Centenas de fiéis participam da missa de quarta-feira de cinzas em Ponta Porã

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print

Em Ponta Porã na fronteira com Pedro Juan Caballero (Paraguai), centenas de católicos participaram da missa especial de quarta-feira de cinzas realizada na Igreja Matriz Divino Espirito Santo, localizada na Rua Dr. Miguel Marcondes Armando, 188 – Jardim Universitário. A celebração aconteceu as 19h de quarta-feira (14/02) e foi celebrada pelo padre Fábio Casado Dias. A missa de cinzas abre oficialmente o período da Quaresma, preparação para a morte e ressurreição de Cristo.

Durante a missa, muitos cânticos e orações. Mas o momento solene e o mais esperado foi a benção das cinzas, quando os fiéis se dirigiram ao altar para receber o sinal da cruz feito com as cinzas dos ramos. Esse é um momento de reflexão e que simboliza a fragilidade da vida e abre oficialmente a Campanha da Fraternidade.

De acordo com a Conferência Nacional dos Bispos (CNBB) o tema da Campanha da Fraternidade 2018, é “Fraternidade e superação da violência”, tendo como lema “Em Cristo somos todos irmãos” (Mateus 23,8).

Quarta-feira de Cinzas representa o primeiro dia da Quaresma no calendário gregoriano, podendo também ser designada por Dia das Cinzas.

A data é um símbolo do dever da conversão e da mudança de vida, para recordar a passageira fragilidade da vida humana, sujeita à morte. Coincide com o dia seguinte à terça-feira de Carnaval e é o primeiro dos 40 dias (Quaresma) entre essa terça-feira e a sexta-feira (Santa) anterior ao domingo de Páscoa.

As cinzas utilizadas neste ritual provêm da queima dos ramos abençoados no Domingo de Ramos do ano anterior. A estas cinzas mistura-se água benta. De acordo com a tradição, o celebrante desta cerimônia, Padre Fabio utilizou essas cinzas úmidas para sinalizar uma cruz na fronte de cada fiel, proferindo a frase “Convertei-vos e crede no Evangelho”.

Na Quarta-feira de Cinzas (e na Sexta-feira Santa) a Igreja Católica aconselha os fiéis a fazerem jejum e a não comerem carne. Esta tradição já existe há muitos anos e tem como propósito fazer com que os fiéis tomem parte do sacrifício de Jesus. Assim como Jesus se sacrificou na cruz, aquele que crê também pode fazer um sacrifício, abstendo-se de uma coisa que gosta, neste caso, a carne.

(Lile Corrêa com informações CNBB e site Significados)