Caco Barcellos confirma participação no Congresso da Abraji

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print

Caco-BarcellosUm dos principais repórteres investigativos do país, Caco Barcellos confirmou participação no 11º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo. Junto com sua equipe, Barcellos passará em revista os dez anos do programa “Profissão Repórter” em painel no dia 25.jun.2016, às 9h.

Em abril deste ano, Barcellos reuniu em livro algumas das histórias do programa, desde quando o “Profissão” era um quadro do “Fantástico”. O público reagiu bem às reportagens sobre temas e lugares nem sempre presentes no noticiário, e aos bastidores do trabalho de apuração e edição, e o programa ganhou audiência e espaço individual na grade da TV Globo.

A carreira de Caco Barcellos começou na década de 1970, no Rio Grande do Sul. Passou pela Folha da Manhã, participou da fundação do Coojornal (primeira cooperativa de jornalistas da América do Sul) e escreveu para o Versus, jornal alternativo.

Na década de 1980, já em São Paulo, passou pelas redações de IstoÉ, de Veja e do Jornal da Tarde até ir para a TV Globo. Começou a se destacar com uma reportagem sobre a violência de policiais da Rota (tropa de elite da polícia paulista) contra menores da favela de Heliópolis, em 1984.

Continuou a fazer coberturas de pautas policiais com foco em direitos humanos, como a revelação da identidade de oito desaparecidos políticos enterrados pelo regime militar no cemitério de Perus, na capital Paulista. A descoberta veio durante a apuração para um de seus livros mais notáveis, Rota 66.

Lançado em 1992, o livro-reportagem revelou a existência de um esquadrão da morte formado por policiais militares de São Paulo — membros da mesma Rota que Barcellos já cobrira anos antes. Graças a uma apuração que durou cinco anos, o repórter mostrou os métodos de extermínio dos agentes e as brechas no sistema oficial que permitem a existência de tal grupo.

No “Profissão Repórter”, ao mesmo tempo em que dirige a equipe de repórteres jovens, Barcellos exerce a função pela qual ganhou reconhecimento. Recentemente, esteve no Equador para relatar os efeitos do terremoto que atingiu o país em abril deste ano e deixou mais de 600 mortos.

Serviço

11º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo

Painel “Profissão Repórter: 10 anos”

25/06/2016, 9h-10h30

Universidade Anhembi Morumbi – Campus Vila Olímpia – São Paulo

R. Casa do Ator, 275 – Vila Olímpia – São Paulo-SP

Inscrições: http://congresso.abraji.org.br