Dólar alto dobra movimento do comércio no lado brasileiro da fronteira

Comércio de Ponta Porã esboçou reação neste ano com a manutenção do dólar alto - Foto Paulo Ribas Correio do Estado
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Share on print
Share on whatsapp

Dólar alto dobra movimento do comércio no lado brasileiro da fronteira

Migração de consumidores paraguaios puxou vendas em supermercados e postos da cidade

Nem só de recessão e fechamento de vagas de trabalho é construído o noticiário sobre a economia brasileira, pelo menos em Ponta Porã, na fronteira do Brasil com o Paraguai, neste primeiro quadrimestre do ano, período em que o dólar sofreu fortes oscilações, atingindo em 16 de março seu maior valor de fechamento no ano, R$, 3,73.

Na cidade vizinha de Pedro Juan Caballero, tradicionalíssimo centro de compras de turistas brasileiros e sul-mato-grossenses, a estimativa da Associação Comercial e Empresarial de Ponta Porã (Acepp) é que o movimento das lojas brasileiras tenha crescido 100% neste ano em decorrência da migração de consumidores paraguaios para o comércio varejista do outro lado da fronteira, comportamento que está fortemente atrelado à alta da moeda norte-americana.

(*) A reportagem, de Daniella Arruda, está na edição de hoje do jornal Correio do EstadComércio de Ponta Porã esboçou reação neste ano com a manutenção do dólar alto - Foto Paulo Ribas Correio do Estadoo.

Comércio de Ponta Porã esboçou reação neste ano com a manutenção do dólar alto – Foto: Paulo Ribas / Correio do Estado