Cãozinho atropelado fratura 7 costelas e passa por cirurgia em Clínica Veterinária

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print

Lile Corrêa*

Mais um salvamento na fronteira que serve de enredo para filme campeão de bilheteria, tendo como protagonista um cãozinho vira lata e um médico veterinário conhecido como Dr. John Dolittle (Eddie Murphy), de 1998 que falava com o animais.

Na fronteira de Ponta Porã (Brasil) com Pedro Juan Caballero (Paraguai), Dr. Marcelo Resende que recebeu esta semana o prêmio Gold Master Premiun – selo de qualidade, vive no dia a dia o papel de Dr. Dolittle salvando animais.

O Clube de Imprensa teve acesso ao relatório de salvamento do dia dia 27 de fevereiro do ano de 2017 as 9 h da manhã quando deu entrada no Centro Veterinário Dr. Marcelo Resende um paciente que atende pelo no me Respeito sem raça definida, com 8 anos de idade de propriedade de Julio Cezar Duro trazido até a clínica por Dagoberto da Silva, mencionando que “o animal havia sido atropelado por um carro em frente sua residência e que o mesmo estava sangrando, com dificuldade respiratória, um corte grande na costela, e que quando ele respirava o ar saia pelo buraco e muita dor”.

O paciente foi atendido pelo medico veterinário ortopedista e foram verificadas as seguintes alterações:

Ao exame físico, o animal apresentava ferimento perfurante com laceração da musculatura intercostal entre o 5º, 6º, 7º e 8º espaço intercostal lateral esquerdo do tórax, estertor pulmonar, taquipnéia, taquicardia, mucosas cianóticas, instabilidade torácica e muita dor.

De imediato o tórax do animal foi enfaixado para manter a estabilidade e o ritmo respiratório.

Como exame complementar, foi realizado raio X do tórax, verificando-se fratura de 7 costelas, no exame de sangue apresentou policitemia e hepatite, e no exame de ultrassonografia abdominal não apresentou alterações.

Foi administrado Maxicam (anti-inflamatório), tramadol (analgésico), ceftriaxona (antibiótico) e o paciente foi encaminhado à cirurgia emergencial de reparação torácica.

Na indução, utilizou-se máscara com isoflurano até a perda dos reflexos protetores. E, na manutenção, intubação endotraqueal com isoflurano e oxigênio a 100%.

Durante a reparação cirúrgica, realizou-se padrão de sutura simples separado nos espaços intercostais, com nylon 0. No subcutâneo, o padrão de sutura foi Cushing, com fio nylon 2.0. Na pele, o padrão de sutura foi Wolf separado com nylon 2.0. Ao término da cirurgia, realizou-se toracocentese para retorno da pressão negativa da cavidade torácica.

Cerca de 30 minutos pós-cirúrgico o paciente já se encontrava de pé e respirando satisfatoriamente. Duas horas depois já se alimentava.

De acordo com o Dr. Marcelo Resende “o paciente foi internado e recebendo todos os cuidados necessários para uma boa recuperação e recebeu alta em para continuar o tratamento em casa, esta semana já teve sua consulta de retorno e esta reagindo bem ao tratamento”