Fato On Line dá calote em mais de cem funcionários

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print

Depois de não receberem os salários relativos a dezembro, janeiro, fevereiro e 13º, a equipe de redação do site Fato Online resolveu paralisar as atividades na noite de segunda-feira, 29. De acordo com informações apuradas pela reportagem do Portal Comunique-se, a decisão de entrar em estado de greve aconteceu após todos os jornalistas do veículo concluírem que o calote por parte do empresário amapaense Silvio Assis, idealizador do projeto, é irreversível. Anunciando ter dado “um passo maior que as pernas” e admitindo problemas financeiros, com risco de despejo da sede em Brasília, o dono deve encerrar as atividades do portal.

Editor-chefe do Fato Online no lançamento do projeto, em março de 2015, e que ultimamente atuava como colunista, o jornalista Rudolfo Lago usou a página que mantém no Facebook para comentar a situação enfrentada pelos mais de 100 profissionais que fizeram parte do veículo até o início desta semana. “Talvez precisasse mesmo ser num dia bissexto para bem marcar o fim de um sonho, o fim de uma ilusão”, lamentou em post divulgado na noite da segunda. “É o fim de um drama que estamos vivendo desde o final de novembro”, prosseguiu, antes de ressaltar que o domínio segue no ar, mas apenas reproduzindo conteúdo adquirido da Agência Estado e de outros sites.

“Antes de entrarmos em greve, recebemos duas contrapropostas que vão aos píncaros do absurdo. Na primeira, nos sugeriram virarmos ‘sócios cotistas’ do Fato Online: pela proposta, aceitaríamos deixar para lá o passivo que temos e passaríamos a receber como ‘pro labore’ dois terços dos salários previstos nos nossos contratos a partir daí e possível participação nos lucros. Mesmo assim, não seria uma proposta para todos, porque o empresário, Sílvio Assis, admitia que tinha errado na gestão da empresa”, relatou Rudolfo, que também repercutiu a outra proposta sugerida: “não viraríamos sócios, e o passivo seria pago em ‘dez vezes’, a partir do dia 20 de março”.

Apesar de destacar que inicialmente a equipe entrou em estado de greve, evidenciando que havia esperanças de a situação ser resolvida junto ao dono do site, o ex-editor-chefe afirmou que logo após a paralisação das atividades, a companhia deu a entender encarar a situação como desfecho de vínculo profissional, com e-mails sendo bloqueados e sem permissão de acesso ao publicador do Fato Online. “Ou seja: a empresa já tomou as providências técnicas para negar o nosso acesso, estabelecendo, apenas algumas horas depois da assembleia, uma postura beligerante, o que nos deixa com a sensação de que, provavelmente, só resolveremos nossas pendências na Justiça”, prosseguiu o jornalista.

Curta história
No ar desde 4 de março do ano passado, com direito a evento de lançamento que contou com presenças de autoridades, o Fato Online chegou ao mercado do jornalismo online brasileiro com a promessa de cobrir os principais fatos da política nacional, com equipe baseada na capital federal. Desde o início, profissionais renomados da imprensa fizeram parte do projeto. Nomes como Cecília Maia (diretora de jornalismo), Andrei Meireles (repórter e colunista), Helena Chagas (colunista), Sheila D’Amorim (atual editora-chefe), Lúcio Vaz (editor de política) e Orlando Brito (editor de fotografia e colunista) constam no expediente do site.

O site Fato Online segue com domínio ativo na web, mas – desde a denúncia da reportagem do Portal Comunique-se – segue sendo atualizado com conteúdo de agências públicas de notícias e materiais pagos fornecidos por Agência Estado e Agência O Globo, por exemplo. O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Distrito Federal falou pela última vez do caso em junho. Na ocasião, a entidade afirmou que os ex-funcionários do site seguiam ser receber por seus trabalhos, destacou o jornalismo da Rádio Líder FM 104,9 de Ponta Porã (MS).