Ciberataques bloqueiam elPeriódico em uma “nova onda de intimidação”

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print

Por Teresa Mioli e Paola Nalvarte

O jornal guatemalteco elPeriódico informou ter recebido ataques digitais em seu servidor desde as primeiras horas da manhã do dia 29 de agosto. Segundo a publicação, esta seria a décima quarta vez em que seu site é afetado.

“Suspeitamos que nosso conteúdo noticioso, especificamente aqueles publicados durante as últimas semanas, são o motivo da ira e irritação de figuras obscuras que têm meios suficientes para causar um dano desta magnitude a nossa página na web”, publicou o elPeriódico pelo Twitter.

Quando o Centro Knight tentou acessar o site a partir dos Estados Unidos, recebeu uma mensagem que dizia que o servidor não pode ser encontrado. O jornal e seus jornalistas continuam a publicar notícias através de suas contas nas redes sociais.

Os quatorze ataques anteriores, de acordo com as informações do veículo, ocorreram durante o governo do agora dissolvido Partido Patriota (PP). O portal indicou que está trabalhando para encontrar uma solução provisória e alternativa enquanto permanece offline.

Sem dar nomes aos mandantes dos ataques, o veículo também ressaltou as recentes denúncias contra seu fundador e diretor, José Rubén Zamora.

Em julho, uma juíza proibiu Zamora de mencionar em suas publicações a ministra de Relações Exteriores, Sandra Jovel, pelo período de três meses. E em agosto, outro juiz ordenou ao diretor do elPeriódico que “não perturbasse ou intimidasse” a política e ex-primeira dama Sandra Torres, “incluindo (pela) utilização de meios eletrônicos ou redes sociais”, segundo o Publinews. Ambas fizeram uso da lei que protege mulheres contra violência em suas respectivas denúncias.

“elPeriódico rechaça esta nova onda de intimidações e reitera que o bloqueio a sua página na web, assim como o assédio, ameaças, campanhas de difamação e desinformação e até mesmo prisão não vão parar nossa prática jornalística independente e verdadeira. Seguiremos denunciando atos de corrupção, nepotismo e enriquecimento ilícito que continuem a ser praticados por aqueles que se empenham em manter o país mergulhado na escuridão”, disse o elPeriódico em nota.

Ao longo de sua carreira jornalística, Zamora tem enfrentado numerosas campanhas de descrédito, ações judiciais, ameaças de morte, sequestro, tentativas de assassinato e ataques de forças paramilitares contra ele e sua família. No entanto, ele também recebeu inúmeros prêmios que reconheceram sua carreira, como o Maria Moors Cabot, da Universidade de Columbia, e o Prêmio Internacional da Liberdade de Imprensa do Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ).