Homem envolvido em tortura da jornalista é condenado a cinco anos de prisão

lidia
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Share on print
Share on whatsapp

Homem envolvido em tortura da jornalista é condenado a cinco anos de prisão

Homem envolvido em tortura da jornalista mexicana Lydia Cacho é condenado a cinco anos de prisão

Por Silvia Higuera/ME

Pelo crime de tortura contra a jornalista mexicana Lydia Cacho em 2005, Juan Sánchez Moreno, comandante da Procuradoria Geral do Estado de Puebla, recebeu uma condenação em 15 de janeiro, informou a organização Artigo 19 México no Twitter.

Lydia Cacho (Foto:Eneas De Troya, CC BY 2.0)

Sánchez Moreno deve pegar cinco anos e três meses de prisão e pagar uma multa de 12.133 pesos mexicanos (aproximadamente US$ 644), informou o site da Infobae.

“Esta sentença contém uma pena que não corresponde à gravidade dos atos de tortura ou ao posto de comando ocupado por Sánchez Moreno”, escreveu a Artigo 19 em sua conta no Twitter.

Segundo a organização, essa é a segunda sentença contra qualquer pessoa envolvida na detenção arbitrária e tortura de que Cacho foi vítima em 2005. Em 17 de outubro de 2017, José Montaño, ex-comandante da Polícia de Puebla também foi condenado a cinco anos e três meses de prisão. Posteriormente, sua pena foi aumentada para seis anos, afirmou a organização.

Em agosto de 2019, um juiz federal emitiu um mandado de prisão contra o ex-governador de Puebla, Mario Marín Torres, e contra o empresário têxtil, Kamel Nacif Borges, por sua suposta responsabilidade na tortura contra a jornalista Lydia Cacho; mas não foram capturados, relatou o Artigo 19.

Os crimes para os quais Cacho exige justiça há 14 anos ocorreram em 2005. Nesse ano, Cacho escreveu o livro “Demônios do Éden. O poder que protege a pornografia infantil”, denunciando uma rede de pornografia infantil na qual supostamente autoridades públicas e empresários reconhecidos do país, como José Kamel Nacif Borge, estavam envolvidos.

Em julho de 2005, Nacif apresentou uma queixa contra Cacho, no estado de Puebla, pelos crimes de difamação e calúnia (ela foi absolvida dessas acusações posteriormente). A jornalista foi presa no estado de Quintana Roo em dezembro de 2005 e levada para Puebla em uma jornada de mais de 20 horas em que, segundo a denúncia de Cacho feita à ONU, ela foi vítima de tortura psicológica e física, toques e insinuações sexuais, ameaças de morte e violência verbal e física.

Posteriormente, na sede do Procurador-Geral de Puebla, disse a jornalista, ela também foi vítima de abusos sexuais e violência física e verbal. Ela foi libertada após pagar uma fiança de 70 mil pesos mexicanos (aproximadamente US$ 3.700).

Em busca de Justiça, Cacho buscou ajuda junto a instâncias internacionais.

Em 31 de julho de 2018, o Comitê de Direitos Humanos das Nações Unidas emitiu uma resolução sobre o caso de Cacho. Segundo o Comitê, o Estado mexicano violou alguns dos direitos humanos estabelecidos no Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos, como igualdade de gênero, proibição de tortura, liberdade e segurança pessoal, liberdade de expressão, entre outros.

Em 10 de janeiro de 2019, o Estado mexicano pediu desculpas públicas a Cacho pelo que aconteceu, como parte das resoluções adotadas pelo Estado após a decisão do Comitê da ONU.

“Um ano após o reconhecimento da responsabilidade do Estado mexicano e o pedido público de desculpas à jornalista @lydiacachosi [Lydia Cacho], pelas violações de direitos humanos perpetradas em sua queixa em 2005, ainda não há justiça e a integridade de Lydia continua em risco”, escreveu a Artigo 19 no Twitter.