Brasileiros desenvolvem edição genética pra barrar coronavírus - CLUBE DE IMPRENSA

Brasileiros desenvolvem edição genética pra barrar coronavírus

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Share on print
Share on whatsapp

Brasileiros desenvolvem edição genética pra barrar coronavírus

Foto: Agência Fapesp

Pesquisadores brasileiros desenvolveram ferramentas de biologia molecular e bioinformática baseadas em edição genética para frear o coronavírus.

Os cientistas das faculdades de Medicina e de Odontologia da Universidade de São Paulo – USP, campus Ribeirão Preto, criaram um sistema para simular mutações no gene que codifica uma proteína a qual o vírus da Sars-Cov-2, causador da covid-19, se liga para entrar nas células humanas.

A ideia dos pesquisadores é desestabilizar a interação entre o vírus e as células para impedir a infecção.

O projeto da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, Fapesp, foi publicado na plataforma preprints.

“O sistema possibilita simular a inserção de mutações específicas na região do gene ACE2 que codifica a parte da proteína que adere ao vírus, sem prejudicar as funções fisiológicas da molécula”, diz à Agência Fapesp Geraldo Aleixo Passos, professor da FORP e da FMRP-USP e coordenador do projeto.

Uma das principais funções da proteína ACE2 é expressar o RNA mensageiro que orienta a produção da enzima conversora da angiotensina 2 – molécula essencial para o controle da pressão arterial.

“A edição gênica representa uma estratégia mais interessante para interferir na ACE2 porque permite modificar apenas a região da proteína que interage com o novo coronavírus, mantendo intacta a atividade biológica de conversão da angiotensina 2”, avalia o pesquisador.

Resultados promissores

Os resultados das análises de predição indicaram que essas mudanças (mutações pontuais) por edição gênica desestabilizaram a interação entre a alfa-hélice N-terminal da ACE2 e a proteína spike do Sars-CoV-2, sem interferir no centro ativo da proteína, mantido intacto.

“Comprovamos em ensaios de bioinformática que a edição gênica é uma estratégia promissora para combater o novo coronavírus”, afirma Passos.

Os pesquisadores estão buscando agora se associar com grupos de virologia para a realização de ensaios in vitro.

Foi produzido um vídeo explicativo sobre a pesquisa, vencedor de um concurso promovido pela Pró-Reitoria de Pós-Graduação da USP para premiar os melhores curtas sobre pesquisas relacionadas à Covid-19 produzidos por estudantes de mestrado e doutorado da universidade.

Veja:

Redação SóNoticiaBoa Com informações da Galileu