Estádio de futebol é interditado após agressão a repórter do Globoesporte.com

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print

Redação Portal IMPRENSA

Ocorrida na quarta (5), após partida do campeonato piauiense de futebol, a agressão feita por João Paulo dos Anjos Abreu contra a jornalista Emanuelle Madeira, do Globoesporte.com, segue repercutindo.
A Federação de Futebol do Piauí (FFP) anunciou que o agressor foi proibido permanentemente de participar e assistir presencialmente às partidas organizadas pela entidade ou pela CBF.
Abreu atacou a repórter enquanto ela gravava uma briga entre as equipes do Altos e do Fluminense-PI. A jornalista teve seu celular tomado por Abreu, que estava uniformizado com o uniforme do Altos. Quando tentava reaver o celular, a jornalista foi afastada pelo agressor de modo agressivo.
Crédito: reprodução Lance!

O agressor só devolveu o aparelho quando percebeu que estava sendo gravado por um cinegrafista que é colega da repórter no Globoesporte.com. Emanuelle registrou boletim de ocorrência na Polícia Civil.

Nesta sexta (7), o Tribunal de Justiça Desportiva do Piauí (TJD-PI) determinou a interdição do estádio Felipão, também conhecido como arena Jacaré, que foi palco da briga e da agressão à jornalista.
A confusão de quarta foi causada por uma discussão entre Wallace Lemos, técnico do Flu-PI, e o presidente do Altos, Warton Lacerda.
A princípio o Altos negou que o agressor da jornalista fizesse parte do seu estafe. Porém, após a divulgação de fotos de Abreu no vestiário da equipe, a diretoria voltou atrás e pediu desculpas.
Entidades de defesa do jornalismo e da liberdade de imprensa repudiaram a agressão e cobraram punição do culpado.