Brasileiro passa em 11 universidades nos EUA

AC1B74F2-A342-49A0-B407-25B8970F295D
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Share on print
Share on whatsapp

Brasileiro passa em 11 universidades nos EUA

Rafael Basto - Foto: arquivo pessoal
Rafael Basto – Foto: arquivo pessoal

Um brasileiro de 18 anos foi aprovado em 11 universidades americanas, entre elas a badalada Harvard.

Mas Rafael Basto, de Salvador, na Bahia, decidiu estudar em Stanford, a segunda melhor universidade do mundo, de acordo com o QS World University Rankings.

O adolescente vai cursar Física e o sonho dele é reduzir as desigualdades no Brasil e no mundo usando ciência e tecnologia.

“Quero trabalhar com pesquisa fundamental em física, buscar entender com profundidade como a natureza funciona… Meu sonho é aplicar inovações nas áreas de matéria condensada e tecnologias quânticas para reduzir desigualdades baseadas em renda”.

Rafael teve a ideia quando começou a dar aulas de física e astronomia em escolas públicas e percebeu a enorme desigualdade que havia no acesso à educação de qualidade, saúde, saneamento básico e até mesmo eletricidade.

Para reduzir essas disparidades, ele pretende desenvolver supercondutores de alta temperatura para baratear energia em áreas remotas, sensores quânticos acessíveis para aparelhos de imagem médica e até laboratórios de física de realidade virtual de baixo custo para ajudar estudantes de escola pública a visualizarem conceitos complexos de física.

História

Desde que se entende por gente, Rafael Basto buscava entender tudo ao seu redor – e não descansava até conseguir respostas satisfatórias.

“Entrava no carro e começava a pensar como ele funcionava, olhava para o céu e refletia sobre a origem do universo, por que as estrelas brilhavam”, conta. “Passava horas buscando respostas para as minhas perguntas, procurando na internet, em livros, perguntando para professores.”

Dessa curiosidade nasceu a paixão pela ciência, sobretudo pela física, sua área de escolha.

No 6º ano do Ensino Fundamental ele começou a participar da Olimpíada Brasileira de Robótica.

“Gostava tanto de construir robôs que fazia disso meu passatempo”, lembra ele.

No 8º ano, ele estudou por conta própria, e em apenas três meses, leu um livro inteiro de física do Ensino Médio e conquistou sua primeira medalha de ouro, na Olimpíada Brasileira de Física.

EUA

No ano seguinte, Rafael e sua família se mudaram para Los Alamos, no Novo México, nos Estados Unidos, onde ele teve a oportunidade de estagiar no National High Magnetic Field Laboratory, um dos maiores laboratórios de magnetismo do mundo.

Após um ano de experiência no exterior, Rafael retornou ao Brasil e foi convidado a estudar com bolsa integral no colégio Farias Brito, em Fortaleza, no Ceará.

Lá, ele teve aulas preparatórias para olimpíadas nacionais e internacionais e chegou a conquistar o 2º lugar na Latin American Robotics Competition e ganhou medalha de bronze na International Physics Olympiad (IPhO), em Israel.

Por que não?

Nessa época, quando começou a estudar física mais profundamente, começou a inquietude.

“Percebi como os grandes nomes da ciência, como Einstein e Feymann, eram estrangeiros. E eu me perguntei: por quê? Onde estão os brasileiros nessa história?”

O jovem começou a se preparar para os processos seletivos e concorreu a uma vaga em 18 universidades estrangeiras ainda no início do 3º ano do Ensino Médio.

Gagueira

E o maio desafio para ele, que sofre de gagueira, foi enfrentar a banca. Na redação, Rafael escreveu sobre ser gago.

“Sempre tive esse problema, e por ter sido um dos fatores que mais definiram minha vida, decidi escrever sobre isso.”

Deu certo.

“O dia em que fui aceito foi o melhor da minha vida e levei algumas semanas para processar a informação, mas depois de algum tempo, me dei conta de que não foi algo aleatório. Trabalhei duro durante muitos anos para alcançar esse sonho.”

Devido à pandemia da Covid-19, Rafael decidiu adiar sua entrada na universidade para 2021.

Até lá, ele pretende aproveitar o tempo para trabalhar como professor de física em uma escola e estudar por conta própria para algumas matérias da universidade.

Rafael Basto - Foto: arquivo pessoal
Rafael Basto – Foto: arquivo pessoal

Rinaldo Oliveira Só Notícia Boa com informações do R7