França e mais 11 países se engajam em defesa da informação e democracia inspirados por Declaração da RSF

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print

Redação Portal IMPRENSA

Representantes de 12 países participaram do Fórum de Paris sobre a Paz, realizado na capital francesa, e lançaram um processo político em favor da informação e democracia. França, Canadá, Suíça, Costa Rica, Dinamarca, Letônia, Burkina Faso, Líbano, Lituânia, Noruega, Senegal e Tunísia atenderam ao apelo da Repórteres Sem Fronteiras (RSF) e se manifestaram favoravelmente à Declaração Internacional sobre a Informação e a Democracia divulgada pela organização no início deste mês. A Unesco e o Conselho da Europa também apoiaram a iniciativa.

Crédito: Reprodução/RSF

Produzido por uma comissão presidida pelo secretário-geral da RSF, Christophe Deloire, juntamente com a ganhadora do prêmio Nobel da Paz de 2003 Shirin Ebadi, o documento sugere bases para se estabelecer garantias democráticas para a liberdade, independência, pluralismo e confiabilidade da informação em um cenário de profunda mundialização, digitalização e extrapolação do espaço público.

O presidente da França Emmanuel Macron lembrou que 70 anos depois da adoção da Declaração Universal dos Direito do Homem “a liberdade de opinião e de expressão, que é o fundamento de nossas democracias e da qual nós considerávamos o progresso irreversível, está novamente ameaçada e contestada”. Em seu discurso, manifestou o apoio de seu país à iniciativa e conclamou outros governantes a fazerem o mesmo. “Eu apoio sua iniciativa, eu sou favorável a que nos inspiremos na declaração apresentada hoje para que nos coloquemos de acordo sobre um conjunto de compromissos e que nos esforcemos para juntar a esses compromissos o máximo de Estados. Sou favorável que criemos um grupo internacional de especialistas sobre esse assunto porque não há felicidade sem liberdade e liberdade sem coragem. Vocês tomaram sua responsabilidade e acredito que nós, como chefes de estado e governantes, devemos fazer o mesmo”, afirmou.

O primeiro-ministro do Canadá Justin Trudeau ressaltou ainda a responsabilidade dos dirigentes de democracias livres “de apoiar a necessidade de mídias fortes e independentes nas quais nossos cidadãos têm confiança. (…) O Canadá se engaja a defender a imprensa livre perto da comissão iniciada pela Repórteres sem Fronteiras”.

A Declaração da RSF foi apresentada por Shirin e Deloire durante uma reunião de uma hora com os governantes. “Repórteres Sem Fronteiras iniciou essa Comissão sobre a Informação e a Democracia no momento em que a democracia conhece uma crise profunda que é também uma crise sistemática do espaço público: (…) rumores, desinformação erigida em modelo, enfraquecimento do jornalismo de qualidade, violência às vezes extrema contra os repórteres… Para além desses fenômenos, é nossa responsabilidade considerar as causas estruturais e tomar as medidas apropriadas”, disse Deloire, ressaltando que, enquanto as democracias sofrem com essa situação “regimes despóticos tiram proveito delas”.