Governador de MS vai pedir à União prorrogação por 12 meses do pagamento da dívida do estado

28C7369B-A45E-48AA-BAB9-A9417FB263EC
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Share on print
Share on whatsapp

Governador de MS vai pedir à União prorrogação por 12 meses do pagamento da dívida do estado

Por G1 MS*

O governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), informou que irá pedir a prorrogação do pagamento da dívida do estado com a União. O anúncio foi feito em entrevista ao MS1 nesta segunda-feira (23).
Azambuja explicou que ele e outros governadores têm videoconferência marcada para a manhã de terça-feira (24) com o presidente da República, Jair Bolsonaro. Na reunião, irá fazer o pedido.
“Esse é o pleito dos 27 estados. Que suspenda o pagamento da dívida com a União no prazo de 12 meses e jogue esse valor que venceria esse ano ao final de contrato. Que abra um espaço fiscal de financiamento, que nós possamos negociar com órgãos internacionais, com os bancos públicos do Brasil, para ter um caixa maior, pra nós também podermos flexibilizar algumas coisas”, disse Azambuja.
A intenção, segundo o governador, é poder ajudar comerciantes e empresários de Mato Grosso do Sul que tiverem perdas por conta das determinações relacionadas à prevenção da proliferação do coronavírus.
“Se nós tivermos esse posicionamento positivo do governo federal, a gente pode abrir uma regra de pagamento pra micro e pequena empresa, pra aqueles que hoje estão em dificuldade. Parou seu comércio, não consegue saldar seus tributos. O Estado pode fazer um alongamento disso. Então, tudo isso depende do posicionamento do governo federal”, informou.
Números
Boletim epidemiológico divulgado domingo (22) apontou para 21 casos confirmados de covid-19, um acréscimo de 5 casos para os números do último sábado (21). Dos 21 casos, 19 são de Campo Grande, um de Sidrolândia, e outro de Ponta Porã. Outros 272 casos foram notificados, com 50 suspeitos e 190 descartados. Não há nenhum óbito registrado no estado pelo novo coronavírus.