Dia do Repórter: profissionais destacam importância da função para a democracia e condenam ataques

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print

Deborah Freire

Sob ataques constantes de políticos, de membros do judiciário, de instituições religiosas e outras autoridades, o jornalismo brasileiro comemorou nessa terça-feira (16) o Dia do Repórter. De acordo com a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), os ataques à profissão, que já vinham em uma crescente, aumentaram em 2021, boa parte praticada pelo presidente Jair Bolsonaro.

Crédito: Pexels

Em contrapartida, o profissional que é responsável por apurar, entrevistar e produzir matérias para a TV, jornal, rádio e internet, tem ganhado destaque no País e no mundo. O trabalho da Rede Internacional de Checagem de Fatos, por exemplo, que deu uma aula de jornalismo em vários países com o CoronaVirusFacts Alliance, foi indicado ao Prêmio Nobel da Paz.

Na luta contra a desinformação e pela manutenção da democracia, o repórter tem o papel de ser os olhos e ouvidos da sociedade. E não é só nos temas mais sérios e complexos que esse profissional faz a diferença: a função mais versátil do jornalismo tem muita história para contar, e é que mostram os muitos profissionais que repercutiram a data nas redes sociais.

Andreza Matais, diretora da sucursal do Estadão em Brasília, escreveu em sua rede social sobre o quanto a profissão é fundamental para o país, mas destacou a falta de reconhecimento do trabalho de reportagem.

Bárbara Carvalho, repórter da GloboNews, falou sobre “resistência” neste Dia do Repórter e destacou que o profissional ajuda a combater o crime.

Em tempos de representatividade e diversidade, o repórter trans Caê Vasconcelos, da Ponte Jornalismo, destacou o trabalho que a equipe tem feito em prol de pessoas trans, pretas e da periferia.

Ulisses Neto, jornalista, radialista e blogueiro, lamentou os ataques diários aos repórteres e pediu respeito.

 

Em tom mais comemorativo, Leandro Demori, editor do The Intercept Brasil, aproveitou a data para relembrar a cobertura do terremoto de L’Aquila, na Itália, há 11 anos.

 

O colunista da GloboNews e CBN, Thássius Veloso, ressaltou as possibilidades da profissão, que permite aos repórteres conhecer lugares, inovações tecnológicas e se desafiar sempre.

E Sandra Annenberg, apresentadora da TV Globo, homenageou o colega Américo Figueiroa, repórter cinematográfico que está internado com covid-19.