Congresso americano convoca Facebook, Google e Twitter para falar sobre desinformação online

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print
Redação Portal IMPRENSA

Os diretores executivos do Facebook, Alphabet (Google) e do Twitter vão mais uma vez comparecer ao Congresso dos Estados Unidos para falar em um painel sobre a “desinformação que assola as plataformas online”. O encontro está marcado para 25 de março.

Crédito: Getty Images

A iniciativa partiu do Comitê de Energia e Comércio da casa, que considera que as plataformas vêm permitindo a disseminação de fake news e agravando crises de desconfiança sobre a vacina de covid-19 e sobre eleições.

“Quer se trate de falsidades sobre a vacina covid-19 ou alegações de fraude eleitoral, essas plataformas online permitiram a disseminação de desinformação, intensificando as crises nacionais com consequências terríveis para a saúde e segurança públicas na vida real”, disse o presidente do Comitê, Frank Pallone, e os representantes Mike Doyle e Jan Schakowsky, presidentes de dois subcomitês, em uma declaração conjunta.

Eles também disseram que as empresas falharam em reconhecer seu papel mediador e de autorregulação, e aumentaram o alcance de informações falsas.

Serão ouvidos em uma audiência conjunta remota o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, do Google, Sundar Pichai, e do Twitter, Jack Dorsey. Esta será a sétima vez que Zuckerberg testemunha perante o Congresso desde 2018, e a quinta vez para Dorsey.

Críticas 

O jornalista Glenn Greenwald, ex-Intercept, escreveu em seu blog que vê a iniciativa do Congresso como “intenção explícita de pressioná-los e coagi-los (os CEOs) a censurar mais conteúdo de suas plataformas” por meio do uso do poder do Estado.

Para Greenwald, “o Congresso viola a Primeira Emenda quando tenta exigir que as empresas privadas imponham restrições ao discurso baseadas em pontos de vista que o próprio governo estaria constitucionalmente impedido de impor”.

Ele afirma ainda que os democratas da Câmara estão cada vez mais perto da linha constitucional, “se é que ainda não cruzaram”.

Facebook rebate

O porta-voz do Facebook Andy Stone disse que a empresa espera apresentar as ações que têm feito para enfrentar os desafios online e demonstrar que não deveriam decidir sozinhas sobre o conteúdo que circula na internet.

Separadamente, um subcomitê de Energia e Comércio realizará uma audiência na quarta-feira sobre “a disseminação da desinformação e do extremismo pela mídia tradicional”.

Práticas contra a concorrência 

Em julho do ano passado, o Congresso chamou os diretores da Amazon, Apple, Facebook e Google para um debate sobre monopólios e práticas contra a concorrência. Todos eles negaram ter mantido atuações para criar monopólios em seus segmentos e acabar com empresas menores.