Impeachment: Sindicatos rurais levam mais de 600 pessoas a Brasília

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print

Acompanhar a votação da Câmara dos Deputados em relação à admissibilidade do processo de impeachment em sessão realizada na Esplanada dos Ministérios no último domingo (17), em uma manifestação democrática e pacífica. Foi com este objetivo que os sindicatos rurais de Mato Grosso do Sul, organizados em 16 caravanas, viajaram no sábado rumo a Brasília.

Ao todo, foram reunidos mais de 600 produtores rurais e colaboradores de norte a sul do Estado de Mato Grosso do Sul. Em Campo Grande, uma tenda foi montada no Shopping Bosque dos Ipês para a concentração das caravanas de Três Lagoas, Dourados, Terenos e da Capital.

Para o presidente do Sistema Famasul, Mauricio Saito, a organização das caravanas comprovam que o setor está cada vez mais unido e consciente do seu papel político. “Essa mobilização é um ato de democracia e merece o respeito da sociedade. É o primeiro passo de um processo que objetiva o retorno da governabilidade, essencial para a criação de um ambiente que possibilite a retomada de crescimento de nosso país”.

De acordo com o produtor rural e presidente do MNP – Movimento Nacional de Produtores, Rafael Gratão, o sentimento é de que a partir de então a economia reaja positivamente. “Desejamos que a credibilidade do País retorne e que a assim tenhamos renovação de nossa energia para que continuemos a produzir. É importante mostrar a união dos produtores que é o setor que segura o PIB”.

A expectativa positiva em relação ao impeachment foi expressada pela produtora rural de Caarapó e Caracol, Maria Tereza Ferreira: “O País precisa de mudança, ninguém suporta mais. Precisamos estancar a corrupção”, salientou.

Impeachment – Por 367 votos favoráveis e 137 contrários, a Câmara dos Deputados aprovou a autorização para ter prosseguimento no Senado o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. A partir de agora, o Senado pode manter esta decisão e instaurar o processo ou arquivar as investigações.

Na sessão de domingo, dia 17 de abril, que durou aproximadamente 10 horas, foram sete abstenções e somente dois ausentes dentre os 513 deputados.