Equipe de jornalismo da NSC TV é agredida durante reportagem

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print

Redação Portal IMPRENSA

A equipe de jornalismo da NSC TV, afiliada da Rede Globo em Santa Catarina, foi agredida enquanto fazia uma reportagem nesta segunda-feira (2).

A repórter Bárbara Barbosa e o repórter cinematográfico Renato Soder realizavam uma matéria sobre fiscalizações na praia do Campeche, em Florianópolis, quando foram cercados por pessoas que estavam na faixa de areia.

Segundo o G1, algumas pessoas avançaram sobre a câmera, ameaçando quebrar o equipamento. Depois, outras tentaram tirar das mãos da repórter o celular enquanto era gravada a agressão. Ela foi cercada por parte do grupo e uma mulher pegou o aparelho.

A repórter sofreu arranhões e marcas de agressão no braço. A Polícia Militar e a Guarda Municipal foram acionadas. A emissora realizou um boletim de ocorrência.

A permanência de banhistas na faixa de areia está proibida na cidade, de acordo com decreto estadual.  É permitido apenas a prática de atividades esportivas e banho de mar, além do uso obrigatório de máscara para quem circular na praia.

Crédito: Reprodução/ NSC TV
Entidades se pronunciaram 
Diferentes entidades se pronunciaram sobre o caso de agressão dos profissionais da imprensa e repudiaram a ação.

A Associação Nacional de Jornais (ANJ), a Associação Catarinense de Emissoras de Rádio e Televisão (Acaert), a Associação Catarinense de Imprensa, o Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina (SJSC), a Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) e a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji).

A NSC TV também emitiu uma nota sobre o caso:

“O ataque e a agressão à equipe da NSC, nesta segunda-feira na Praia do Campeche, são uma tentativa de impedir o trabalho da imprensa, de levar os fatos ao conhecimento público – o que é garantido pela Constituição federal. Atitudes como esta, que infelizmente mostramos no Jornal do Almoço, estão se repetindo no país inteiro. Mas elas revelam e fortalecem a importância do nosso trabalho. Os agressores responderão pelos seus atos. E nós vamos continuar fazendo o que fazemos: jornalismo profissional, independente e essencial para a sociedade catarinense”, informou.