Foram cometidas 760 violações e crimes contra jornalistas palestinos em 2019, segundo relatório

jornalista ferido
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Share on print
Share on whatsapp

Foram cometidas 760 violações e crimes contra jornalistas palestinos em 2019, segundo relatório

Redação Portal IMPRENSA*
Relatório divulgado pelo Freedoms Committee, que é ligado ao Sindicato dos Jornalistas Palestinos (PJS), afirma que as forças de ocupação israelense cometeram 760 violações e crimes contra jornalistas palestinos em 2019.
O PJS registrou 12 feridos graves com munição viva, 62 feridos com balas de aço revestidas de borracha e 58 feridos em agressões, nas quais bombas de gás lacrimogêneo e granadas de choque foram disparadas diretamente contra jornalistas. Há também o registro que 78 jornalistas sofreram asfixia por gás lacrimogêneo enquanto realizavam seu trabalho, conforme destaca o Monitor do Oriente Médio (MEMO).
Mohammed Laham, chefe do comitê, diz que a mídia palestina está sob constantes ataques das forças de ocupação israelense, e aponta o fechamento de instituições de mídia em Jerusalém, sendo que o caso mais recente foi da Palestine TV, em novembro de 2019.
O relatório identificou 92 casos em que as forças de ocupação israelenses impediram os jornalistas de fazer seu trabalho e cobrir eventos. E pelo menos 250 contas de jornalistas nas redes sociais foram fechadas.
Estes números são reforçados por um relatório divulgado pelo Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ) que documentou, durante o mês de dezembro de 2019, sérias violações à liberdade de imprensa nos territórios palestinos, tanto por Israel quanto por autoridades palestinas (PA).
Em seu relatório mensal, o CPJ divulgou 86 violações, sendo 55 por Israel e 31 por autoridades palestinas, que incluem prisão e ataque a jornalistas com munição viva, balas de aço e bombas de gás lacrimogêneo.
Laham declara, em nota do The Jerusalem Post, que no West Bank, apesar dos esforços para melhorar a situação, as autoridades palestinas continuam a prender jornalistas a fim de impedi-los de realizar seu trabalho. E lembra que recentemente 49 sites jornalísticos foram banidos, “o que não feriu apenas nossa liberdade de imprensa, mas também afetou a reputação do governo”.
E em Gaza, Laham reforça que a situação é pior, já que as violações aos jornalistas incluem tortura e humilhação. Os profissionais são presos, impedidos de viajar, e ainda tem seus equipamentos destruídos.

Crédito:Reprodução / foto AFP
Referindo-se ao relatório divulgado pelo Sindicato dos Jornalistas Palestinos, Laham comenta ao The Jerusalem Post, que “documentamos mais de 750 violações: 90 jornalistas foram hospitalizados em 2019, 80 deles mortos por balas, e dois perderam membros, o mais recente foi Muath Amarneh, que perdeu um olho”.