Empresas driblam determinação judicial e seguem com disparo automatizado de mensagens no WhatsApp

2D7729E7-7724-4216-B54E-32B801B41E7E
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Share on print
Share on whatsapp

Empresas driblam determinação judicial e seguem com disparo automatizado de mensagens no WhatsApp

Redação Portal IMPRENSA*
Reportagem de Helton Simões Gomes, publicada no Tilt (canal sobre tecnologia do UOL) nesta quinta (2), informa que a SallApp e a Yacows, empresas de marketing digital que em abril foram proibidas pela Justiça de fazer disparos em massa de mensagens pelo WhatsApp, continuam executando esse serviço à revelia da determinação judicial.
Uma das principais investigadas pela CPMI das fake news, a Yacows é suspeita de usar chips de celular registrados sob números de CPF obtidos irregularmente para envios em massa por WhatsApp de mensagens políticas nas eleições de 2018.
Crédito: Reprodução
A empresa alega que foi vendida e, segundo a apuração de Gomes, estaria usando outro nome (Message Flow) para continuar atuando com disparos automatizados de mensagens no WhatsApp.
A Message Flow oferece diversos pacotes de envio massivo de mensagens e seria o nome fantasia da Unifour, empresa que teria comprado a Yacows.
Segundo a apuração de Gomes, porém, não há documentos na Junta Comercial sobre a compra, o que seria um indício de que esta foi uma forma encontrada para driblar a decisão judicial.
No caso da SallApp, que foi proibida de atuar em março, o próprio WhatsApp já havia identificado o descumprimento e notificado a Justiça, que definiu multa diária de R$5 mil caso a empresa continuasse atuando com disparos automatizados no WhatsApp.
Em depoimento à CPMI das fake news em março, Marcos Aurélio Carvalho, um dos donos da agência AM4, que em 2018 coordenou o marketing eleitoral e a captação financeira para a campanha do então candidato à presidência Jair Bolsonaro, fez duras críticas à Yacows. A empresa teve seu modo de atuação classificado como “submundo” por Carvalho.
No início do ano a CPMI das Fake News também colheu o depoimento de Hans River do Nascimento, ex-funcionário da Yacows que foi fonte da repórter da Folha Patrícia Campos Mello em sua matéria sobre o disparo em massa de mensagens telefônicas nas eleições de 2018.
Nascimento na ocasião tentou desqualificar a reportagem, afirmando que a jornalista se insinuou sexualmente em troca de informações. A versão foi negada pela Folha com fatos e prints.