Jornalista alemão detido na Venezuela desde novembro inicia nova greve de fome na prisão

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on twitter
Share on email
Share on print

Por Carolina de Assis

O jornalista alemão Billy Six, preso na Venezuela desde meados de novembro, iniciou no dia 3 de fevereiro uma nova greve de fome e “exige sua imediata liberação”, conforme informou a organização venezuelana Espacio Público.

Six está preso desde o dia 17 de novembro, segundo reportou a BBC News Mundo na ocasião. Ele foi detido por agentes da Direção Geral de Contrainteligência Militar em Santa Cruz de Los Taques, cidade litorânea a 500 km a oeste de Caracas.

O jornalista foi levado para a prisão Helicoide, no centro da capital venezuelana, sede do Serviço Bolivariano de Inteligência (Sebin), e lá se encontra até o momento, disse a Espacio Público, associação civil voltada à promoção e à defesa da liberdade da expressão e do direito à informação na Venezuela.

No dia 13 de dezembro, Six iniciou uma greve de fome para exigir que lhe fosse permitido comunicar-se com sua família, com a Embaixada da Alemanha em Caracas e com um advogado de sua confiança, afirmou a organização.

No dia 14 de dezembro, a Embaixada conseguiu falar com ele ao telefone pela primeira vez desde sua prisão, reportou a agência de notícias alemã DW.

Segundo uma nota da Espacio Público, o jornalista seguiu sem se alimentar até o dia 22 de dezembro, quando teria suspendido seu protesto à espera de uma solução diplomática para sua libertação.

Carlos Correa, diretor da organização, disse a El País em dezembro que Six “entrou na Venezuela desde a cidade colombiana de Cúcuta, fez várias coberturas, entre elas uma manifestação com Maduro. Foi lá que ele fez fotografias desde um ponto muito próximo do mandatário e por isso o acusam de violar os perímetros de segurança”.

Ele é acusado de espionagem, violação de zonas de segurança e rebelião e seu processo será julgado em um tribunal militar, informou El País.

Caso seja condenado, Six pode ser sentenciado a até 28 anos de prisão, afirmou a organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF).

“As autoridades venezuelanas devem divulgar o quanto antes as provas contra o jornalista e colocá-lo em liberdade para que possa preparar sua defesa”, afirmou Emmanuel Colombié, diretor da RSF na América Latina, em dezembro. “Por outro lado, é inconcebível que o Estado venezuelano faça com que um tribunal militar julgue o jornalista. Isso constitui uma grave violação à legislação nacional e às obrigações internacionais do país. Um civil não tem por que comparecer diante de uma corte militar.”

De acordo com a DW, Six escreve para os veículos alemães de direita Junge Freiheit e Deutschland-Magazin e estava na Venezuela cobrindo a crise econômica, política e social por que passa o país.

O jornalista, que segundo El País se autointitula o “Indiana Jones do jornalismo” em seu canal do YouTube devido a suas coberturas em países em conflito, já esteve preso durante 12 semanas na Síria por ter entrado no país ilegalmente, disse a DW.

Six era um dos três jornalistas presos na Venezuela em dezembro de 2018, o que fez do país o líder na América Latina com mais profissionais da imprensa presos por fazer seu trabalho no fim do ano passado, segundo relatório anual do Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ).

Além dele, também estão presos os venezuelanos Jesús Medina Ezaine, detido na prisão militar Ramo Verde desde agosto de 2018, e Braulio Jatar, em prisão domiciliar desde maio de 2017.

A segunda greve de fome de Six acontece pouco depois das detenções de pelo menos 10 jornalistas estrangeiros na Venezuela ao longo das duas últimas semanas de janeiro.

O Centro Knight entrou em contato com a Embaixada da Alemanha na Venezuela e com a organização Espacio Público, mas não teve resposta até o fechamento desta nota.