Entidades se manifestam sobre morte de jornalista brasileiro no Paraguai

0F8B22AC-7182-4F05-A22A-E8EF41F10EDC
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Share on print
Share on whatsapp

Entidades se manifestam sobre morte de jornalista brasileiro no Paraguai

Por G1 MS

Entidades jornalísticas do Brasil se manifestaram nesta quinta-feira (13) sobre o assassinato do jornalista Léo Veras, em Pedro Juan Caballero, na fronteira com o Brasil, em Mato Grosso do Sul. O profissional foi executado com 12 tiros quando jantava com a família na noite anterior. Léo chegou a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos.

Em 2017, a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) produziu um documentário de lançamento do programa Tim Lopes que investiga a morte de jornalistas pelo país. Léo Veras foi um dos entrevistados no documentário, ele mostra que tinha medo de ser assassinado e pede que a morte não seja tão violenta.

“Que não seja com tantos disparos de fuzil, porque aqui quando o pistoleiro quer ele abre a porta da sua casa e efetua os disparos, espero que seja apenas com um tiro para não estragar tanto”. disse

O presidente da associação, Marcelo Träsel, falou que o crime é motivo preocupação e será acompanhado. “Estamos coletando as informações sobre o Léo, a morte de um comunicador é sempre motivo de preocupação e vamos cobrar das autoridades para que isso não fique impune”, comentou.

A Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (ABERT), a Associação Nacional de Editores de Revistas (ANER) e a Associação Nacional de Jornais (ANJ) emitiram uma nota em conjunto lamentando a morte de Léo Veras e pedindo apuração criteriosa sobre o caso.

O Sindicato dos jornalistas de Mato Grosso do Sul (Sindjor-MS) também emitiu uma nota sobre a morte e exigiu severa investigação por parte das autoridades sul-mato-grossenses e brasileiras, para que seja punido esse atentado à vida e à democracia.

Leia a nota da ABERT, ANER E ANJ

Veras, o Léo Veras, executado na noite de quarta-feira (12), em Pedro Juan Caballero, cidade paraguaia que faz fronteira com Ponta Porã, em Mato Grosso do Sul. As entidades se solidarizam com a família, os amigos e os colegas do jornalista, e esperam que as autoridades do Paraguai e do Brasil esclareçam o caso com celeridade e que os responsáveis pelo crime sejam encaminhados à Justiça e punidos nos termos da lei.