Decreto ameaça demarcação de terras indígenas em Mato Grosso do Sul

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print

Mudanças de procedimentos podem paralisar andamento de 96 processos

A minuta do decreto do Ministério da Justiça, divulgada ontem, que propõe a regulamentação da demarcação de terra indígenas, pretende alterar o processo de reconhecimento das áreas dos povos tradicionais. A medida pode paralisar aproximadamente 280 ações de demarcação em andamento no País, pelo menos 96 delas em Mato Grosso do Sul. A proposta fragiliza terras que já foram demarcadas e reconhecidas por governos anteriores, abrindo espaço para essas áreas sejam contestadas por pessoas que pleiteiem o mesmo espaço.

Pelo novo texto, passa a valer o critério de “marco temporal”, que estabelece que apenas os povos indígenas que ocupavam ou disputavam áreas desde 1988 – ano de promulgação da Constituição – podem ter direito a ela. Com isso, os índios que deixaram ou foram expulsos de suas terras e não as retomaram depois de 1988, mesmo que por meios violentos, perdem o direito de reivindicá-la.

Outro ponto polêmico do decreto é a mudança no processo de desocupação de áreas onde há presença de não-índios. Pelas regras atuais, o governo propõe indenizações financeiras a donos de propriedades rurais, quando estes estão dentro de áreas que são reconhecidamente terras indígenas. O que o novo decreto prevê é que, agora, os índios sejam indenizados e não voltem mais para as terras. Na legislação do tema não há previsão de pagamento a indígenas para que deixem de reivindicar terras – o que o governo faz, como previsto na Constituição, é indenizar os fazendeiros e retirá-los de terras indígenas.

(*) A reportagem, de Natalia Yahn, está na edição de hoje do jornal Correio do Estado e foi destacada ao vivo na Rádio Líder FM 104,9 de Ponta Porã (MS).

Legenda: Policiais da Força Nacional em Caarapó, município do sul do Estado, marcado por tensões entre indígenas e produtores rurais – Foto: Valdenir Rezende / Correio do Estado