Clube de Imprensa

COB vai pagar R$ 4,6 milhões em bônus a medalhistas após recorde de pódios em Tóquio

Por Paulo Roberto Conde — Tóquio, Japão

A campanha de 21 medalhas conquistadas nas Olimpíadas de Tóquio vai render dividendos para os atletas brasileiros que subiram ao pódio no megaevento, encerrado neste domingo. Os sete ouros, seis pratas e oito bronzes – recorde nacional em todas as edições – vão resultar em uma premiação no valor de R$ 4,6 milhões para os laureados.

Rebeca Andrade com as medalhas das Olimpíadas — Foto: Ricardo Bufolin/ Panamerica Press/ CBG

Rebeca Andrade com as medalhas das Olimpíadas — Foto: Ricardo Bufolin/ Panamerica Press/ CBG

O dinheiro será distribuído pelo COB (Comitê Olímpico do Brasil) de acordo com a cor da medalha. A entidade anunciou em junho que daria bônus para quem ficasse entre os três primeiros colocados na competição: o ouro valeria R$ 250 mil para indivíduos, R$ 500 mil para times com até seis integrantes e R$ 750 mil para equipes com sete ou mais; a prata tem prêmios entre R$ 150 mil e R$ 450 mil; e o bronze vai de R$ 100 mil a R$ 300 mil. As quantias são oriundas de verbas de patrocínios privados da entidade.

Rebeca Andrade, ouro (salto) e prata (individual geral) na ginástica, por exemplo, embolsa R$ 400 mil com as conquistas. A seleção masculina de futebol, com o ouro na decisão contra a Espanha, leva R$ 750 mil para dividir entre os convocados. Já a equipe feminina de vôlei, vice-campeã neste domingo, ganha R$ 450 mil pela prata, também para compartilhar entre o elenco.

Duplas como as velejadoras Martine Grael e Kahena Kunze (ouro, ou seja, R$ 500 mil) e as tenistas Laura Pigossi e Luisa Stefani (bronze, R$ 200 mil) recebem valores diferenciados.

Os medalhistas bonificados

Atleta Esporte Resultado Valor (em reais)
Martine/Kahena Vela Ouro 500 mil
Italo Ferreira Surfe Ouro 250 mil
Rebeca Andrade Ginástica artística Ouro 250 mil
Ana Marcela Maratona Aquática Ouro 250 mil
Hebert Conceição Boxe Ouro 250 mil
Isaquias Queiroz Canoagem Ouro 250 mil
Futebol masc. Ouro 750 mil
Vôlei fem. Prata 450 mil
Bia Ferreira Boxe Prata 150 mil
Rebeca Andrade Ginástica artística Prata 150 mil
Pedro Barros Skate Prata 150 mil
Kelvin Hoefler Skate Prata 150 mil
Rayssa Leal Skate Prata 150 mil
Bruno Fratus Natação Bronze 100 mil
Fernando Scheffer Natação Bronze 100 mil
Alison dos Santos Atletismo Bronze 100 mil
Thiago Braz Atletismo Bronze 100 mil
Daniel Cargnin Atletismo Bronze 100 mil
Mayra Aguiar Judô Bronze 100 mil
Abner Teixeira Boxe Bronze 100 mil
Laura Pigossi/Luisa Stefani Tênis Bronze 200 mil

O valor é bem maior do que o pago pelo COB nas Olimpíadas Rio 2016 quando a premiação era de R$ 35 mil.

Em alguns casos, os medalhistas ganham não apenas bônus do COB, mas também de suas confederações. É o caso do canoísta campeão olímpico Isaquias Queiroz, que recebe R$ 250 mil do comitê e mais R$ 80 mil da CBCa (Confederação Brasileira de Canoagem). Ao todo, o baiano vai faturar R$ 330 mil – e desfrutar, segundo o treinador Lauro de Souza Júnior, de cinco meses de férias.

Além dos valores estipulados para as Olimpíadas de Tóquio, o COB também vai premiar atletas que por ventura subam ao pódio nos Jogos de Inverno de Pequim, no próximo ano. O país nunca conquistou uma medalha em esportes de neve ou gelo.