Imagens feitas por fotógrafa chilena assassinada sumiram de seu apartamento

albertina 1
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Share on print
Share on whatsapp

Imagens feitas por fotógrafa chilena assassinada sumiram de seu apartamento

Redação Portal IMPRENSA*
O Ministério Público chileno iniciou uma investigação formal sobre a morte de Albertina Martínez Burgos, fotojornalista, cujo corpo foi encontrado esfaqueado e com sinais de espancamento em seu apartamento, no centro de Santiago, na quinta-feira.

Crédito:Reprodução
Albertina, de 38 anos, trabalhava como assistente de iluminação no canal Mega. Seu corpo foi encontrado pela sua sogra, que foi até o apartamento a pedido do filho, que não estava conseguindo falar com a namorada há dois dias.

No dia 14 de novembro, Albertina registrou o confronto entre a polícia e os manifestantes na Plaza Baquedano.

Diferentes meios de comunicação chilenos denunciaram que a fotojornalista participou ativamente do registro dos abusos da polícia contra os manifestantes, embora sua colega de trabalho, Andrea Aristegui, tenha afirmado no Instagram que Albertina estivesse “com um pouco de medo de comparecer às marchas” e que “ela esteve na marcha de 14 de novembro pela primeira vez”.

Em um post no Facebook, Albertina retratou o confronto entre polícia e manifestantes na Plaza Baquedano. Todo o material fotográfico que a fotojornalista tirou das manifestações desapareceu, assim como itens valiosos.

O movimento feminista “Nem um pouco” lamentou o Chile em suas redes sociais: “Exigimos que as causas de sua morte sejam esclarecidas. Nem o computador, nem a câmera estavam em seu apartamento no momento em que foi encontrada sem vida. Não vamos esquecer o nome dela, não vamos esquecer o rosto dela ”, disse no Instagram.