Cobertura do coronavírus aumenta credibilidade dos veículos tradicionais de imprensa

Divulgada nesta terça (24) pelo jornal Folha de S.Paulo, pesquisa do Datafolha mostrou que telejornais, jornais impressos, rádios  e sites de notícias lideram a confiança do público na busca por informações sobre a crise do novo coronavírus.
Em contrapartida, notícias veiculadas pelo WhatsApp e pelo Facebook enfrentam grande desconfiança em época de pandemia.
Disseram que confiam nos jornais impressos 56% dos entrevistados, índice que cai para 12% no WhatsApp e no Facebook.
Apenas 11% não confiam nos jornais impressos, índice que sobre para 58% no WhatsApp e para 50% no Facebook.
Os telejornais também são referências de credibilidade para boa parte da população na crise do coronavírus: 61% dos entrevistados responderam que confiam neles.
Embora tenham um índice de confiança menor em relação a telejornais e jornais impressos, sites de notícias gozam de muito mais credibilidade do que WhatsApp e Facebook: são confiáveis para 38% dos entrevistados.
43 milhões de brasileiros

Tal índice sobe para 50% no caso das rádios. Os sites de notícias têm a desconfiança de 22% dos entrevistados.
De acordo com a pesquisa, a maior parte dos que acreditam em notícias veiculadas no WhatsApp e no Facebook é formada por idosos e pessoas com baixa escolaridade.
Outra pesquisa relacionada a desinformação em tempos de pandemia do novo coronavírus foi divulgada pela Psafe, startup brasileira que desenvolve aplicativos para celulares.

De acordo com o levantamento, divulgado também neste dia 24, as fake news sobre o novo coronavírus já atingiram mais de 43 milhões de brasileiros somente via WhatsApp.

Pular para o conteúdo