Jornal Reforma é ameaçado por cobertura de AMLO e da sua gestão da Covid-19

Reforma
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email
Share on telegram
Share on print
Share on whatsapp

Jornal Reforma é ameaçado por cobertura de AMLO e da sua gestão da Covid-19

Por Perla Arellano/ME

O jornal mexicano Reforma publicou um áudio em que um homem, que afirma ser de um grupo do crime organizado, ameaçou “explodir” a redação se não parassem de criticar o presidente Andrés Manuel López Obrador.

 Reforma publicou um áudio da ameaça (Captura de tela do YouTube)

Segundo o áudio, publicado no canal do YouTube do Grupo Reforma em 14 de maio, a pessoa diz à operadora que está ligando em nome do cartel de Sinaloa, que, de acordo com ele, “é a favor de Andrés Manuel López Obrador” e critica Reforma por ter publicado o vídeo intitulado “Do ‘não é nada’ … até a emergência”. Nesse vídeo, Reforma mostra as declarações de López Obrador e as datas em que ele as mencionou, junto com um gráfico com o número de casos confirmados e mortes por COVID-19.

A pessoa disse que com este vídeo Reforma está “denegrindo, quase zombando do Presidente da República” e ameaça que, se esse tipo de cobertura sobre o presidente não parar, seu grupo criminoso atacará o jornal.

“O que estão fazendo já passou dos limites”, disse o homem à operadora, dizendo a ela para deixar uma mensagem para a redação do Reforma, “… Não difame o Presidente da República, não traia a sua terra natal, porque senão nós vamos explodir os escritórios de seu jornal”.

A chamada, informou o Reforma, foi feita em 13 de maio às 8:42 da manhã de um telefone em Mexicali, Baja California.

Em 14 de maio, durante sua coletiva matinal, López Obrador disse que seu governo não tinha nada a ver com as ameaças feitas contra Reforma.

“Desqualificamos qualquer ato violento. Somos contra a violência, somos pacifistas”, afirmou o presidente. Ele condenou qualquer ameaça feita em nome de seu governo, afirmou que nenhum meio de comunicação seria censurado e que “liberdades plenas ao direito de discordar, certamente o direito a críticas, serão garantidas”.

No entanto, ele também enfatizou suas críticas ao jornal, dizendo que “sabemos que temos diferenças com o Reforma, continuaremos a tê-las porque pensamos de maneira diferente”.

“Eles são os representantes mais genuínos do pensamento conservador no México e são os que se opõem à Transformação”, disse López Obrador, falando de sua visão do futuro do país que ele chamou de Quarta Transformação, fazendo referência a outros momentos marcantes da história do México. “Porque eles querem manter o mesmo regime de corrupção e privilégios que reinaram no México por um longo tempo.”

No mesmo dia, a Junta de Administração do Mecanismo para a Proteção de Pessoas defensoras dos Direitos Humanos e Jornalistas denunciou as ameaças dirigidas ao jornal e informou que entraram em contato com o Reforma sobre “quaisquer medidas de segurança que possam ser necessárias”.

Enfatizando o importante papel da imprensa mexicana na democracia daquele país, a Junta reiterou que “… é reconhecida a obrigação de garantir que o exercício jornalístico seja desenvolvido livremente, sem qualquer tipo de pressão ou risco que atrapalhe seu legítimo exercício, pois do contrário se atenta contra o Estado democrático e de direitos”.

“As pessoas e organizações que defendem os direitos humanos e os jornalistas devem trabalhar sem obstáculos ou insegurança, em um ambiente seguro e favorável em todo o país”.

A Junta exortou a sociedade a respeitar a liberdade de expressão e a defesa dos direitos humanos.

“As pessoas e organizações que defendem os direitos humanos e os jornalistas devem trabalhar sem obstáculos ou insegurança, em um ambiente seguro e propício em todo o país”.

Ele exortou a sociedade a respeitar a liberdade de expressão e a defesa dos direitos humanos.

Por meio do Twitter, Edison Lanza, Relator Especial para a Liberdade de Expressão da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), reconheceu a declaração do governo mexicano.

“Eu cumprimento @SEGOB_mx @SRE_mx por condenarem de forma contundente a ameaça ao jornal @Reforma e destacarem o papel da imprensa mexicana em sua democracia. Prevenção, proteção e procuração da Justiça caminham juntas na luta contra a violência contra jornalistas”, escreveu ele. .

Esta não é a primeira vez que o grupo Reforma recebe ameaças pela cobertura do presidente mexicano. A relação entre o jornal e López Obrador, e os comentários do presidente sobre o veículo, fizeram com que as organizações que defendem a liberdade de expressão e informação pedissem ao presidente que tome medidas sobre o assunto em relação a como ele se expressa sobre a imprensa.

Em 25 de abril de 2019, a Artigo 19 denunciou ameaças recebidas pelo jornal e seu editorialista geral Juan E. Pardinas, que foi vítima de “ameaças de morte, assédio e tentativa de doxxing nas redes sociais por indivíduos desconhecidos, que também iniciaram uma campanha de difamação com a hashtag #NarcoReforma “.

As ameaças, de acordo com a Artigo 19, ocorreram depois que López Obrador criticou Reforma em sua entrevista coletiva pela manhã em 23 de abril de 2019, por ter publicado o endereço de sua casa presidencial no artigo “Refuerzan vigilancia en casa de AMLO” (reforçam a vigilância na casa de AMLO), que tratava das ameaças que o presidente havia recebido de uma organização criminosa. No entanto, o endereço do líder é de domínio público desde a campanha eleitoral de 2018.

A organização também exigiu que as autoridades mexicanas protegessem Pardinas e interrompessem o discurso estigmatizante em relação ao meio de comunicação, porque contribuía para um “impacto direto sobre a proteção ou o risco que podia gerar para o trabalho da imprensa, uma vez que permeia o discurso do resto da sociedade e até gera ataques”, como pode ser visto no caso de Reforma e Pardinas em 2019