GRAN CIRCO HERMANO RODRIGUEZ ESTREIA NESTE FINAL DE SEMANA EM PONTA PORÃ

circo hermanos rodriguez
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Share on print
Share on whatsapp

GRAN CIRCO HERMANO RODRIGUEZ ESTREIA NESTE FINAL DE SEMANA EM PONTA PORÃ

Eterno Trapalhão Dedé Santana vai se apresentar nesta sexta-feira, sábado e domingo na Linha Internacional de Ponta Porã (Brasil) e Pedro Juan Caballero (Paraguai).

Malabaristas, palhaços, equilibristas, trapezistas, bonecos e globistas fazem parte da trupe do Gran Circo Hermanos Rodriguez que aterrissa nesta sexta-feira (17), na Linha Internacional, em Ponta Porã. Os artistas prometem levar os encantos e magias tradicionais da arte circense para o público nesta nova temporada na fronteira do Brasil com o Paraguai. A grande atração dos espetáculos fica por conta de uma garotinha de apenas 12 anos que se arrisca fazendo manobras radicais no Globo da Morte com mais 3 motociclistas e do eterno trapalhão Dede Santana.

Cerca de 20 artistas fazem parte da turma que transforma o picadeiro em um verdadeiro show mágico. Entre as piruetas dos malabaristas e as piadas dos palhaços Pipoquinha e Platonito, um robô Transformers leva os pequenos à loucura. O “show kids” com os personagens da Patrulha Canina, Marsha e o Urso e Homem-Aranha transporta o público ao mais lúdico momento da noite.

Tradicional no Gran Circo Hermanos Rodriguez, o Globo da Morte é um dos momentos mais esperados pelos convidados. Com apenas 12 anos, uma das motociclistas se torna a grande atração da noite quando realiza manobras radicais dentro da esfera de aço. Sob a supervisão do pai, a garota também acaba interagindo com os outros 3 artistas que se aventuram em cima das motos.

“É a hora da máquina contra o ferro. Estamos atentos a cada segundo porque todo dia é uma sensação nova”, conta Dayane Rodrigues, que se apresenta no globo da morte há mais de 12 anos.

O Hermanos Rodriguez arrasta multidões por onde passa. Já na 7ª geração da família desde que foi fundado, a estrutura do picadeiro carrega uma história baseada em amor pela arte circense desde o umbigo.

Além do palco principal com capacidade para 1.000 pessoas, o Gran Circo também conta com praça de alimentação recheada de cachorro quente, maçã do amor, pipoca, e churros. Os pequenos também podem levar pisca-pisca e bolas para casa, deixando a lembrança circense ainda mais especial.

As apresentações são de segunda a sexta-feira, às 20h30, e sábado e domingo às 16h, 18h e 20h30 Horário do Brasil. Os ingressos custam R$ 15 adulto e R$ 10 crianças nas cadeiras e R$ 25 para qualquer pessoa no Camarote.

DEDE SANTANA – O ETERNO TRAPALHÃO

Humorista Dede Santana – Reprodução Facebook

Filho do palhaço Picolino (Oscar Santana) e da contorcionista Ondina Santana, Dedé foi criado por uma família, que é descendente de ciganos, entre artistas de circo. É sobrinho do falecido ator e comediante Colé Santana. Entrou no seu primeiro espetáculo circense apenas com três meses de vida, atuando com sua mãe. A peça era o famoso drama A Cabana do Pai Tomás. No picadeiro, Dedé foi palhaço, acrobata, trapezista, domador de elefantes e chegou até a fazer o “Globo da morte”. Nesta fase, chegou a interpretar o palhaço Arrelia no próprio circo do palhaço, que ocupava-se gravando seu programa, o Circo do Arrelia. Certa vez, Dedé que trabalhava numa confecção pela manhã e interpretava o palhaço na matinê à noite, chegou atrasado para o espetáculo e se esqueceu de pintar o rosto, levando o público ao delírio e ganhando o título de “Palhaço de Cara Limpa”.

Dedé ficou marcado como o mais sério dos Trapalhões, por ser ele o que agia de maneira mais normal, talvez para que o personagem se diferenciasse um pouco dos seus três amigos exageradamente hilários. Por ser o mais inteligente, Dedé agia como o cérebro do grupo. Sempre tentava corrigir as trapalhadas de seus companheiros e se mostrava o mais impaciente e o mais facilmente aborrecível. Mas não era difícil vê-lo metido em situações bastante cômicas.

Foto: Reprodução / Facebook

Com informações Midiamax e Wikipedia*