrafos (1) completam a lista. O monitoramento que deu vida ao estudo foi feito em parceria com Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), Secretaria Especial de Direitos Humanos, Artigo 19, Committee to Protect Jornalists, Press Emblem Campaign e Repórteres Sem Fronteiras, destacou o jornalista Lile Corrêa, ao vivo na emissora Líder FM 104,9.