Denúncia contra jornalista Glenn Greenwald é recusada por tribunal brasileiro

Gleen
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Share on print
Share on whatsapp

Denúncia contra jornalista Glenn Greenwald é recusada por tribunal brasileiro

Por Júlio Lubianco

Após um juiz rejeitar uma denúncia para indiciá-lo por envolvimento com os hackers que acessaram mensagens de diversas autoridades brasileiras trocadas via Telegram, o jornalista americano Glenn Greenwald disse que vai ao Supremo Tribunal Federal em busca de uma decisão que garanta de forma mais clara o que diz a constituição federal.

“Isso [a rejeição da denúncia] não é suficiente para a gente. Nossos advogados vão para o STF pedir uma decisão que deixe bem claro que esta denúncia não é apenas contrária a uma decisão anterior do STF, mas muito mais do que isso, como quase todas as organizações de mídia e de defesa da liberdade de expressão no Brasil e no mundo reconheceram. […] Nossos advogados vão ao STF para obter uma decisão que deixe isso bem claro,” disse Greenwald em vídeo postado no Twitter.

Glenn Greenwald

@ggreenwald

Sobre a decisão judicial rejeitando a denuncia do MPF contra mim pela nossa reportagem:

Vídeo incorporado

695 pessoas estão falando sobre isso

Greenwald, fundador dos sites The Intercept e The Intercept Brasil, havia sido denunciado em 21 de janeiro por um procurador federal por invasão de dispositivo informático, interceptação ilegal de comunicações e associação criminosa.

O caso faz parte da série de reportagens Vaza-Jato, que revelou diálogos entre o então juiz federal Sergio Moro, hoje ministro da Justiça, o promotor Deltan Dallagnol, que lidera a força-tarefa da Operação Lava-Jato e outros integrantes da equipe responsável pela investigação que prendeu diversos políticos e empresários por corrupção.

A motivação de Greenwald de seguir a disputa judicial está na própria decisão que rejeitou a denúncia contra ele. Nela, o juiz substituto da 10ª Vara Federal do Distrito Federal, Ricardo Leite, diz que concorda com a avaliação de que “o jornalista ‘incitou’ as invasões dos hackers e recomendou formas de destruir provas,” escreveu Leonardo Sakamoto no UOL. O juiz escreve ainda que não é possível “utilizar a prerrogativa de sigilo da fonte para criar uma excludente de ilicitude.”

O juiz recusou a denúncia, no entanto, com base na liminar de agosto do ano passado do ministro Gilmar Mendes, do STF, que proíbe que Greenwald seja investigado pela divulgação das mensagens obtidas pelo jornalistas e publicadas no Intercept. Na decisão, ele escreve que a rejeição é “por ora”, ou seja, até que o mérito da liminar seja avaliado pelo Supremo, indicando que se a liminar for cassada, Greenwald pode vir a ser denunciado.

Também nesta quinta-feira, 6 de fevereiro, o jornalista recebeu um importante apoio do relator da ONU sobre liberdade de expressão, David Kaye, e do relator especial para a liberdade de expressão da Comissão Interamericana de Direitos Humanos, Edison Lanza. Eles cobraram explicações sobre as acusações contra Greenwald e alertam para o risco da instrumentalização de ameaças judiciais contra a imprensa, reportou o jornalista Jamil Chade no UOL.