Clube de Imprensa

Entidades se manifestam sobre morte de jornalista brasileiro no Paraguai

Por G1 MS

Entidades jornalísticas do Brasil se manifestaram nesta quinta-feira (13) sobre o assassinato do jornalista Léo Veras, em Pedro Juan Caballero, na fronteira com o Brasil, em Mato Grosso do Sul. O profissional foi executado com 12 tiros quando jantava com a família na noite anterior. Léo chegou a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos.

Em 2017, a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) produziu um documentário de lançamento do programa Tim Lopes que investiga a morte de jornalistas pelo país. Léo Veras foi um dos entrevistados no documentário, ele mostra que tinha medo de ser assassinado e pede que a morte não seja tão violenta.

“Que não seja com tantos disparos de fuzil, porque aqui quando o pistoleiro quer ele abre a porta da sua casa e efetua os disparos, espero que seja apenas com um tiro para não estragar tanto”. disse

O presidente da associação, Marcelo Träsel, falou que o crime é motivo preocupação e será acompanhado. “Estamos coletando as informações sobre o Léo, a morte de um comunicador é sempre motivo de preocupação e vamos cobrar das autoridades para que isso não fique impune”, comentou.

A Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (ABERT), a Associação Nacional de Editores de Revistas (ANER) e a Associação Nacional de Jornais (ANJ) emitiram uma nota em conjunto lamentando a morte de Léo Veras e pedindo apuração criteriosa sobre o caso.

O Sindicato dos jornalistas de Mato Grosso do Sul (Sindjor-MS) também emitiu uma nota sobre a morte e exigiu severa investigação por parte das autoridades sul-mato-grossenses e brasileiras, para que seja punido esse atentado à vida e à democracia.

Leia a nota da ABERT, ANER E ANJ

Veras, o Léo Veras, executado na noite de quarta-feira (12), em Pedro Juan Caballero, cidade paraguaia que faz fronteira com Ponta Porã, em Mato Grosso do Sul. As entidades se solidarizam com a família, os amigos e os colegas do jornalista, e esperam que as autoridades do Paraguai e do Brasil esclareçam o caso com celeridade e que os responsáveis pelo crime sejam encaminhados à Justiça e punidos nos termos da lei.